Fonte: OpenWeather

    Drones


    Mercado de drones movimentam R$ 300 milhões no Brasil

    Empresas têm investido em aluguel de equipamentos e capacitação de condutores

    | Foto: Reprodução

    Manaus -  Comandados por meio de controles remotos manuseados por smartphones ou sistemas mais complexos e utilizados para uso doméstico ou para coberturas midiáticas de grandes eventos, transporte de cargas e até auxílio para salva-vidas, os drones - denominados no Brasil como veículo aéreo não tripulado (VANT) ganham destaque no mercado econômico no Amazonas. 

    De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os drones movimentaram aproximadamente R$ 300 milhões em 2018 no Brasil. E de acordo com pesquisas do Drone Show, existem 720 empresas do setor de drones e a Anac tem 60 mil drones registrados, sendo 3 mil em Cadastro de Pessoas Jurídicas (CNPJ) de empresas para utilização comercial no Brasil. 

    Os preços, tamanhos e finalidades dos drones são variáveis, e frequentemente o aluguel desses equipamentos costuma ser mais eficiente para determinadas atividades.

    Com este cenário, as empresas especializadas apresentam crescimento, assim como a procura para pilotagem do equipamento. No Amazonas, uma das principais empresas de  no mercado para serviços de aluguel e capacitação de profissionais para pilotagem dos drones é a G Drones da amazônia.

    A empresa é especialista em treinamentos e serviços como imagens aéreas, monitoramento e também na formação e capacitação de pilotos.

      O fundador da empresa, Christopher Paulo Gemu, conta que vou espaço no mercado após um curso de especialização. "Eu tinha acabado de me formar e queria fazer especialização, então a questão do drone me chamou a atenção pela tecnologia. Eu pensava que era algo para recreação, mas fui descobrindo novos segmentos", comenta. 

    O conhecimento sobre as diversas oportunidades que a tecnologia do drone, levou Christopher a realizar cursos para pilotagem da aeronave. "Pesquisei cursos aqui no Amazonas, mas não tinha nada a respeito, fui para o Rio de Janeiro fazer curso de 10 dias para qualificação para instrutor e piloto". 

    E então o que era para adentrar ao mercado profissional, foi a iniciativa para Christopher iniciar a empresa voltada para Drones. "Eu firmei parcerias com canais de televisão o que foi fundamental para colocar em prática o que tinha aprendido no curso e montei a empresa para poder capacitar outros pilotos e instrutores. Ser pioneiro nesse mercado",. 

    Drone para que?

    Apesar de a procura pela utilização dos drones ser mais voltada para abordagem recreativa, a utilização dos drones está presente em diversos segmentos e são equipamentos essenciais para algumas atividades, que substituem a presença humana em situações arriscadas e assume função fundamental. 

    Inicialmente utilizados para funções militares, os drones causaram revolução e atualmente podem ser utilizados para diversos meios, desde o mapeamento de fazendas, plantações, mapeamento policial, coberturas jornalísticas, de shows e eventos.

    Os preços de Drones alteram entre R$ 60 até R$ 200 mil e dependem do modelo, da parte operacional e do tamanho. 

    Regras para utilização 

    Apesar de compra de drone ser livre, desde março de 2017, a Anac possui orientações para a utilização desses veículos, que funciona de forma complementar às orientações do Departamento de Controle do espaço Aéreo (Decea) e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel)

    O proprietário deve registrar o drone por meio de um cadastro, emissão de certificado e autorização da Anac tanto para uso recreativo ou não recreativo.

    E Christopher Paulo destaca a importância da segurança na pilotagem da aeronave. "Muito utilizado para uso recreativo, o uso não é brincadeira. A pilotagem precisa de responsabilidade e seguir as normas para evitar acidentes e prezar pela segurança", destaca o fundado. 

    Primeiramente, o proprietário do drone precisa registrar o produto e especificar para qual atividade será utilizado. As regras são específicas e o proprietário, ao realizar o cadastro deve informar dados pessoais como nome, endereço, número de Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou Cadastro de Pessoa Jurídica (CNPJ) e informar também dados específicos do produto, como ano de fabricação e uma foto do produto. 

    As regras da Anac para voo de drones recreativos e privados são diferentes das regras para drones utilizados por órgãos de segurança pública, de polícia, de fiscalização tributária e aduaneira, de combate a vetores de transmissão de doenças de defesa civil e corpos de bombeiros.

    Os voos recreativos e de empresas privadas devem obedecer os critérios exigidos de distanciamento, locais de pouso e decolagem e autorização de pessoas próximas ao local.

    Comentários