Fonte: OpenWeather

    Tortura


    Jairo é denunciado novamente pelo Ministério Público do RJ

    Vereador torturou filho da ex-namorada, a estudante Débora de Mello Saraiva, em março de 2015

     

    Dr. Jairinho também foi denunciado por falsidade ideológica, por ter prestado declaração falsa no hospital
    Dr. Jairinho também foi denunciado por falsidade ideológica, por ter prestado declaração falsa no hospital | Foto: Divulgação


    Acusado de torturar o filho da ex-namorada, a estudante Débora de Mello Saraiva, em março de 2015, o vereador Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como Dr. Jairinho, foi denunciado mais uma vez pelo Ministério Público do Rio de Janeiro  por crime de tortura. A criança conta com 2 anos de idade na época.

    Segundo a denúncia, no dia do crime, a criança estava em um shopping localizado na zona oeste do Rio de Janeiro, acompanhado da mãe e da avó, quando Debora recebeu uma ligação de Jairinho, dizendo que iria a uma reunião num salão de festas na Barra da Tijuca e pedindo para levar a criança, pois no local havia brinquedos. 

    O vereador alegou, ainda, que sua ex-esposa Ana Carolina não tinha deixado que ele levasse o filho que têm em comum, e que, por isso, gostaria de levar o filho de Débora, que autorizou que Jairinho buscasse a criança no estacionamento do shopping, e a levasse à reunião.  

      A sessão de tortura teria acontecido momentos depois que ele e o enteado deixaram o local. Segundo a denúncia, a criança foi submetida a “intenso e desnecessário sofrimento físico e mental”. A sessão só foi interrompida depois que a criança começou a vomitar.  


    O vereador teria estacionado e ordenado que o menino, com menos de 3 anos de idade, descesse sozinho do carro. A criança, então, abriu a porta traseira do veículo e tentou descer. Neste momento, caiu e fraturou o fêmur.   

    Jairinho alegou à ex-namorada que o enteado havia “torcido o joelho” e seguiu com ele até um Centro Médico na região.  

    Na ocasião, o menino foi imobilizado com gesso nas duas pernas. Ele ficou imobilizado por cerca de dois meses.

    Falsidade ideológica  

    Dr. Jairinho também foi denunciado por falsidade ideológica, por ter prestado declaração falsa no hospital. Ele disse que a criança havia se machucado num acidente de carro.   

      O vereador e a mãe do menino se conheceram em 2014, na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, quando iniciaram um relacionamento amoroso enquanto o parlamentar ainda permanecia casado com Ana Carolina. Na época, ele comprou um apartamento na zona oeste da capital fluminense, onde costumava encontrar a estudante duas ou três vezes por semana.  


    A denúncia narra ainda outras torturas que Dr. Jairinho teria cometido contra o filho de Débora, entre novembro de 2014 e junho de 2016, no apartamento.

    Cassação 

    Em maio de 2021, o vereador foi denunciado junto com Monique Medeiros por homicídio triplamente qualificado contra Henry Borel, de 4 anos, morto no dia 8 de março.  Em abril, ele já havia sido denunciado por torturar uma menina de 4 anos entre 2011 e 2012, também filha de uma ex-companheira.

    Nesta quarta-feira (30), o plenário da Câmara de Vereadores do Rio se reúne para votar a cassação do mandato do vereador. O relatório final do Conselho de Ética, que pedia a perda do mandato, foi aprovado por unanimidade, 7 votos a 0, na última segunda-feira (28) Jairinho pode ser o primeiro vereador cassado do Rio de Janeiro.


    * Com informações da CNN Brasil


    Leia Mais:

    Conselho de Ética aprova parecer pela cassação de Dr. Jairinho

    Dr. Jairinho é indiciado por violência doméstica contra ex-namorada

    Jairinho é indiciado por tortura de mais uma criança


    Comentários