Fonte: OpenWeather

    Pandemia


    Com vacinação lenta, Rússia enfrenta terceira onda de covid

    Pesquisas apontam que mais de 60% da população ainda resiste à campanha de imunização; apenas 10.7% recebeu as duas doses

     

    Nesta terça, ocorreu o recorde de mortes na capital em toda a pandemia: 86, além 6.555 novos casos
    Nesta terça, ocorreu o recorde de mortes na capital em toda a pandemia: 86, além 6.555 novos casos | Foto: Denis Griechin/Reuters


    Apesar de ser um dos países que mais rapidamente desenvolveu uma vacina contra a Covid-19, a Sputnik V, e hoje contar com dois outros fármacos, a campanha de vacinação na Rússia segue lenta. Este é um dos fatores que ocasionaram a terceira onda da pandemia no país, que ampliou as medidas de restrição de circulação para pessoas que não receberam a vacina.

    Nesta terça (22), a capital Moscou proibiu que não vacinados frequentem cafés e restaurantes a partir do dia 28.

      Esses estabelecimentos voltaram a sofrer restrições de horários, mas agora só poderão entrar neles quem mostrar comprovante de vacinação, teste negativo ou prova de que ficou doente há pelo menos seis meses.  


    São medidas emergenciais, e não de reabertura programada como ocorreu em Israel e como paulatinamente ocorre na Europa e Estados Unidos.

    O número de casos no país do presidente Vladimir Putin explodiu nas últimas duas semanas. Quase dobrou sua média móvel de uma semana para 15 mil casos diários, e isso num ambiente de notória subnotificação.

    Ampla subnotificação

    Em Moscou, ponto focal da pandemia com metade dos 5,35 milhões de casos no país até aqui, a média triplicou. No sábado (19), um recorde de 9.000 casos foi atingido, repetindo a véspera, ante 3.000 há duas semanas.

    No cômputo geral, a Rússia está em sexto lugar no número de casos no mundo. Sua incidência por milhão de habitantes é de 36 mil ocorrências. No Brasil, o terceiro colocado nominal atrás de EUA e Índia, são 2,3 vezes mais.

      As mortes são sensivelmente mais baixas, mas médicos locais apontam ampla subnotificação devido aos critérios para definir Covid-19 como causa. Assim, são 893 mortes por milhão de habitantes —índice 2,6 vezes maior entre brasileiros.  


    "Isso aqui virou um caos. Começamos a dobrar turnos novamente, como no começo da pandemia, mas os casos são muito mais graves. As pessoas morrem mais rapidamente", afirma a hematologista Liubov, 42, que trabalha no hospital de referência Kommunarka e pede para não divulgar o sobrenome.

    Nesta terça, ocorreu o recorde de mortes na capital em toda a pandemia: 86, além 6.555 novos casos. O Ministério da Saúde russo aponta para a variante delta, a indiana, como a culpada pela avalanche sanitária.

    Ela começou a circular oficialmente no país em maio, e o governo até identificou um grupo de estudantes indianos que visitou Ulianovsk, cidade no centro-sul da porção europeia russa, como possível vetor da doença.

    Em um país dado a procurar responsabilidade em agentes estrangeiros, tal precisão é questionável, mas o fato é que hoje, segundo o prefeito de Moscou, Serguei Sobianin, 90% dos novos doentes na capital têm a variante delta.

    Apenas 10,7% da população total do país está vacinada com duas doses, número semelhante ao brasileiro. Mas aqui há cerca de 30% dos moradores com pelo menos uma dose, número que cai a mais da metade na Rússia.

    Isso levou a medidas controversas. Moscou determinou a vacinação compulsória de pelo menos 60% dos trabalhadores de serviços na semana passada, no que foi seguida por São Petersburgo —ambas são as cidades mais populosas do país.

    Outras regiões, como Tula, foram mais agressivas: todos os grupos de risco terão de ser imunizados.

    Resistência na classe médica

    A resistência ao movimento é clara e tem em Liubov um exemplo acabado. A Folha havia questionado a médica em março sobre sua resistência em receber a injeção da Sputnik V.

    Ela havia alegado que seria preciso mais tempo para entender a eficácia e a segurança do imunizante, que apesar de sofrer reservas de algumas autoridades como a Anvisa brasileira, tem publicados dados em revistas de referência com resultados semelhantes aos das badaladas vacinas de RNA mensageiro americanas.

    "Ainda não me convenci. Mas agora já avisaram no hospital que não será possível trabalhar sem a vacina", disse ela, por meio de aplicativo de mensagem.

      Essa resistência atinge 34% dos médicos russos, segundo pesquisa divulgada na semana passada pela associação da classe. Na população em geral, sondagens de institutos independentes sugerem que até 60% das pessoas não querem se vacinar.  


    O Centro Gamaleya, fabricante da Sputnik V, afirma que sua eficácia contra a variante indiana é similar à contra outras cepas do novo coronavírus, e se aproxima de 100% nos testes de vida real. Estudos nesse sentido ainda precisam ser publicados, contudo.

    As autoridades têm deixado claro o preço a pagar pela falta de vacinação, e não só nas ainda incipientes medidas moscovitas.

    "A realidade é que a discriminação virá inevitavelmente. Pessoas sem imunidade ou sem vacina não poderão trabalhar em qualquer lugar. É impossível, vai gerar uma ameaça para os outros", afirmou nesta terça Dmitri Peskov, o porta-voz de Putin.

    Ele havia sido questionado por repórteres acerca de queixas que chegaram ao escritório da ombudsman de direitos humanos do governo, Tatiana Moskalkova. Ela afirmou que promover vacinação de forma forçada seria "um jogo injusto".

    Peskov disse que havia lido a declaração de Moskalkova, mas que a realidade se impõe. "Temos de reconhecer que o mundo ainda precisa descobrir uma abordagem unificada ou padrões para isso [os passaportes de imunidade]", disse.

    Já Anton Kotiakov, o ministro do Trabalho, disse também nesta terça entender que trabalhadores poderão ser suspensos caso se recusem a receber a vacina em regiões nas quais suas categorias forem obrigadas a recebê-la.

    Restrições

    Com a situação rumando ao descontrole, 17 das 85 regiões russas, inclusive as mais populosas, reintroduziram restrições para o público em geral. Em Moscou, shoppings fecharam áreas de alimentação, cinemas tiveram capacidade reduzida e bares e restaurantes têm de fechar às 23h.

    São Petersburgo foi na mesma linha e é um caso particularmente preocupante, com a circulação de turistas estrangeiros que vieram assistir os sete jogos da Eurocopa sediados na cidade.

      O próprio Putin alertou para o crescimento exponencial da doença em regiões mais distantes do país. Para ele, a combinação da terceira onda com a pouca vacinação traz também um prejuízo político razoável.  


    Ele promoveu pessoalmente a Sputnik V como instrumento de "soft power" num ano em que a Rússia está sob forte crítica do Ocidente pela repressão à opositores como Alexei Navalni e ações para pressionar a Ucrânia.

    O imunizante é o terceiro com maior número de autorizações de uso no mundo, em quase 70 países, inclusive o Brasil —embora a Anvisa tenha restringido seu emprego emergencial até ter mais dados sobre a vacina.


     * Com informações da Folha de São Paulo

    Leia Mais:

    Lote de vacina contra Covid-19 para animais é produzido na Rússia

    Vacina russa Sputnik V tem eficácia de 97,6% em estudo no 'mundo real'

    Comentários