Fonte: OpenWeather

    Arte local


    Exposição apresenta trajetória artística da amazonense Amanda Navarro

    A exposição começa no dia 22 de outubro, às 19h, na Galeria do Centro de Artes da Ufam (CAUA), que funciona na rua Monsenhor Coutinho, no Centro

    São fotografias, reproduções de pinturas em pastel seco e oito obras em óleo sobre tela
    São fotografias, reproduções de pinturas em pastel seco e oito obras em óleo sobre tela | Foto: Divulgação

    Manaus - O Centro de Artes da Universidade Federal do Amazonas (CAUA) apresenta a exposição “Trajetória Presente” da artista visual amazonense Amanda Navarro. Aexposição, que tem o apoio do Instituo Apoiar, começa no dia 22 de outubro, às 19h, e segue até 22 de novembro. As visitas acontecem das 8h as 12h e das 14h as 17h, gratuitamente, na Galeria do Centro de Artes da Ufam (CAUA), que funciona na Rua Monsenhor Coutinho, 724, no Centro.

    A artista está em Manaus desde o último dia 12, visitando os amigos e fazendo os últimos ajustes na exposição.

    A exposição conta, ainda, com o apoio da FastFrame, Etnia Amazônia, Caxiri e Chez Les Rois. Serão 26 trabalhos mostrando um pouco da trajetória da artista plástica amazonense, radicada em São Paulo, a partir das séries “Luzes”, produzida em 2003; “Pesadelos”, produzida em 2008; “Sombras”, produzida em 2015 e “Vida” que reúne obras de várias fases de trabalho.

    São fotografias, reproduções de pinturas em pastel seco e oito obras em óleo sobre tela. “Toda minha trajetória como artista tem algo que atravessa a pesquisa de cor, luz e o feminino”, explica Amanda Navarro.

    Formada em Artes Visuais e pós-graduada em Arte Contemporânea e Poéticas Visuais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Amanda tem 38 anos e trabalha com pintura, desenho e objetos desde a sua juventude.

    Já participou de exposições em São Paulo, Campinas e Manaus, apresentou seus trabalhos em Manágua, na Nicarágua e Jacarta, na Indonésia e possui dois de seus trabalhos no acervo da Pinacoteca do Amazonas.

    O trabalho da artista visual percorre os temas do imaginário afetivo feminino, dando ênfase em expressões subjetivas. Usando a técnica do pastel seco e da tinta óleo, além da fotografia, retoma características da pintura moderna com cores fortes e imagens que contemplam a ilustração e a abstração ao mesmo tempo. Formas delicadas e sentimentos fortes são trazidos nas linhas expressivas de cada trabalho.

    A artista carrega em seu imaginário as cores e a natureza de suas origens, o Amazonas. Para a diretora do Centro de Artes da Ufam, Priscila Pinto Maisel, abrir espaço para os artistas amazonenses é uma das funções do CAUA.

    Segundo ela, “tão importante quanto expor as obras para a sociedade é possibilitar a aproximação e a troca de experiência entre artistas, pesquisadores e estudantes de artes visuais na cidade”.

    *Com informações da assessoria

    Comentários