Fonte: OpenWeather

    Homofobia


    Repórter lamenta demissão e diz: 'Não sou e nem fui homofóbico'

    O comentarista da CNN Leandro Narloch associou a população homossexual à promiscuidade e restringiu a contaminação por HIV à comunidade LGBT

    Procurada, a emissora confirmou a dispensa de Narloch em nota
    Procurada, a emissora confirmou a dispensa de Narloch em nota | Foto: Divulgação

    O comentarista Leandro Narloch lamentou demissão da CNN Brasil e afirmou não ser homofóbico, em post publicado na tarde desta sexta-feira (10) nas redes sociais. Nesta semana, Narloch gerou indignação por usar termos como "opção sexual", restringir a contaminação por HIV à população homossexual e associá-la à promiscuidade.

    "A cultura do cancelamento me pegou. A CNN informou agora que, depois da polêmica desta semana, decidiu rescindir o meu contrato. Lamento pelo motivo. Não sou nem fui homofóbico, tenho horror a homofobia e concordei explicitamente com a doação de sangue por homossexuais", disse ele, em comunicado.

    "Me preocupa o clima da sociedade hoje, em que é impossível discordar até mesmo de termos ou terminologias sem causar histeria, sem que o outro lado seja considerado um monstro que precisa ser banido. Agradeço a todos da CNN e a amigos que expressaram apoio e tristeza pelo que ocorreu. E já antecipo anúncios dos próximos dias: um curso contra a cultura de cancelamento, temas 'sensíveis' e ideias proibidas, e uma frente para preservar a diversidade ideológica e a liberdade do debate", acrescentou, em seguida.

    Procurada, a emissora confirmou a dispensa de Narloch em nota: "A CNN Brasil comunica que decidiu rescindir o contrato do jornalista e escritor Leandro Narloch. A empresa agradece pelos serviços prestados no período em que ele fez parte de nossa equipe de analistas e deseja sucesso no seguimento da carreira".

    Leia mais:

    Psicólogos não podem oferecer a ‘cura gay’, diz especialista

    Assassinatos de transgêneros aumentam 49% em 2020

    'Preferiam a minha morte': a dor de LGBT's expulsos de casa, em Manaus

    Comentários