Fonte: OpenWeather

    Luto


    Escritor Sérgio Sant'Anna morre, vítima da Covid-19, aos 78 anos

    O escritor Sérgio Sant'Anna tinha 78 anos, estava sedado e usava respirador, mas faleceu vítima da Covid-19 na manhã deste domingo (10)

    Contista morreu aos 78 anos, após uma semana internado no Hospital Quinta D'or
    Contista morreu aos 78 anos, após uma semana internado no Hospital Quinta D'or | Foto: Reprodução/ Youtube

    Após uma semana internado com sintomas da Covid-19, o escritor Sérgio Sant'Anna morreu aos 78 anos, na madrugada de sábado para este domingo (10), no Rio de Janeiro. Consagrado contista e quatro vezes vencedor do prêmio Jabuti, Sant'Anna teve a morte confirmada pelo Hospital Quinta D'or e por postagens de familiares em redes sociais.

    Irmã de Sérgio, a também escritora Sonia Sant'Anna já havia comunicado a seus seguidores no Facebook que o contista foi internado no último dia 3, com sintomas de coronavírus. Sonia confirmou informações de que o escritor estava sedado e usava respirador.

    Em uma postagem de ontem, ela havia agradecido o apoio de amigos e informado que a situação pulmonar dele era estável, apesar de os rins não estarem respondendo bem, o que determinou uma diálise. Na manhã deste domingo, Sonia voltou à rede social para comunicar que o irmão havia morrido.

    O escritor seguia em atividade e em seu perfil no Facebook, em 30 de abril, resumiu o que achava do país atualmente: “O Brasil é um filme de terror”
    O escritor seguia em atividade e em seu perfil no Facebook, em 30 de abril, resumiu o que achava do país atualmente: “O Brasil é um filme de terror” | Foto: Divulgação

    Sérgio Sant'Anna teve sua obra traduzida para o alemão, italiano, francês e tcheco, além de ter sido adaptada para o cinema. O escritor nasceu no Rio de Janeiro, em 1941, e estreou na literatura com o livro de contos "O Sobrevivente", publicado em 1969. 

    Desde então, o autor se manteve em atividade, tendo publicado seu último livro - Anjo Noturno - em 2017. A obra foi premiada pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). 

    Comentários