Fonte: OpenWeather

    Inovação


    Jovem amazonense ganha a vida estilizando camisas pintadas à mão

    Ele diz que cansou da rotina de trabalhar em uma fábrica no Distrito Industrial, em Manaus, e decidiu ser o seu próprio chefe na confecção de obras de artes expostas em roupas

    Will conta que, durante a escola, sempre era destaque na matéria de artes
    Will conta que, durante a escola, sempre era destaque na matéria de artes | Foto: Divulgação


    Manaus – Aos 28 anos de idade, o amazonense Will Paiva vem chamando a atenção na internet, que vem servindo de vitrine para um trabalho onde arte e sensibilidade dão vida a criativas e coloridas peças de roupas. A necessidade de fugir da crise financeira fez o jovem usar o dom e a paixão pelos desenhos, para consolidar sua própria independência financeira.

    Dos robóticos turnos em fábricas, pelos quais o desenhista trabalhava, ao ateliê em sua casa, onde nascem suas produções. Foi dessa forma que a vida de Will mudou desde que ele decidiu trocar o posto de operário em uma multinacional pela carreira de ilustrador. Evoluindo na arte do grafismo com uma predisposição totalmente autodidata, ele conta que percebeu a naturalidade com os lápis e as tintas ainda muito pequeno.

    O ateliê de Will funciona em sua casa
    O ateliê de Will funciona em sua casa | Foto: Divulgação


    “Eu sempre amei desenhar, mas lidava com isso mais como hobby (passatempo) do que como trabalho. Foi só quando eu comecei a desenhar na escola que os professores e amigos passaram a me incentivar com mais destaque. Então, buscava sempre estar envolvido nos projetos de arte, e era o que eu realmente gostava e sabia fazer de melhor. Dessa forma, eu aprimorava minhas técnicas, afinal não tinha condições de pagar por cursos profissionalizantes”, lembra o artista.

    O trabalho de pintura é totalmente manual
    O trabalho de pintura é totalmente manual | Foto: Divulgação


    Will foi crescendo e a necessidade de assumir a responsabilidade sobre sua própria vida foi encaminhando o ilustrador para o mercado de trabalho. Nessa época, ainda não era trabalhando com os desenhos que o jovem ganhava a vida.

    “Com o passar do tempo eu fui trabalhar em uma fábrica do Distrito Industrial de Manaus, na Zona Sul, mas vi que não era um estilo de vida que queria para mim. Após alguns meses de serviço, comecei a pensar em alternativas financeiras que me dessem segurança, caso deixasse a fábrica. Foi quando um amigo, que também desenhava, disse que pintava em camisas e que conseguia ganhar dinheiro com esse tipo de serviço”, explica.

    Camiseta Lana Del Rey
    Camiseta Lana Del Rey | Foto: Divulgação


    O artista revela que sempre teve o ciclo social bem movimentado e, por isso, não foi difícil começar a vender as camisas. Atualmente, com quatro anos no seguimento, Will movimenta a venda de duas a dez camisas por cada pedido de cliente.

    Camiseta Unicórnio
    Camiseta Unicórnio | Foto: Divulgação

    “O cliente precisa entrar em contato comigo apresentando a imagem que ele deseja pintar e eu explico os detalhes, por exemplo: o desenho precisa estar em boa resolução por causa dos pontos. Desenhos muito detalhados são mais difíceis de reproduzir e por isso ficam semanas sendo produzidos. Muitas vezes eu mesmo ajudo o cliente a se decidir, fazendo uma pré-seleção de imagens, abordando o que dá e o que não dá para fazer”, diz o artesão.

    O jovem trocou os exaustivos turnos das fábricas pelo trabalho manual em casa
    O jovem trocou os exaustivos turnos das fábricas pelo trabalho manual em casa | Foto: Divulgação


    As camisas vendidas pelo grafista ficam em uma faixa de preço entre R$ 40 a R$ 80, tudo depende do tamanho e da qualidade dos detalhes exigidos pelos clientes. Ele usa um programa virtual para fazer a edição das imagens na peça de roupa que, posteriormente passa por uma impressora dando início ao processo de transferência do esboço do desenho para a camisa.

    Camiseta produzida pelo ilustrador
    Camiseta produzida pelo ilustrador | Foto: Divulgação


    A ideia para o futuro é que o negócio possa ser ainda mais expandido. Will revela que já buscou por cursos de serigrafia para otimizar a qualidade do serviço, mas destaca que hoje em dia a internet oferece um espaço de aprendizado acessível e por vezes muito mais completo.

    “Atualmente eu busco muitas referências em aulas online, mas não descarto a possibilidade de começar a trabalhar com estamparia também. Contudo, por enquanto eu amo pintar”, reafirma o jovem.

    Camiseta Vogue
    Camiseta Vogue | Foto: Divulgação

    O trabalho de Will Paiva fica disponível em seus perfis nas redes sociais, como Facebook e também no Instagram.

    Edição: Isac Sharlon

    Leia mais:

    Artesão transforma lixo eletrônico em arte

    Começa a se 'esquentar' a venda de material escolar em Manaus

    Carnaval começa a embalar as vendas no comércio de Manaus 

    Comentários