Fonte: OpenWeather

    Produção do Amazonas


    Após estreia em cinemas e premiações, 'A Febre' chega à Netflix

    O longa-metragem "A Febre", gravado em Manaus, estreia na Netflix nesta quarta-feira (3)

     

    O filme já acumula mais de 60 festivais ao redor do mundo no currículo e recebeu 29 prêmios
    O filme já acumula mais de 60 festivais ao redor do mundo no currículo e recebeu 29 prêmios | Foto: Divulgação

    Manaus - Depois de estrear nos cinemas e percorrer uma carreira premiada nos festivais mundiais, “A Febre”, de Maya Da-Rin, também poderá ser assistido na Netflix a partir desta quarta-feira (3).  

    Com Manaus como palco de "A Febre", o longa-metragem acompanha Justino, interpretado pelo xamã do povo Desana, Regis Myrupu, e a filha Vanessa, vivida por Rosa Peixoto, da etnia Tariano. Ambos indígenas, eles vivem há mais de 20 anos na capital amazonense.

    O filme já acumula mais de 60 festivais ao redor do mundo no currículo e recebeu 29 prêmios. Um deles marcou a estreia de Regis Myrupu no cinema: o primeiro filme na carreira do indígena lhe rendeu o troféu de Melhor Ator no Festival de Locarno, na Suíça. 

     

    Boa parte de "A Febre" é interpretado em tikuna
    Boa parte de "A Febre" é interpretado em tikuna | Foto: Divulgação

     A Febre foi eleito ainda Melhor Filme em festivais na França, China, Argentina, Portugal, EUA, Uruguai, Chile, Peru, Alemanha e Espanha. Inclusive, o longa foi cotado por críticos como o representante do Brasil para o Oscar 2021, mesmo que não tenha chegado a ser indicado.

    Um dos aspectos que mais chamam a atenção no filme, é o fato de cenas serem interpretadas em português brasileiro e em tikuna – boa parte do filme, aliás, é falado na língua indígena.

    No Brasil, o filme conquistou cinco candangos no 52º Festival de Brasília - Melhor Longa-Metragem, Melhor Direção, Melhor Ator para Regis Myrupu, Melhor Som e Melhor Fotografia – além dos prêmios de Melhor Direção e Prêmio Especial do Júri no Festival do Rio e Melhor Filme e Melhor Som no Janela Internacional de Cinema do Recife. 

     

    Regis Myrupu recebeu o prêmio de Melhor Ator em Locarno
    Regis Myrupu recebeu o prêmio de Melhor Ator em Locarno | Foto: Divulgação

    Além do Brasil, o longa também terá uma pré-estreia nos EUA, no Lincoln Center, em Nova Iorque, no dia 19 de março, e lançamento previsto para abril na França. O filme será distribuído em salas de cinema no Canadá, Reino Unido e China. 

    A equipe responsável pelo “nascimento’’ do longa-metragem foi escolhida a dedo por Maya Da-Rin, que priorizou nomes locais, formando um grupo majoritariamente amazonense, e foi produzido por Tamanduá Vermelho (Brasil), em coprodução com Enquadramento Produções (Brasil), Still Moving (França) e Komplizen (Alemanha), com distribuição no Brasil da Vitrine Filmes. 

    A Febre

    Justino, um índio de 45 anos, que há duas décadas vive na capital, trabalha como segurança no Porto de Manaus. Desde a morte da esposa, a filha mais nova, Vanessa, é a principal companhia dele no mundo industrial cercado pela floresta amazônica.

     

    Justino e a filha Vanessa
    Justino e a filha Vanessa | Foto: Divulgação

    Enfermeira em um posto de saúde, Vanessa acaba de passar para a faculdade de Medicina, na Universidade de Brasília, mas se mostra insegura entre seguir o sonho e deixar o pai. Com a notícia da partida da filha e a distância da aldeia, Justino já não se sente tão bem. 

    Logo, ele é tomado por uma febre forte. Paralelamente, uma série de estranhos ataques a animais ganha destaque na TV local, e durante a noite, uma criatura misteriosa segue os passos de Justino.

    Durante o dia, ele luta para se manter acordado no trabalho. Mas a rotina tediosa do porto é quebrada pela chegada de um novo vigia, que de forma bem direta, demonstra cada vez mais o preconceito contra o homem.

    Enquanto isso, a visita do irmão faz Justino rememorar a vida na aldeia, de onde partiu vinte anos atrás. Entre a opressão da cidade e a distância da aldeia na floresta, Justino já não pode suportar uma existência sem lugar. 

    Leia mais:

    Confira a entrevista com Regis Myrupu, premiado ator de ‘A Febre’

    Protagonizado por indígenas do AM, 'A Febre' é sucesso nos cinemas

    Obras amazonenses mostram potencial do cinema local

    Comentários