Fonte: OpenWeather

    Manaus 350 anos


    Feiras alternativas são novo "xodó" da cidade de Manaus

    Bem mais que um centro de compras, estes espaços culturais promovem sustentabilidade e economia criativa na capital amazonense

    Sustentabilidade e valorização regional são diferenciais das feiras que vêm ganhando o coração dos manauaras. | Foto: Divulgação/Dirce Quintino

    Manaus - As feiras deixaram de ser apenas um ponto de comércio e se transformaram em verdadeiros espaços propícios para negócios criativos, cultura e lazer. Na capital amazonense, as feiras alternativas vêm ganhando cada vez mais espaço. Carregando as bandeiras de sustentabilidade e valorização regional, estes locais ganham novos adeptos a cada edição.

    Confira nosso roteiro de feiras alternativas em Manaus! 

    FEIRA DA FAS

    A Feira da FAS foi uma das precursoras deste modelo de evento. Organizada pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS), sua primeira edição aconteceu em abril de 2018. O evento urbano com características de floresta conta com atividades voltadas à responsabilidade social, educação e sustentabilidade.

    A feira se destaca por trabalhar tendo como base os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela ONU, selecionando, cuidadosamente, seus expositores e promovendo atividades voltadas à educação ambiental. A feira também conta ainda com espaço dedicado à massoterapia, yoga e aula de ritmos.

    Feira da FAS se destaca por seguir os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.
    Feira da FAS se destaca por seguir os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. | Foto: Dirce Quintino

    Um dos expositores da Feira é o coletivo de artesãs do Rip Arte, um Projeto de Restauração Ecológica e Urbanização Sustentável na Amazônia (Reusa), construído no rip-rap do Igarapé do Gigante, na Redenção, Zona Centro-Oeste de Manaus. 

    Maria Cristina Pereira, coordenadora do Projeto Rip Arte.
    Maria Cristina Pereira, coordenadora do Projeto Rip Arte. | Foto: Jakeline Xavier

    A iniciativa estimula a geração de renda sustentável e recuperação ambiental no leito do rio, por meio de oficinas transformadoras e ações de mobilização e engajamento com moradores do bairro. Maria Cristina Pereira, coordenadora do coletivo, explica que todo recurso obtido com a venda de artesanatos na Feira da FAS é destinado às senhoras artesãs que fabricam as peças.

    A feira possui programação diversificada, reunindo economia criativa, lazer, cultura e desenvolvimento sustentável. O evento tem a proposta de valorizar os empreendedores criativos e oferecer integração com a comunidade. Na feira, são comercializados itens de artesanato, moda, design, decoração, jardinagem, artigos naturais, livros, colecionáveis, roupas, acessórios, produtos gastronômicos, orgânicos, veganos, entre outros. A seleção dos expositores é feita com base em quesitos como sustentabilidade, economia verde, criativa e solidária, e contribuição para a melhoria da qualidade de vida na cidade.

    O que? Feira da FAS. 

    Quando? 1° domingo do mês.

    Onde? Sede da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) - Rua Álvaro Braga, 351, Parque Dez de Novembro.

    FEIRA TERRA - FLORESTA VIVA

    Os empresários Déborah Paes, Debora Shornik, Rodrigo Andrade e Ana Paula Lustosa tinham bastante afinidade e compartilhavam o desejo comum de criar algo voltado para a valorização indígena e das coisas que são típicas da Amazônia. Foi assim que surgiu a Feira Terra-Floresta Viva, sob o slogan de ser uma força-tarefa com a missão de alimentar a cidade de si mesma. 

    Déborah Paes, Debora Shornik e Ana Paula Lustosa.
    Déborah Paes, Debora Shornik e Ana Paula Lustosa. | Foto: Divulgação

    Esta feira tem como principal diferencial o foco na cultura indígena urbana, contando sempre com a participação dos indígenas que moram na cidade. A história do expositor com o produto é o fator decisivo para ter a oportunidade de expor na Terra-Floresta Viva. "Não é só a quantidade da venda, mas a qualidade e o porquê da venda", explica a produtora cultural, Ana Paula Lustosa. 

    Feira Terra-Floresta Viva valoriza cultura indígena urbana.
    Feira Terra-Floresta Viva valoriza cultura indígena urbana. | Foto: Divulgação

    Ana Paula faz uma pequena entrevista com cada candidato a expositor, para saber mais sobre sua história e a relação com o produto. "É diferente quando você compra da Dona Valda (uma das expositoras), por exemplo.Ela plantou, ela viu crescer a produção e trouxe aqui", conta. 

    O exemplo começa com os próprios produtores. Muito antes de criarem a feira, eles aplicavam em seus negócios, o Caxiri e o Capotira, os princípios de valorização local, utilizando a parceria de pequenos produtores e alimentos orgânicos. 

    Rodas de conversa, sarais e outras programações culturais fazem parte da Feira Terra-Floresta Viva.
    Rodas de conversa, sarais e outras programações culturais fazem parte da Feira Terra-Floresta Viva. | Foto: Divulgação

    "O Caxiri às vezes fica muito fechadinho, então eu sempre tive muita vontade de fazer algo na rua, aí a gente se uniu. A feira vai além de um comércio, é compartilhar experiências, ouvir e no final dançar", diz Debora Shornik. 

    Na Terra-Floresta Viva, o público encontra produtos orgânicos, gastronomia regional e programação cultural diferenciada, com oficinas, palestras e atração musical no fim de cada edição.

    Uma das histórias interessantes que passaram por lá é a de uma jovem mãe de duas crianças que teve a oportunidade de compartilhar pela primeira vez um poema seu. Foi num sarau da feira. A moça andava despretensiosa com seus dois filhos e viu naquele momento a oportunidade de compartilhar algo muito íntimo, sua poesia. 

    "A gente quer trazer a cultura para perto das pessoas e inserir-la no dia a dia. A fonte dos assuntos mais atuais está aqui, a gente tenta facilitar, deixar mais próximo. A gente tem que viver Manaus todos os dias, por isso nós fazemos uma feira muito amorosa, muito afetuosa", compartilha  Debora Shornik. 

    O que? Feira Terra-Floresta Viva.

    Quando? 2º sábado do mês, das 9h às 17h. 

    Onde? Capotira Artes e Sabores - Rua Costa Azevedo, 272 - Centro. 

    FEIRINHA DA SUANAM 

    A Suanam surgiu como um sonho de família. Desde criança, Carla Andrade, Cecília Andrade (irmãs) e Giuliano Amorim (primo) foram incentivados a ter contato com arte e experiências  culturais. Juntos, os sócios criaram uma produtora cultural que, aos poucos e naturalmente, transformou-se no Suanam Espaço Cultural, que tem por objetivo divulgar e fomentar a arte, cultura e a economia criativa em Manaus. 

    O Suanam Espaço Cultural fica em prédio histórico no Centro de Manaus.
    O Suanam Espaço Cultural fica em prédio histórico no Centro de Manaus. | Foto: Divulgação

    Carla Andrade, 33, uma das sócias gestoras da produtora, conta que a ideia da feirinha surgiu pela necessidade de divulgação do trabalho de microempreendedores culturais. "Achamos muito importante para a economia desenvolver produtos advindos de pessoas criativas e que trabalhem também com a questão da sustentabilidade, como é o caso de brechós, sebos e antiquários. A nossa feirinha tem essa pegada vintage para reuso de produtos de forma consciente", relata.

    Feirinha da Suanam reúne público alternativo.
    Feirinha da Suanam reúne público alternativo. | Foto: Divulgação

    A feirinha reúne em média 38 expositores entre antiquários, brechós, sebos, lojinhas, jardinagem e gastronomia. O acesso é gratuito.

    "O que nos diferencia de outras feirinhas é a pegada vintage, com produtos antigos, distribuição de sacolinhas de papel, consumo consciente e disseminar a ideia de reutilização em um mundo tão necessitado de políticas ambientais", conta Carla. 

    O que? Feirinha da Suanam.

    Quando? Geralmente no última sábado do mês, confira programação completa nas redes sociais.

    Onde? Suanam Espaço Cultural - Rua Ferreira Pena, nº 139 - Centro. 

    FEIRINHA CULTURAL

    Os pequenos também podem contar com um espaço exclusivamente pensado para eles. A Feirinha Cultural proporciona para as crianças e suas famílias atividades relacionadas à arte, cultura e diversão.

    "A gente acredita que permitir que a criança tenha a oportunidade de vivenciar experiências artísticas faz com que ela tenha o seu desenvolvimento melhorado, tanto quanto seu senso critico, sua criatividade e capacidade de saber olhar para o outro,  entender que as pessoas se expressam de várias formas", conta uma das produtoras executivas, Gisele Riker. 

    As crianças são as grandes protagonistas da Feirinha Cultural.
    As crianças são as grandes protagonistas da Feirinha Cultural. | Foto: Divulgação

    O local que recebe todas as edições da feira é o Largo de São Sebastião. "O Largo já é um espaço onde as pessoas costumam andar, então a família toda pode se divertir no nosso evento", diz Gisele. 

    Programação da Feirinha conta com atrações mirins no palco.
    Programação da Feirinha conta com atrações mirins no palco. | Foto: Divulgação

    No palco, as atrações culturais são os artistas mirins. O objetivo é fazer com que crianças se divirtam e sejam os grandes realizadores da Feirinha. 

    A família toda pode se divertir na Feirinha Cultural.
    A família toda pode se divertir na Feirinha Cultural. | Foto: Divulgação

    Os critérios para seleção de expositores é sempre o valor do produto (não pode ser muito caro) e a relação deste com o universo infantil. "Na verdade, a gente quer desvincular a diversão e o ato de comprar, queremos que as crianças estejam em contato com a cultura e possam valorizar", relata Gisele. 

    O que? Feirinha Cultural.

    Quando? Próxima edição acontece no dia 20 de outubro, confira as redes sociais da Feirinha para saber mais. 

    Onde? Largo de São Sebastião - Rua 10 de Julho, Centro. 

    Comentários