Fonte: OpenWeather

    Teatro


    Peça 'E Nós Que Amávamos Tanto a Revolução' terá apresentações online

    O espetáculo aborda conflitos entre gerações, segredos e discussões políticas, será gratuito no canal do youtube do grupo Jurubeba

    A peça 'E Nós Que Amávamos Tanto a Revolução', do Grupo Jurubebas de Teatro entra em temporada neste mês de agosto.
    A peça 'E Nós Que Amávamos Tanto a Revolução', do Grupo Jurubebas de Teatro entra em temporada neste mês de agosto. | Foto: Ana Vitória/Divulgação

    Manaus- A peça 'E Nós Que Amávamos Tanto a Revolução', do Grupo Jurubebas de Teatro entra em temporada neste mês de agosto.A peça, contemplada pelo Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais, da Prefeitura de Manaus, terá apresentações virtuais ao vivo todas as segundas-feiras de agosto, a partir do dia 3, sempre às 20h, no canal do YouTube do grupo (youtube.com/GrupoJurubebas). 

    Dirigida por Felipe Maya Jatobá, a peça acompanha a história dos primos Wlad e Stuart, que, depois da morte da avó, visitam a casa da fazenda e descobrem um segredo da família. Divididos por diferentes ideais de país, eles embarcam numa volta ao passado, numa história que se passa em 1968 e 2018. O espetáculo é a junção de duas dramaturgias, “E Nós que Amávamos Tanto a Revolução”, do paulista Ewerton Frederico, e “Numa Cidade Engolida Pelo Vento”, de Caio Muniz e Felipe Maya Jatobá.

    O espetáculo estava previsto para estrear em junho de 2020, mas, por conta da pandemia do novo coronavírus, causador da Covid-19, teve que ser adiado e adaptado para o formato virtual. “Algumas alterações foram necessárias, como alguns artistas que faziam parte do grupo de risco e se ausentaram do processo criativo. Foi quando começamos os ensaios de forma remota, com videochamadas e encontros virtuais. Metade do processo foi nesse formato. A partir de algumas medidas de flexibilização, passamos a ter encontros presenciais e em tempo reduzido, com o objetivo de finalizarmos a montagem da peça. Todas essas etapas sempre seguiram as recomendações dos órgãos de saúde, incluindo a ideia da temporada virtual, que pode alcançar mais pessoas”, complementou o diretor. 

    Texto

    Para compor o texto, foi realizada uma pesquisa documental com base em artigos de historiadores e jornais de 1964 a 1968 em Manaus, a partir da qual o grupo pôde analisar, com a ajuda profissional do historiador Júlio Silva, a forma como os dois lados se apresentavam à população da época. Segundo Felipe, a peça se baseia nas coincidências políticas do período que antecedeu o AI-5 e o período atual, em que ele enxerga pessoas em atos antidemocráticos e de extrema violência por divergências políticas.

     *Com informações da assessoria de imprensa

    Leia mais:

    Amazonense Francisco Ricardo realça cultura indígena e negra em obras

    Produtora amazonense desenvolve jogo que valoriza a cultura regional

    Divulgação do Festival de Parintins em novembro deve ser suspensa

    Comentários