Fonte: OpenWeather

    Inglaterra


    Brasileiro é condenado à prisão perpétua por matar ex-mulher

    O crime aconteceu em fevereiro, na cidade de Surrey, Inglaterra

     O brasileiro deve permanecer no mínimo 27 anos na cadeia. Depois desse período, a pena poderá ser revista
    O brasileiro deve permanecer no mínimo 27 anos na cadeia. Depois desse período, a pena poderá ser revista | Foto: Reprodução

    O brasileiro Ricardo Godinho, de 41 anos, foi condenado à prisão perpétua pela Justiça do Reino Unido por ter matado a facadas a ex-companheira, a brasileira Aliny Mendes, de 39, na frente de uma filha deles, em Surrey, na Inglaterra, em fevereiro.   

    Segundo informações da imprensa britânica, Godinho foi considerado culpado pelo homicídio e pela posse de um artefato cortante. A sentença foi proferida nesta quinta-feira, 18, após duas semanas e meia de julgamento. O brasileiro deve permanecer no mínimo 27 anos na cadeia. Depois desse período, a pena poderá ser revista. 

    O crime aconteceu no dia 8 de fevereiro, quando acompanhada da filha de 3 anos Aliny descia de um ônibus para buscar as outras crianças na escola. De carro, Godinho seguiu o coletivo e atacou a ex-mulher. Ele fugiu sem prestar socorro. 

    A polícia iniciou a perseguição ao brasileiro após um colega dele ter ligado para a polícia para denunciar que Godinho havia confessado o assassinato. Ele foi detido uma hora e meia depois. Uma faca encontrada no local do crime foi apontada como causadora dos ferimentos que mataram Aliny. 

    Ainda de acordo com a imprensa britânica, Godinho e Aliny foram casados, mas se separaram em dezembro. Segundo a polícia, o brasileiro passou a ameaçá-la desde então. Aliny era mãe de quatro filhos, todos eles com menos de 12 anos. As crianças estão sob custódia do governo britânico. 

    Leia Mais

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Incêndio criminoso deixa pelo menos 16 mortos no Japão

    Goleiro Bruno tem progressão de pena e vai para o semiaberto

    Comentários