Fonte: OpenWeather

    Caso Henry


    Irmã de Jairinho afirma que ele mudou versão sobre morte do enteado

    Vereador apresentou explicações diferentes à medida que laudos eram divulgados

     

    Fisioterapeuta disse que não soube de relato de agressões praticadas pelo vereador
    Fisioterapeuta disse que não soube de relato de agressões praticadas pelo vereador | Foto: Divulgação

    A fisioterapeuta Thalita Fernandes Santos, de 42 anos, irmã de Dr. Jairinho, contou à polícia, na quarta-feira (14), que o irmão mudou de versão à medida que surgiam notícias sobre a morte do menino.

    Segundo Thalita, primeiro Jairinho falou a ela que o menino Henry Borel morreu ao cair da cama. Inicialmente, Jairinho teria dito que Henry passou mal, mas mudou a versão com a divulgação dos laudos técnicos da perícia. A fisioterapeuta relatou isso no depoimento à polícia:

    "Que Jairinho lhe disse apenas que Henry passou mal, eles levaram para o hospital e Henry faleceu; Que depois, quando o conteúdo do laudo de exame de necropsia veio a público pela imprensa, Jairinho lhe disse que acredita que tenha sido uma queda, porém reafirmou que estava dormindo e que não sabe ao certo o que aconteceu; Que, perguntada se indagou à Monique sobre a morte de Henry, bem como o que poderia tê-la ocasionado, respondeu que não".

    Segundo Thalita, em nenhum momento ela soube de relato de agressões praticadas por Jairinho contra qualquer criança e nem que o irmão tenha ficado trancado com Henry em seu quarto, ao contrário do relato feito pela babá da criança, Thayná Ferreira.

    Thalita disse ainda que foi o advogado André França Barreto que pediu a ela para fazer contato Thayná e à empregada Leila Rosângela de Souza, a Rose, que trabalhava no apartamento de Jairinho e de Monique Almeida, mãe de Henry.

    Thalita fez aniversário em 8 de março, mesmo dia em que Henry morreu. Segundo ela não houve comemoração.

    A fisioterapeuta afirmou que o irmão não tinha feito qualquer comentário sobre Henry mas Monique havia contado que levava o filho ao psicólogo. Segundo ela, nunca houve nada de anormal no relacionamento.


    * Com informações do G1


    Leia Mais:


    Estudo da UNB investiga cepas do novo coronavírus encontradas no DF

    Governo do Japão avalia cancelamento da Olimpíada de Tóquio

    Três capitais suspendem aplicação da 1ª dose de vacina contra Covid-19


    Comentários