Fonte: OpenWeather

    Natal


    Crianças em tratamento contra o câncer pedem saúde ao Papai Noel no AM

    O Portal EM TEMPO visitou a casa de apoio GACC-AM e conversou com os pais e as crianças sobre o tratamento e os pedidos para este Natal

    David de 8 anos conta que ficou muito feliz ao receber o presente
    David de 8 anos conta que ficou muito feliz ao receber o presente | Foto: Arquivo Hemoam

    Manaus - Natal é o período de comemorações, alegrias e trocas de presentes. Para quem é portador de uma doença grave, como o câncer, o melhor presente pode vir em um simples envelope de exame escrito “alta médica”. É exatamente isso que as crianças da casa de apoio do Grupo de Assistência à Criança com Câncer do Amazonas (GACC-AM) aguardam. Do Papai Noel, elas querem somente o básico: saúde, família e carinho.

    O Portal EM TEMPO visitou a casa de apoio e conversou com os pais e as crianças sobre o tratamento e os pedidos para este Natal.

    Após passar dois Natais longe de casa, o pequeno Jhordan Rodrigues, que completa 7 anos no mês de janeiro, foi liberado pelos médicos para poder celebrar, esse ano, junto com a família no município de Itacoatiara (distante 175 quilômetros de Manaus).

    A avó de Jhordan, Lucilene não esconde a felicidade de poder passar o Natal fora dos hospitais
    A avó de Jhordan, Lucilene não esconde a felicidade de poder passar o Natal fora dos hospitais | Foto: Lucas Silva

    “Há três anos, quando o Jhordan tinha quatro anos, ele sentiu uma dor na perna. De início pensávamos que não era nada. Mas, após diversos exames, foi constatado que ele estava com leucemia. Não foi fácil. Eu era empreendedora, tive que largar meu emprego para vir para capital com ele. Minha filha que é mãe dele, teve que ficar em Itacoatiara, pois tem outro filho de 2 anos. Já passamos dois feriados de Natal aqui. Receber a notícia que poderemos passar pelo menos esse feriado em casa é emocionante. Eu gosto de passar Natal em família”, conta a avó de Jhordan, Lucilene Vieira, de 47 anos

    Quando o assunto foi o que Jhordan queria de presente de Natal, Jhordan contou todo entusiasmado que fez uma aposta com a avó para ver quem acertava qual das duas sugestões ele ganharia.

    “Eu pedi duas coisas: uma piscina de plástico e um sapato social. Minha avó apostou no sapato, eu na piscina. Minha avó acabou ganhando e eu tive que pagar a prenda”, brincou o pequeno.

    O herói favorito de David é o Batman
    O herói favorito de David é o Batman | Foto: Lucas Silva

    Natal é sinônimo de esperança

    Com olhos cheios de lágrimas, a mãe de Jhuly, de 5 anos, ambas do município de Barreirinha (331 quilômetros de Manaus), conta que, apesar da dificuldade, procura permanecer forte para dar força a sua filha que luta contra a doença há três anos. “Não é fácil. Só quem passa pelo que estamos passando sabe o quão difícil é”, afirmou a amazonense de 24 anos, Akla Travessos.

    “Tem momentos que é difícil conter as lágrimas. Mas a gente procura ser forte. Tudo o que mais queremos é saúde. Minha filha foi diagnosticada com leucemia quando era muito nova. Realizamos todos os tratamentos e ela conseguiu vencer. Porém, após alguns meses, teve recaída e tivemos que recomeçar do zero todo o tratamento. Passamos todos os feriados aqui no GACC. Mas creio que em 2020, a Jhuly vai melhorar e vamos poder voltar para nossa casa”, completa a mãe.

    A mãe de Jhuly não perde as esperanças da melhora da filha
    A mãe de Jhuly não perde as esperanças da melhora da filha | Foto: Lucas Silva

    O estudante David Souza, de 8 anos, que está internado há apenas 18 dias no Hemoam, não conteve a alegria de receber o presente de Natal do herói favorito: o Batman. O personagem também está no jogo de cama do leito em que se encontra.

    “Eu pedi do Papai Noel um carro de controle remoto. Fiquei feliz ao receber o carro e ao saber que era do Batman. Natal para mim é família não importa onde estivermos”, declarou o jovem que está no início do tratamento contra o câncer. Jhuly e David vão passar o Natal no hospital.

    Uma princesa de verdade

    E não são apenas os heróis dos quadrinhos que estão ao lado das crianças que lutam contra as doenças graves. As princesas da Disney também alegram e dão força para as meninas. Este é o caso da pequena Luana Santana que se veste de princesa em toda sessão de quimioterapia desde quando descobriu que estava com um inchaço no linfonodo (princípio de câncer) do lado direito do pescoço no ano de 2017.

    Luana se veste de princesa de Disney em todas as sessões de quimioterapia.
    Luana se veste de princesa de Disney em todas as sessões de quimioterapia. | Foto: Arquivo Pessoal

    “Apareceu um caroço no pescoço da minha filha. Em um dos exames deu que era cisto e tinha que operar. Após tomar antibiótico por conta de uma gripe o caroço sumiu. Cisto não some. Se sumiu, era linfonodo e se era linfonodo ele voltaria com três meses. Se ele voltar com três meses, teremos que fazer um exame mais profundo. Após três meses, o inchaço voltou ainda maior. Fizemos os exames e deu que estava crescendo um tumor. Em dezembro, ela fez a cirurgia para retirada do caroço e começamos o tratamento”, contou a funcionária pública Leomárcia Salomão, mãe de Luana.

    A mãe afirma que a família não mede esforços para enfrentar o grande desafio que é a luta contra o linfoma e que o maior presente de Natal que recebeu, assim como outros pais entrevistados, é o sorriso de cada um deles.

    Jhordan e Jhuly aguardam ansiosos a chegada dos presentes de Natal
    Jhordan e Jhuly aguardam ansiosos a chegada dos presentes de Natal | Foto: Lucas Silva

    Casos no Amazonas

    Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), mais de 12 mil crianças e adolescentes até 15 anos foram diagnosticadas com câncer em 2018 no Amazonas.

    A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) atende uma média de 70 casos – neoplasias sólidas – ao ano de cânceres infantojuvenil, enquanto a Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) recebe cerca de 140 casos novos ao ano – leucemias e linfomas.

    Comentários