Fonte: OpenWeather

    Carreira no pós-pandemia


    'Arte é uma ferramenta poderosa de reflexão', diz Bel Martine

    Em entrevista ao EM TEMPO, a cantora falou sobre os projetos durante a pandemia e expectativa para a retomada de eventos culturais com o "novo normal"

    Bel Martine tem quase sete anos de carreira e é uma das grandes vozes do Amazonas
    Bel Martine tem quase sete anos de carreira e é uma das grandes vozes do Amazonas | Foto: Divulgação

    Manaus – Há quase 7 anos seguindo carreira musical, a cantora manauara Bel Martine é um dos exemplos de talento da Região Norte. Com misturas de MPB, Pop e Rock, a cantora dá novos ares ao cenário cultural amazonense, que passa por adaptações e se prepara para o “novo normal’’ no pós-pandemia.

    Em entrevista ao EM TEMPO, Bel Martine revelou sobre os projetos no pós-pandemia, e as expectativas para a retomada de eventos com as normas de seguranças e distanciamento social.

    "

    Penso que a arte é uma ferramenta poderosa de reflexão, educação. Como artista, quero entregar a minha contribuição através ‪do meu olhar artístico marcado pelo registro do meu autoconhecimento, imerso em desconstruções e novas construções, intenso, político e aberto as múltiplas facetas humanas "

    Bel Martine, cantora e compositora

    As transmissões on-line foram uma das formas que permitiu que artistas permanecessem atuando na música e se aproximassem do público durante a quarentena, e essa também foi uma estratégia de Bel Martine.

    “Nós, artistas, tivemos que nos reinventar, usar as ferramentas das redes sociais para estabelecer esse contato com o público e também trazer acalanto em meio a tanta dor’’, afirmou a cantora, que atraiu um grande número de público virtual com as lives.

    Com o adiamento de trabalhos, shows, lançamentos e EPs, as produções precisaram de adaptar. Uma das apostas da amazonense foi a venda de ingressos para um show que ainda não tem data para ser realizado.

    Junto com Um Trevo e Duda Raposo, a performance será realizada no Teatro Manauara, e terá o lançamento do EP inédito “Tríade”. “Tivemos que reprogramar e adaptar o método de produção, que em muitos dos casos foi remoto. Com o show, a ideia é fomentar o cenário cultural’’, afirma Bel.

    Os ingressos estão disponíveis na bilheteria do Teatro Manauara, e no primeiro lote, os ingressos custam R$10.

    | Foto: Divulgação

    “A data será marcada somente quando houver um protocolo para a realização de shows em segurança. Eu acredito que nós, enquanto artistas, temos que passar consciência e esperança para o público, pedindo pra que eles tenham paciência e se adaptem junto conosco a essa nova realidade’’, defende a cantora.

    Diário de Composição

    Outro projeto que está sendo programado no pós-pandemia é o ‘’Diário de Composição’’, com previsão para lançamento em agosto.

    Com extensão nacional, o projeto reúne compositores de todas as regiões do país para compor músicas em conjunto, e no momento, de forma remota.

    ‘’É um projeto que, além de música, terá também gravações visuais. Estamos trocando nossas experiências na composição, e será um circuito de artistas nacionais. Assim, vamos compondo juntos. Tudo isso será apresentado de forma audiovisual’’, compartilhou Bel Martine.

    | Foto: Divulgação

    Além dos projetos,  a cantora se dedicou também na divulgação de outros artistas amazonenses. Com 12 cantoras e compositoras de Manaus, Bel compartilha músicas e bate-papo através de lives. 

    Carreira

    Além dos projetos, a cantora se dedicou também na divulgação de outros artistas amazonenses. Com 12 cantoras e compositoras de Manaus, Bel compartilha músicas e bate-papo através de lives.

    Carreira

    Próxima de completar 7 anos de carreira, Bel Martine relembrou o início na profissão musical. ‘’Comecei tocando em bares, restaurantes e eventos particulares até encontrar a confiança para começar a investir na minha carreira autoral’’, conta a artista.

    Aos 13 anos de idade, a cantora já se interessava pela música e aprendia a tocar violão, mas acabou seguindo outros caminhos.

    | Foto: Divulgação

    "Nessa época, viver de arte era um sonho distante. As prioridades eram outras, prestar vestibular, um caminho mais formal. O grande momento de virada se deu aos 23 anos, onde eu não consegui fugir a essa chamado. Desisti de ser convencional pra ser eu mesma e me entreguei à arte’’, revela Bel Martine.

    Apesar de ter os desafios da limitação da arte no Amazonas, a cantora utiliza todos meios possíveis para caminhar ao lado da música. ‘’Os desafios geográficos hoje estão sendo diminuídos através da internet, a existência dela diminui essas barreiras sem dúvidas’’.

    Porém, ser artista requer muito planejamento, disposição para alcançar objetivos, e no caso de artistas independentes, investimento financeiro. ‘’Percebo que hoje, os artistas manauaras encontraram uma autoconfiança que antes não tínhamos, uma certeza absoluta de que somos capazes de mostrar nossas múltiplas facetas culturais artísticas’’, finaliza Bel.

    "

    Existe um o movimento de ajuda entre nós, artistas e produtores manauaras. Eu sempre digo, toda vez que um artista manauara sobe em um palco, ele está abrindo espaço para muitos outros conterrâneos. A revolução musical manauara, latino-americana é coletiva "

    Bel Martine, Cantora e compositora

    Leia mais:

    Antes e depois da pandemia: os desafios do audiovisual no Amazonas

    Amazonenses montam bazar para driblar crise gerada pela pandemia

    Espaços culturais reabrem com agendamento virtual em Manaus

    Comentários