Fonte: OpenWeather

    Fé e ação


    Multidão: dos muitos grãos de uva nos é oferecido o vinho sagrado

    Participando da Eucaristia e alimentando-nos dela, percorremos o caminho que não admite divisões

    Escrito por Dom Leonardo Steiner no dia 06 de junho de 2021 - 08:00

     

    Dos muitos grãos de uva nos é oferecido o Vinho sagrado, dos muitos grãos de trigo triturados temos um só Pão
    Dos muitos grãos de uva nos é oferecido o Vinho sagrado, dos muitos grãos de trigo triturados temos um só Pão | Foto: Divulgação


    Muitos grãos, um pão! Muitos grãos, um vinho. O pão, graça de muitos grãos moídos, triturados. O desaparecer na trituração a possibilidade do pão. O desparecer de uma multidão de grãos de trigo, que literalmente viram farinha, a possibilidade do pão. Quanto mais qualificados e cuidado os grãos, mais saboroso o pão. Dos muitos grãos de uva pisados, pode advir um vinho saboroso de grande valor. Mesmo os prensados, com as dificuldades que a prensa impõe, proporciona vinho de qualidade, “o melhor vinho”. Muitos: um! Um: muitos!

      Muito: um; um de muitos. Desapercebidos e ignorantes já não vemos mais os muitos, apenas o um: pão, vinho. Não significa que os muitos desapareceram. Eles apenas se ofertaram e permanecem muitos no um.  


    Dos muitos grãos de uva nos é oferecido o vinho sagrado, dos muitos grãos de trigo triturados temos um só Pão. “Tomai, isto é o meu corpo. Em seguida, tomou o cálice, deu graças, entregou-lhes, e todo beberam dele.” Na Eucaristia nos encontramos; na Eucaristia somos um; na Eucaristia somos comunidade, somos Igreja. Ela nos faz comunhão, fraternidade. Dos muitos grãos de uva nos é oferecido o Vinho sagrado, dos muitos grãos de trigo triturados temos um só Pão. A Eucaristia muitos em um: Jesus.

    A súplica pelo um, unidade, que continua sendo a oração ao Pai por nós: nossa comunhão, a oração pela unidade. Em toda a celebração, Jesus a pedir que todos nos tornemos um só, “como Tu, ó Pai, estás em Mim, e Eu em Ti” (Jo 17,21). A unidade que garante as diferenças e a singularidades. Ao caminharmos para receber o Pão, visibilizamos a nossa unidade e nossa diversidade; nossa profunda comunhão.

    Participando da Eucaristia e alimentando-nos dela, percorremos o caminho que não admite divisões. Cristo presente no meio de nós, no sinal do pão e do vinho, exige que a força do amor ultrapasse todas as lacerações e divisões, e, ao mesmo tempo, se torne comunhão, comunidade.

    Comunhão com os mais pobres, sustentáculo para quem é frágil, atenção fraterna a quantos têm dificuldade de carregar o peso da vida quotidiana, e correm o perigo de perder a própria fé. (cf. Papa Francisco, Corpus Christi, 19/06/15) Assim como os grãos triturados formam o pão que é repartido, assim a Eucaristia nos une a todos na diversidade. Somos uma só caridade, um só amor em Cristo! Sejamos eucaristia para os necessitados.

      A Eucaristia une o céu e a terra, abraça e penetra toda criação. O mundo, saído das mãos de Deus, volta a Ele em feliz e plena adoração: no Pão Eucarístico, a criação propende para a divinização, para as santas núpcias, para a unificação com o próprio Criador. Por isso, a Eucaristia é também fonte de luz e motivação para as nossas preocupações pelo meio ambiente, e leva-nos a ser guardiões da criação inteira.” (cf Papa Francisco, Laudato Sì, 236).  


    A entrega por todos para que sejam um. Um em todos. Nele somos comunhão!


    Leia Mais:


    Espírito: suave vigor!

    Dom Leonardo Ulrich Steiner

    Arcebispo de Manaus

    Articulistas

    Comentários