Fonte: OpenWeather

    Espetáculo


    Grupo Experimental de Teatro do Liceu estreia novo elenco

    Apresentação será nesta sexta-feira (1º), no Teatro da Instalação

    O espetáculo nasceu dos estudos sobre Teatro brasileiro e linguagens de estéticas | Foto: Divulgação

    Com uma adaptação questionadora, baseada no romance “Querô – Uma reportagem maldita” (1976), do dramaturgo brasileiro Plínio Marcos, o Grupo Experimental de Teatro do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro apresentará, nesta sexta-feira (1º), o espetáculo “Querô – O Selvagem da Rua”. A apresentação, promovida pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, acontecerá no Teatro da Instalação (rua Frei José dos Inocentes, s/nº, Centro), às 19h, com entrada gratuita.

    Tiago Oliveira, coordenador do Núcleo de Teatro do Liceu, conta que o espetáculo marcará a estreia do novo elenco do Grupo Experimental. “O grupo cresceu: saímos de oito alunos para 22. Um elenco muito jovem, com muita vontade de fazer o melhor. Todos motivados e disciplinados”, afirma.

    Com classificação indicativa para 16 anos, o espetáculo conta a cronologia perdida do personagem Querô – filho de uma prostituta que se suicidou tomando querosene –, através do olhar selvagem sobre sua vida, nascimento e entrada no mundo do crime, mostrando todo tipo de violência por ele vivido. A montagem apresenta várias versões de Querô vagando pela alucinação doentia dos personagens da Casa Vermelha, da perversidade social e em vultos de lembranças de sua mãe; assim como seu anseio por soberania, emancipação, autodeterminação, afirmação e desejo de vingança.

    Tiago Oliveira destaca a complexidade do espetáculo. “Fazer ‘Querô’ foi um desafio para o grupo. O espetáculo tem uma temática complexa, com texto de um autor brasileiro conceituadíssimo que é o Plínio Marcos. Os professores foram incansáveis na adaptação do texto, na concepção cênica, na preparação dos alunos”, pontua.

    O espetáculo, que nasceu dos estudos sobre Teatro brasileiro e linguagens de estéticas do teatro físico e oprimido, faz um questionamento ao público: “onde estão nossos Querôs da atualidade?".

    *Com informações da assessoria 

    Comentários