Fonte: OpenWeather

    Artesanato


    Artesão amazonense é aposta em Feira Nacional de Artesanato

    Sustentabilidade, criatividade e design levaram o técnico em eletrônica Denizal Melo a concorrer em uma das maiores feiras de artesanato da América Latina, a Fenearte

    Denizal Melo vai representar o Amazonas na maior feira de artesanato da América Latina
    Denizal Melo vai representar o Amazonas na maior feira de artesanato da América Latina | Foto: Arquivo pessoal

    Manaus - Diversas peças de sucata eletrônica se transformam em obras de arte após passarem pelas mãos do artesão amazonense Denizal Melo. Por transformar materiais como antenas de TV e telas de notebook em miniaturas de motos, trens, carros e animais, que o artista representará o Amazonas na maior feira de artesanato da América Latina. 

    Denizal foi um dos 50 selecionados dos mais de 1,5 mil inscritos para concorrer a diversas categorias na 20ª edição da Feira Nacional de Negócios de Artesanato (Fenearte). O evento que acontecerá de 3 a 14 de julho, em Recife, traz espectadores de todo o mundo para prestigiar as peças de arte sustentáveis de artistas brasileiros.

    “Eu jamais imaginava participar de uma feira internacional, ainda mais de uma de grande magnitude como a da Fenarte. Eu me inscrevi ano passado, mas não consegui mandar as peças a tempo. Já nem pensava mais em concorrer esse ano, mas graças ao apoio da Prefeitura de Manaus estou muito confiante em voltar campeão”, afirma Denizal Melo que irá disputar nas categorias 'artesanato reciclável, arte e design'. 

    Motocicletas, robôs e animais são algumas das esculturas que são produzidas pelo artista
    Motocicletas, robôs e animais são algumas das esculturas que são produzidas pelo artista | Foto: Arquivo pessoal

    A ideia de transformar materiais que seriam descartados em peças de arte surgiu a partir da profissão do artesão. Técnico em eletrônica, Denizal conta que já recuperou mais de 30 toneladas de lixo eletrônico e que sempre buscou conscientizar as pessoas sobre a importância da reciclagem. 

    “Desde 2012 a arte eletrônica surgiu na minha vida como uma brincadeira, mas agora é uma coisa séria. Devido a minha profissão, sempre acumulava restos eletrônicos e sabia que eles iriam para o lixo, aí tive a ideia de fazer uma motocicleta com esse material. Minha esposa viu e postou nas redes sociais e todos gostaram do trabalho. A partir daí não parei mais”, comentou o artesão.

    As peças reaproveitam o lixo eletrônico como placas de HD, celulares, teclados de computador e até antenas de TV
    As peças reaproveitam o lixo eletrônico como placas de HD, celulares, teclados de computador e até antenas de TV | Foto: Arquivo pessoal

    O artesão é adepto do Upcycle, técnica que dá vida a objetos que seriam descartados. Entre as peças de sucesso estão as motocicletas feitas com aparelhos de celulares quebrados, uma lancha feita com um ferro de passar e muitas outras. De acordo com Denizal, as peças pequenas ficam prontas entre 15 e 20 minutos, já as esculturas maiores demoram até duas semanas.

    Denizal Melo faz desde motocicletas, tanques de  guerras e animais como araras, peixes e cavalos
    Denizal Melo faz desde motocicletas, tanques de guerras e animais como araras, peixes e cavalos | Foto: Arquivo pessoal

    Peças

    O artista afirma que aprendeu sozinho todo o processo de confecção das miniaturas. A maior obra de Denizal foi a escultura da Arena da Amazônia em 2014. Ela levou três meses para finalizar a peça que tinha um metro de largura e quarenta centímetros de altura. Foram utilizadas sete placas mãe, películas de LCD, mais de 70 memórias RAM, placas de HD, acrílico de telas de notebooks, entre outros materiais. Na época a peça do artesão ganhou repercussão internacional.

    A escultura da Arena da Amazônia levou três meses para ficar pronta
    A escultura da Arena da Amazônia levou três meses para ficar pronta | Foto: Arquivo pessoal

    Além das esculturas de motos e trens, Denizal experimentou produzir peças que mostrassem um pouco da Amazônia nos seus trabalhos. O artista confeccionou cocares indígenas a partir de películas da tela e circuito de teclado de notebook, além de produzir miniaturas de canoas que retratam o homem ribeirinho e animais da maior floresta do mundo.

    Cocar indígena é feito de películas e circuito de teclado de notebook
    Cocar indígena é feito de películas e circuito de teclado de notebook | Foto: Arquivo pessoal

    Projeto Sucatrônica 

    Pensando em disseminar o conhecimento e importância da sustentabilidade, o artesão também faz parte do “Projeto Sucatrônica”, que ensina as técnicas de confecção de robôs para crianças de uma escola particular, na zona Centro-Oeste de Manaus. A iniciativa, que tem como objetivo estimular a criatividade dos estudantes e alertar sobre questões ambientais, fez tanto sucesso que agora faz parte da grade extracurricular da instituição. 

    Projeto Sucatrônica ensina estudantes técnicas de como reutilizar peças eletroeletrônicas
    Projeto Sucatrônica ensina estudantes técnicas de como reutilizar peças eletroeletrônicas | Foto: Arquivo Pessoal

    Aqueles que quiserem conferir ou adquirir pessoalmente as peças do artista, podem ir até a loja do Denizal, localizada no Sumaúma Park Shopping no "Espaço Sustentável" - 1º piso.

    Leia Mais

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Artesão transforma lixo eletrônico em arte

    Sustentabilidade empresarial ganha espaço em negócios na Amazônia

    Comentários