Fonte: OpenWeather

    Justiça


    Frente evangélica condena protesto 'oportunista' contra aborto legal

    Frente Evangélica cobra investigação aberta contra protestantes

    Deputados e manifestantes protestaram em frente a hospital
    Deputados e manifestantes protestaram em frente a hospital | Foto: Jonatas Campos

    A Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito cobra que seja aberta uma investigação sobre o protesto liderado por um grupo de religiosos — católicos e evangélicos — na frente do hospital Cisam, no Recife, contra a interrupção da gravidez, autorizada pela justiça, de uma criança estuprada pelo tio.

    O protestou gerou revolta nas redes sociais na noite deste domingo (16). Ainda assim, o procedimento médico foi concluído nesta segunda-feira (17) e a paciente passa bem, de acordo com informações fornecidas pelo hospital.

    A Frente condenou o “oportunismo” de parlamentares que estiveram no ato e hostilizaram a criança, os familiares e os profissionais de saúde envolvidos na interrupção da gravidez.

    “Um grupo de religiosos, católicos e evangélicos, se reuniu diante de um hospital no Recife (PE) para protestar contra a interrupção da gestação de uma criança, de apenas dez anos, estuprada por seu tio. Junto com parlamentares como os deputados Clarissa Tércio, do PSC e Joel da Harpa, do PP, que participaram do ato, hostilizaram a criança, os familiares e os profissionais de saúde. Cobramos que os envolvidos nesse episódio sejam investigados e, em caso de crimes, punidos'', diz trecho da nota.

    A jovem foi levada para o Recife porque, de acordo com o governo do Espírito Santo, era a capital pernambucana que possuía o protocolo mais seguro para a realização do aborto.

    Na sexta-feira (14), o juiz Antônio Moreira Fernandes atendeu a um pedido do Ministério Público, favorável à interrupção da gravidez. Na decisão, consta "que é legítimo e legal o aborto acima de 20-22 semanas nos casos de gravidez decorrente de estupro, risco à vida da mulher e anencefalia fetal".

    Abaixo-assinado pede que grupo seja processado

    Além da Frente de Evangélicos, um grupo criou um abaixo-assinado virtual para processar a comunidade católica Porta Fideo, que teria participado do protesto. A petição já foi assinada por quase 50 mil pessoas.

    No abaixo-assinado, disponível na change.org, está a justificativa para o processo. “A comunidade católica Porta Fidei realizou um storie [publicação em uma rede social] onde uma moça falava sobre o caso da menina de 10 anos que foi abusada pelo tio, quebrando o sigilo que foi conferido à menina por lei e divulgando sua localidade, causando aglomeração e colocando em risco a vida da jovem e de sua família.”

    Leia mais:

    Suspeito de tocar em partes íntimas de adolescente é preso em Manaus

    Justiça autoriza aborto de menina de 10 anos que engravidou após abuso

    Suspeito de estuprar enteada deficiente e sobrinhas é preso em Manaus

    *Com informações do site Yahoo

    Comentários