Fonte: OpenWeather

    Amazônia


    Acre já registra quase 130 mil afetados com cheia dos rios

    Além das inundações, o estado sofre com um surto de dengue, alta de casos de covid-19 e com conflitos com os imigrantes haitianos e de outras nacionalidades na fronteira com o Peru

     

    A cidade de Tarauacá é uma das mais afetadas pela cheia
    A cidade de Tarauacá é uma das mais afetadas pela cheia | Foto: Reprodução

    Rio Branco (AC) - Em situação de emergência desde a última terça-feira (16), o Acre tem milhares de pessoas desalojadas e desabrigadas devido as enchentes que atingem dez municípios, incluindo a capital Rio Branco.

    O nível de água em alguns rios começou a retroceder de volta para dentro das margens, mas a situação ainda é crítica. O estado  já registra quase 130 mil pessoas afetadas na capital e no interior do estado. 

    Entre as cidades mais atingidas estão: Rio Branco (capital), Cruzeiro do Sul, Tarauacá, Feijó, Sena Madureira, Santa Rosa do Purus, Jordão, Porto Walter, Mâncio Lima e Rodrigues Alves.

    Dengue e imigrantes

     

    A situação foi declarada como emergência na capital Rio Branco, de acordo com a prefeitura. Mais de 100 mm caíram na região em um período de 48h.
    A situação foi declarada como emergência na capital Rio Branco, de acordo com a prefeitura. Mais de 100 mm caíram na região em um período de 48h. | Foto: Sérgio Valle/Agência de Notícias do Acre

    Além das inundações, o estado sofre com um surto de dengue, alta de casos de covid-19 e com conflitos com os imigrantes haitianos e de outras nacionalidades na fronteira com o Peru.

    Na última quinta-feira (18), o município de Assis Brasil decretou estado de calamidade pública devido à dificuldade de abrigar a grande quantidade de imigrantes na cidade após o fechamento da fronteira peruana, por conta da pandemia. Houve conflito entre imigrantes que tentaram forçar a entrada no país vizinho e as Forças Armadas do Peru.

    Situação de emergência

    Após a enxurrada, mais de 40 bairros foram atingidos por águas de igarapés desde a terça-feira(9). A situação foi declarada como emergência na capital Rio Branco, de acordo com a prefeitura. Mais de 100 mm caíram na região em um período de 48h.

    Leia também:

     Acre continua a sofrer com cheias, dengue e Covid-19

    Peru barra imigrantes que querem fugir da pandemia do Brasil

    Situação do Rio Acre

    Até o momento, a cota máxima do Rio Acre, em Rio Branco, foi de 15,85m (considerando que a cheia ainda está em andamento e há possibilidade do rio subir novamente).

    Essa cota máxima já foi superada em outras treze ocasiões de acordo com o histórico. A última vez que o rio Acre ultrapassou a cota em Rio Branco foi em março de 2015, quando o rio atingiu a cota histórica de 18,35 metros. O histórico de registro vem de 1967.

    A cota do Rio Acre hoje em Rio Branco é de 15,60 metros. A previsão do Serviço Geológico do Brasil neste domingo é que o rio baixe um pouco até o nível de 15,34m, e para os próximos dias, a tendência é que o rio permaneça acima do nível de inundação, possivelmente durante toda a próxima semana, em lenta recessão, prolongando o transtorno para as famílias.

    Tempo instável

    A semana vai seguir com tempo instável no estado. Ainda há expectativa de chuva em todos os dias e com potencial para vir em forma de temporal em vários momentos. cerca de 70mm ainda devem cair no estado até o dia 25 de fevereiro.

    Leia mais:

    www.emtempo.com.br/ultimas

    Comentários