Fonte: OpenWeather

    Confronto


    Protestos contra reforma na Colômbia deixa mais de 800 feridos

    Presidente Iván Duque acabou recuando nas medidas que visavam recuperar o país dos efeitos da pandemia

     

    Ministério da Defesa da Colômbia contabilizou 846 feridos, entre eles 306 civis
    Ministério da Defesa da Colômbia contabilizou 846 feridos, entre eles 306 civis | Foto: Luisa Gonzalez/Reuters


    Pelo menos 17 pessoas morreram e mais de 800 ficaram feridas durante confrontos nos protestos contra a reforma tributária na Colômbia, entre quarta-feira da semana passada e sábado, informou a Defensoria do Povo — semelhante à Defensoria Pública no Brasil — nesta segunda-feira. Os atos levaram o presidente Iván Duque a anunciar no domingo que o projeto será substituído.

    De acordo com balanço do órgão, 16 civis e um policial morreram nas manifestações que começaram no dia 28 de abril em todo o país. Além disso, o Ministério da Defesa contabilizou 846 feridos, entre eles 306 civis.

    Autoridades prenderam 431 pessoas durante os distúrbios, e o governo ordenou que militares fossem enviados para as cidades onde a tensão é maior. Algumas ONGs acusaram a polícia de atirar contra civis.

    No domingo, pressionado pelas manifestações, o presidente colombiano pediu ao Parlamento que retirasse da pauta a proposta de reforma tributária apresentada pelo governo no mês passado.

    Duque está tentando realizar uma reforma tributária com a qual possa aliviar o rombo que a pandemia deixou na economia. Apesar de contar com a aprovação da maioria dos especialistas em economia para realizá-la, ele esbarra na rejeição da oposição e de boa parte da sociedade, que vê a medida desfavorável à classe média.

    Apesar do anúncio, na manhã desta segunda-feira (3) já havia pessoas nas ruas, com estradas bloqueadas em Bogotá.

    Enquanto isso, também nesta segunda-feira, o peso colombiano despencou em 1,9% — a pior marca em seis meses e, segundo a Bloomberg, a pior performance entre as principais moedas —, ficando em 3.816,15 para cada dólar.

    Em meio a esse cenário e ao recuo do presidente colombiano com a reforma tributária, a estação de rádio colombiana Blu Radio afirmou que o ministro da Economia, Alberto Carrasquilla, deve renunciar do cargo junto de seu vice, Juan Alberto Londono, ainda nesta segunda-feira.

    Já o jornal La Republica vai além, dizendo que toda a equipe que trabalhou no pacote irá deixar o cargo.

    Alteração da proposta

    Desde o final da semana passada, o presidente sinalizava que poderia alterar a proposta de reforma. Na sexta-feira, Duque afirmou que uma das mudanças do projeto seria a manutenção das atuais regras do IVA, o imposto sobre valor agregado, que antes seria aumentado, e da base de cobrança do Imposto de Renda — os recuos foram vistos como formas de aceno à classe média.

    Na opinião de analistas, em relação às manifestações, mais do que protestar contra a reforma, a iniciativa serviu de catalisador para os muitos problemas enfrentados pela população, como o aumento da desigualdade social e o ritmo lento de vacinação — até o momento, apenas 6,6% dos colombianos receberam a primeira dose.

    Segundo Duque — que tem uma popularidade baixa, de 33% —, a reforma é necessária para "dar estabilidade fiscal ao país, proteger os programas sociais dos mais vulneráveis e gerar condições de crescimento depois dos efeitos provocados pela pandemia da Covid-19".

    Com a reforma, o governo pretendia arrecadar cerca de US$ 6,3 bilhões (R$ 34,2 bilhões) entre 2022 e 2031 para resgatar a economia.


    * Com informações do jornal O Globo


    Leia Mais:


    ONG denuncia abusos de forças venezuelanas na fronteira com a Colômbia

    Polícia entra em confronto com manifestantes anti-lockdown na Alemanha

    Estados Unidos: morte de homem negro pela polícia gera nova revolta


    Comentários