Fonte: OpenWeather

    INCIDENTE DIPLOMÁTICO


    Maduro fecha fronteira venezuelana com o Brasil

    Fronteira que liga Santa Elena de Uairén, no sul da Venezuela, a Pacaraima (RR), estará fechada oficialmente a partir das 20h desta quinta-feira, no horário de Caracas e de Manaus

    Manaus - O regime venezuelano comandado por Nicolás Maduro, mandou fechar, no início da tarde desta quinta-feira (21), a fronteira venezuelana com o Brasil, localizada na cidade de Santa Elena de Uairén, estado de Bolívar, a 15 quilômetros de Pacaraima (RR). A medida, que passa a valer a partir das 20 horas desta quinta-feira, no horário de Caracas e de Manaus, tem como objetivo impedir a entrada de ajuda humanitária em território venezuelano, vinda dos Estados Unidos e do Brasil.

    A decisão foi comunicada em pronunciamento de Maduro transmitido pela conta no Twitter do Ministério do Poder Popular para as Relações Exteriores, Justiça e Paz da Venezuela. Na sequência de postagens, a vice-presidente Delcy Rodríguez anunciou a suspensão de voos e o bloqueio de fronteiras aéreas e marítimas com as ilhas de Aruba, Curaçao e Bonaire, diante de uma "ameaça de intervenção" estrangeira.

    Viaturas militares ocupam a rodovia Troncal 10, que leva à saída venezuela e fronteira com o Brasil
    Viaturas militares ocupam a rodovia Troncal 10, que leva à saída venezuela e fronteira com o Brasil | Foto: Reprodução/Twitter/Americo De Grazia

    Movimentação militar

    A denúncia foi feita pelo deputado oposicionista Americo De Grazia, em sua conta no Twitter. Nas fotos, tanques das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (Fanb) chegam à estrada Troncal 10, que leva à saída da Venezuela e dá acesso à rodovia BR-174, já em território brasileiro. 

    A atitude do governo de Nicolás Maduro tem sido de bloquear toda a entrada de insumos para ajuda humanitária. A mesma operação aconteceu na Ponte Internacional de Tienditas, que liga o estado de Táchira, na Venezuela, à cidade de Cúcuta, na Colômbia, na última quinta-feira (14). Dois contêineres e um caminhão-tanque foram colocados nas três auto-estradas da ponte para bloquear o acesso externo à Venezuela, além de um pelotão militar.

    Ponte Internacional de Tienditas, que liga Ureña, na Venezuela, a Cúcuta, na Colômbia, está fechada por caminhões e militares venezuelanos
    Ponte Internacional de Tienditas, que liga Ureña, na Venezuela, a Cúcuta, na Colômbia, está fechada por caminhões e militares venezuelanos | Foto: Gabinete de Imigração da Colômbia/AFP

    Ajuda humanitária necessária

    Na manhã desta quinta-feira, o presidente autoproclamado Juan Guaidó viajou para a fronteira com a Colômbia, na tentativa de fazer entrar em território venezuelano a ajuda humanitária bloqueada pelo regime madurista. Segundo Guaidó, seria preciso abrir um corredor humanitário, "aconteça o que acontecer". A data estipulada pelo presidente para a entrada dos insumos seria sábado (23).

    Durante um encontro com motoristas de ônibus no leste de Caracas, capital venezuelana, Guaidó avisou que a ajuda humanitária chegaria por ar, por mar e por terra, "e assim conseguirá entrar".

    "Neste 23 de fevereiro, haverá brigadas voluntárias e humanitárias, que aqui há muitas, deslocando-se às fronteiras, não apenas em Cúcuta, mas também em Táchira e Bolívar".

    *Com informações da revista Veja e do jornalista Lucas Berti, via Twitter.

    Leia mais

    Guaidó vai à fronteira com a Colômbia garantir entrada de ajuda

    Governo destina R$ 14 milhões para assistência a venezuelanos

    Guaidó diz que ajuda humanitária 'está nas mãos' dos militares

    Comentários