Fonte: OpenWeather

    Sustentabilidade


    Moto Honda da Amazônia apresenta projeto ecológico no Dia da Árvore

    O projeto, que promove a educação ambiental e a preservação de espécies de árvores em extinção, também realiza a doação de frutas e hortaliças cultivadas no terreno

    No local, há o cultivo das alfaces americana e crespa, e rúcula, consumidas na fábrica da empresa | Foto: Lucas Silva

    Manaus - É celebrado nesta segunda-feira (21) o Dia da Árvore, como uma forma de relembrar à sociedade sua importância para a biodiversidade e manutenção do planeta. Pensando nisso, a Moto Honda da Amazônia abriu as portas do complexo onde funciona o Projeto Agrícola, uma iniciativa que promove a preservação e o reflorestamento de espécies ameaçadas de extinção, além de mostrar que é possível unir desenvolvimento econômico e sustentabilidade. A equipe do EM TEMPO esteve presente no local para conhecer o projeto.

    Localizado no quilômetro 32 da BR 174, o espaço tem 1002 hectares, o equivalente a 927 campos de futebol, e 80% de todo o terreno é considerado uma Reserva Legal
    Localizado no quilômetro 32 da BR 174, o espaço tem 1002 hectares, o equivalente a 927 campos de futebol, e 80% de todo o terreno é considerado uma Reserva Legal | Foto: Lucas Silva

    Localizado no quilômetro 32 da BR 174, o espaço tem 1002 hectares, o equivalente a 927 campos de futebol, e 80% de todo o terreno é considerado uma Reserva Legal. Também são cultivadas árvores frutíferas, como as 1.080 laranjeiras e 480 limoeiros, além de 3.400 árvores de mogno e 3.200 de andiroba. Desde o início do projeto, em 2001, já foram doadas mais de 140 toneladas de alimentos. 

    De acordo com o vice-presidente da empresa, Júlio Koga, o projeto promove, como outros da Honda, o trabalho em harmonia com o meio ambiente, além de incentivar a educação ambiental para a população local, visto que Manaus está localizada no coração da Floresta Amazônica, que compreende um terço de toda floresta tropical mundial.

    Júlio Koga, vice-presidente da Moto Honda da Amazônia, esteve presente em todas as etapas do projeto, desde a compra do terreno
    Júlio Koga, vice-presidente da Moto Honda da Amazônia, esteve presente em todas as etapas do projeto, desde a compra do terreno | Foto: Lucas Silva

    "É importante compartilhar esse tipo de projeto para que a sociedade se conscientize sobre a importância de proteger o meio ambiente. A educação ambiental é um fator relevante, eu vejo algumas escolas que promovem essa educação, e eu acho que é por meio disso que a gente vai ter uma geração mais consciente", afirma o vice-presidente da Moto Honda.

    Segundo Koga, a gestão de sustentabilidade da Honda está fundamentada em quatro compromissos prioritários, que orienta a atuação a longo prazo, que são: meio ambiente, qualidade, segurança e pessoas. A preservação do meio ambiente e o uso consciente dos recursos naturais, são aspectos essenciais para atingir com excelência o desenvolvimento econômico e garantir a longevidade das atividades da empresa. "Com o objetivo de transformar essa filosofia em realidade, a Honda adquiriu essa área, em 2000", explica Koga, que esteve presente durante o desenvolvimento do projeto, desde a aquisição do terreno.

    Cultivo de hortaliças

    No local, há o cultivo das alfaces americana e crespa, e rúcula. De acordo com o engenheiro agrônomo Kioshi Miki, responsável por coordenar todos os processos que envolvem o cultivo das árvores e hortaliças, as espécies foram escolhidas por serem as mais consumidas regionalmente. Depois de colhidas, são levadas à fábrica da Moto Honda e também doadas a instituições sociais.

    "Aqui nós cultivamos duas espécies de alface, a americana e a crespa, que são as mais consumidas aqui na nossa região. E também a rúcula, algumas pessoas gostam muito de consumir, apesar de um gosto meio amargo. Nós também temos alguns projetos parecidos que fazem a produção de pepinos. Hoje nós atendemos a fábrica, tudo o que é produzido vai para o consumo nela, e alguns excedentes nós doamos a entidades carentes", afirma Kioshi. Além disso, o engenheiro explica que são colhidos cerca de 450 quilos de alface e 50 quilos de rúcula, semanalmente.

    São colhidos cerca de 450 quilos de alface e 50 quilos de rúcula, semanalmente
    São colhidos cerca de 450 quilos de alface e 50 quilos de rúcula, semanalmente | Foto: Lucas Silva

    Após o plantio das hortaliças, elas são cultivadas pelo processo de hidroponia, onde uma solução com água e NPK (Nitrogênio, Fósforo e Potássio) corre pelos canos em que as folhas estão, com a ajuda de bombeamento, e após 35 dias elas estão prontas para consumo.

    "Guardiões da Floresta"

    Denominados "Guardiões da Floresta", representantes de diversos meios de comunicação presentes na visita, plantaram  uma muda de Pau-Brasil no terreno
    Denominados "Guardiões da Floresta", representantes de diversos meios de comunicação presentes na visita, plantaram uma muda de Pau-Brasil no terreno | Foto: Lucas Silva

    Denominados "Guardiões da Floresta", representantes de diversos meios de comunicação presentes na visita, plantaram  uma muda de Pau-Brasil no terreno, promovendo uma experiência direta com o projeto. A árvore é nativa do Brasil e está em risco de extinção por ter sido uma das espécies mais exploradas durante o período colonial. Demora cerca de 40 anos para alcançar sua altura máxima de 30 metros.

    A árvore é nativa do Brasil e está em risco de extinção por ter sido uma das espécies mais exploradas durante o período colonial
    A árvore é nativa do Brasil e está em risco de extinção por ter sido uma das espécies mais exploradas durante o período colonial | Foto: Lucas Silva

    Pistas de teste

    No complexo também estão as pistas de testes, que foram construídas em áreas que já estavam desmatadas e simulam diversos tipos de solo, o que garante a qualidade das motocicletas produzidas na fábrica, localizada no Polo Industrial de Manaus (PIM).

    "Eu me recordo de quando era o gerente responsável pelo departamento de engenharia de produtos, em que participei de diversas reuniões para definir que tipos de pistas iríamos construir aqui. [...] Possuímos aqui pistas de alta velocidade, de baixo atrito para testes do sistema de freio ABS, de entre outras. Elas fazem parte da estrutura do nosso Centro de Desenvolvimento de Tecnologia, onde também se encontra o primeiro laboratório de emissões de motocicletas", relata Júlio Koga.

    Reserva Particular do Patrimônio Cultural

    Localizada ao lado do Centro Educacional de Trânsito Honda, a reserva compreende uma área de 16 hectares e está situada desde 2006. Faz limite com o Corredor Ecológico Urbano do Mindu, o que possibilita o deslocamento da fauna e flora entre as áreas preservadas. Com essa iniciativa, diversas espécies de vegetação e animais nativos permanecem no local, como o Sauim-de-Coleira, animal símbolo da cidade de Manaus e que está em sério risco de extinção.

    "Para contribuir com a existência desses bens naturais, a Honda busca criar produtos amigáveis ao meio ambiente e minimizar os impactos ambientais em suas operações. Por nos encontrarmos no meio da Floresta Amazônica, nossa responsabilidade é ainda maior. Um exemplo de nosso compromisso é que anunciamos em 2011 a meta global de reduzir pela metade as nossas emissões de CO2, até 2050" explica Koga. 

    Leia mais

    Amazonas é o terceiro Estado mais desmatado do Brasil

    Manaus registra redução em focos de invasão em áreas protegidas

    Curso ensina comércio seguro e sustentável de combustíveis na Amazônia

    Comentários