Fonte: OpenWeather

    Identidade Cultural


    Quadrinhos ‘Rio Negro’ traz a história de lendas indígenas da Amazônia

    A história das lendas amazônicas como você nunca viu antes, pelos olhos do ilustrador brasiliense Ikarow Ilustrador

    A primeira publicação da 'Rio Negro' faz alusão a lenda do Jurupari, personagem místico do folclore indígena amazônico
    A primeira publicação da 'Rio Negro' faz alusão a lenda do Jurupari, personagem místico do folclore indígena amazônico | Foto: Divulgação


    Manaus – Quem nasceu no Amazonas conhece bem as lendas regionais que invadem o imaginário caboclo. Histórias passadas de geração para geração, e que muito mais do que contos para assustar visitantes, refletem a identidade cultural de povos indígenas que habitaram a Amazônia há pelo menos 40 mil anos. E foi inspirado por figuras como o Saci, o Curupira e o Mapinguari que um ilustrador brasiliense (DF) decidiu dividir a vida de analista de sistemas com a missão de promover o folclore amazônico por meio de histórias em quadrinhos.

    A natureza do criador

    Eron Costa, de 48 anos, ou Ikarow Ilustrador, como é conhecido no mundo geek, nasceu na capital do país, em Brasília. Ele contou que a arte de desenhar o acompanha desde sempre e que antes mesmo de falar suas primeiras palavras, já rabiscava folhas de papeis com lápis de cores. O nome de trabalho (Ikarow) descende de uma lenda grega onde o personagem tenta alcançar o sol voando sob asas de cera, mas acaba morrendo afogado no mar ao ter o par de asas derretidas pelo calor da grande estrela.

    “Antes de eu falar eu já desenhava, a diferença é que as pessoas param de desenhar quando crescem, e eu continuei. Sempre me interessei por desenhar e ler quadrinhos pois sou fascinado por essa forma de comunicação. Acredito que os quadrinhos são uma incrível forma de transferir conhecimento, pois trabalha o cérebro não só lendo o texto, mas também decifrando imagens”, revelou o artista.

    A lenda conta que Jurupari ficou conhecido como o "Peixe Misterioso" entre os cientistas
    A lenda conta que Jurupari ficou conhecido como o "Peixe Misterioso" entre os cientistas | Foto: Divulgação


    Como nos quadrinhos de super-heróis, Ikarow também divide a vida entre duas personalidades. Além de ilustrador, o desenhista atua como analista de projetos – profissão na qual se qualificou profissionalmente. Já a aptidão com o papel e as cores é mais natural do que parece, pois é como autodidata, que o também roteirista desenvolve suas produções.

    “Todo o meu trabalho é autodidata. Sou ilustrador, roteirista, quadrinhista e colorista. Tenho pouco tempo livre porque viajo com frequência, então precisava arranjar uma solução para continuar produzindo mesmo quando estivesse em viagens. Por isso hoje eu faço o esboço de todas as minhas artes e depois aplico as cores digitalmente, direto no Ipad”, esclarece Ikarow.

    A paixão pelo folclore amazônico

    “Nosso folclore nos une como nação bem mais do que a bandeira do Brasil”, destaca o desenhista.

    O folclore brasileiro é como uma verdadeira mina de ouro que poucos garimpeiros ainda exploram. Apaixonado por mitologias, o artista destaca que sempre teve facilidade em encontrar informações sobre a cultura grega, egípcia, nórdica, entre outras, mas se incomodava com a falta de material para leitura sobre as histórias folclóricas do próprio Brasil.

    “Eu sou apaixonado pela mitologia brasileira, e a fonte dessas histórias começa aí na Amazônia, todos os mitos vem da floresta como a Mãe d’Água, o Saci, o Mapinguari, Jurupari. A Amazônia é a mãe da mitologia brasileira e você percebe isso quando viaja para essa região e enxerga de perto como essas pessoas convivem com essa misticidade de forma saudável, fazendo dessas lendas sua identidade cultural e dando extremo valor a isso”, esclareceu o artista.

    Ikarow Ilustrador conta que primeira faz os esboços no papel e posteriormente colore de forma digital
    Ikarow Ilustrador conta que primeira faz os esboços no papel e posteriormente colore de forma digital | Foto: Divulgação


    Foi a partir desse processo de autoconhecimento cultural que Ikarow começou a desenvolver um universo de personagens da cultura brasileira. Quem eram os Deuses cultuados aqui antes da invasão dos europeus? Quem eram os povos que habitavam aqui? Como eram suas relações como o sagrado e com o profano? Essas são algumas das perguntas que o quadrinhista se fez ao assumir a responsabilidade de levar ao mundo a identidade folclórica da Amazônia.

    “Para escrever a ‘Rio Negro’ fui buscar referências em livros muito difíceis de encontrar, alguns nem existem mais, e graças a Deus a internet me ajudou muito por meio de resgates em PDF. Também estudei pesquisas acadêmicas, onde cientistas recolheram relatos de indígenas que contam sobre essas lendas ainda em suas línguas nativas. Ainda é tímido, mas existe um movimento de resgate da cultura brasileira, trabalhando e pesquisando muito”, disse o analista de projetos.

    Rio Negro HQ

    Foi dos anseios de quem buscava se orgulhar por sua própria identidade cultural que nasceu a série em quadrinhos Rio Negro HQ. Disponível por enquanto apenas em edição virtual, o conto dialoga sobre a existência de seres aquáticos ainda desconhecidos nas águas região amazônica. Ikarow revelou que a inspiração para o roteiro surgiu após uma conversa entre ele e uma pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas do Amazonas (Inpa).

    | Foto: Divulgação


    “Rio Negro é uma série em HQ e que já conta com 2 edições. Ela é inspirada na mitologia de vários personagens do folclore brasileiro. A ideia inicial era fazer uma história curta, mas o conteúdo é tão rico que decidi fazer uma série”, explica o artista que ainda completou:

    “Em 1997 uma cientista do Inpa pesquisava camarões na base do rio negro, mas acabou achando um peixe diferente de tudo que ela já tinha visto. Ao recolher o animal e levá-lo para o laboratório foi descoberto que ele não era uma espécie catalogada e que o instituto não descobria uma nova espécie nos rios da Amazônia há pelo menos 150 anos. Pesquisadores voltaram ao local e procuram outro peixe igual aquele por 4 anos, mas nunca o acharam novamente”,

    O segundo volume da série 'Rio Negro' conta sobre a lenda do Mapinguari
    O segundo volume da série 'Rio Negro' conta sobre a lenda do Mapinguari | Foto: Divulgação


    Atualmente a ‘Rio Negro’ já soma duas edições, e sob a mesma ótica Ikarow também lançou mais um HQ virtual intitulado ‘Monstro’, onde a lenda amazônica do Mapinguari é contada. Agora o ilustrador trabalha no nascimento de mais uma obra, dessa vez o conto ‘A Bruxa’ deve trazer aos leitores a lenda da Cuca, personagem metade jacaré e metade bruxa, criada pelo escritor brasileiro Monteiro Lobato.

    Mais informações sobre o trabalho de Ikarow Ilustrador podem ser encontradas por meio das redes sociais do artista, que levam o seu nome.

    Edição: Bruna Chagas 

    Leia mais:

    É fã de quadrinhos? Conheça os amazonenses que respiram essa arte

    Quadrinhos amazonenses serão lançados durante feira em Belo Horizonte

    Primavera em Hollywood: Amazonense publica livro após bombar na web 

    Comentários