Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Jovem morre durante brincadeira com revólver

    Um tiro, supostamente acidental, mantou, na noite de sábado para domingo, a jovem Ana Lúcia Ribeiro dos Santos, 18. A bala foi disparada em uma brincadeira de ‘roleta russa’, na rua Rouxinol, bairro Cidade Nova I, Zona Norte, próximo ao campo de futebol ‘Curió’.


    O autor do disparo foi identificado como Ricardo Soares, o ‘Ricardinho’, o qual, segundo testemunhas, é envolvido com o tráfico de drogas e integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC).

    Segundo a amiga de Ana Lúcia, Cassiane Pereira, ela e mais outras amigas estavam em um aniversário na casa de uma pessoa na mesma rua. Terminada a festa, todos ficaram conversando em frente a casa.

    Conforme Cassiane, Ana estava sentada na calçada, quando ‘Ricardinho’ – que também estava no local - ficava exibindo uma arma, calibre 38, onde colocava e retirava uma munição e apontava a pistola somente na direção de Ana.

    “Ele ficava tirando e colocando a bala e apontava para Ana, até que uma vez ele chegou perto dela e disparou. Ele só apontava na direção dela. Acho que foi proposital, pois ele já tinha ficado com ela e, pelo que soube, ele era muito ciumento”, disse.

    A testemunha acrescentou que o acusado ainda levou a jovem ao pronto-socorro Danilo Corrêa, em seu próprio veículo, de modelo e placa não identificados.

    Outra versão
    Outra testemunha contou a um amigo da família, que preferiu não revelar o nome, que Ana teria ido ao local para uma reunião de equipe da diretoria (equipe de carros personalizados), onde lá teria efetuado um pagamento de dívida de seu primo, identificado como João Paulo.
     
    “Ela deu uma parte desse dinheiro ao ‘Ricardinho’, e ele disse que se não pagasse o resto, quem iria ser cobrada era ela”.

    De acordo com o pai da jovem assassinada, Antônio dos Santos, a família descarta qualquer possibilidade de Ana estar envolvida com coisas ilícitas. “Ela era trabalhadora e ajudava na minha loja”, disse.

    A amiga, Cassiane Pereira, disse ter ouvido que “Ricardinho” era envolvido com o tráfico, mas não soube afirmar se fazia parte da quadrilha do PCC.

    Segundo o tio da jovem, Francenildo Feitosa, o caso foi registrado no 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e deve seguir para a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

    Comentários