Fonte: OpenWeather

    Meio Ambiente


    Ministério do Meio Ambiente cria Secretaria da Amazônia

    De acordo com o decreto publicado hoje, a Secretaria da Amazônia e Serviços Ambientais ficará encarregada de formular e coordenar estratégias para a “prevenção e controle do desmatamento ilegal, dos incêndios florestais e das queimadas”.

    O governo tem sido criticado pela comunidade internacional para com o tratamento que tem dado à Amazônia, a região mais rica do planeta em biodiversidade
    O governo tem sido criticado pela comunidade internacional para com o tratamento que tem dado à Amazônia, a região mais rica do planeta em biodiversidade | Foto:

     

    BRASÍLIA – O governo federal divulgou nesta quarta-feira uma mudança na estrutura do Ministério do Meio Ambiente. Com a mudança, o ministério vai ter, agora, uma secretaria especificamente dedicada à Amazônia e outra destinada a assuntos climáticos. A alteração acontece em meio ao avanço do desmatamento na Amazônia. 

    A mudança foi publicada na edição desta quarta-feira do Diário Oficial da União (DOU). O número de secretarias foi mantido em seis, mas algumas delas sofreram alterações e outras foram incorporadas para dar lugar à secretaria da Amazônia.

    De acordo com o decreto publicado hoje, a Secretaria da Amazônia e Serviços Ambientais ficará encarregada de formular e coordenar estratégias para a “prevenção e controle do desmatamento ilegal, dos incêndios florestais e das queimadas”. A secretaria também ficará encarregada de formular políticas para promover a redução das emissões de gases do efeito estufa e relacionadas à comercialização dos estoques de carbono florestal.

    O ministro o Meio Ambiente, Ricardo Salles,  tem defendido o pagamento por serviços ambientais como uma das formas de garantir o financiamento necessário para o combate ao desmatamento na Amazônia.

    Leia também:   Maior centro da Amazônia, Manaus assume protagonismo internacional

    Críticas pelo desmatamento

    Queimadas na Amazônia
    Queimadas na Amazônia | Foto: Divulgação

    Nos últimos meses, o Brasil voltou a ser alvo da atenção internacional em razão do aumento nas taxas de desmatamento e incêndios florestais. O desmatamento na Floresta Amazônica cresceu 33% entre agosto de 2019 e julho de 2020 em comparação com o mesmo período entre 2018 e 2019, indicam dados do sistema de monitoramento por satélite Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Neste período, um total de 9.205 km² de floresta foi derrubada, um aumento expressivo em relação aos 6.844 km² registrados no período anterior. É o maior indice desde o início da série do Deter, que começou em 2015.

    Leia mais:

    Amazônia e pantanal batem recordes de queimadas

    Jornal português destaca prefeito Arthur na campanha 'SOS Amazônia'

    História de que Amazônia arde em fogo é uma mentida, diz Bolsonaro

    Veja vídeos da Amazônia na Amazonpedia, o canal de vídeos do EM TEMPO



    Comentários