Fonte: OpenWeather

    Economia em transporte


    Vender o carro pode ser alternativa para economizar

    Manauaras têm optado por vender os automóveis para utilizar outros meios de transporte, como ônibus, Uber e a famosa "magrela"

    Os gastos com o veículo podem ser utilizados para investir em realização de outros planos | Foto: Divulgação

    ManausO carro é considerado uma necessidade para alguns e vaidade para outros. Há quem considere o carro um “sonho de consumo” e um bem material indispensável na vida moderna. No cotidiano corrido da população, ter um carro é, muitas vezes, considerado o meio de transporte ideal para atender as necessidades referendes à locomoção.

    Entretanto, é preciso reservar boa parte das economias para arcar com os gastos de manter um carro. Entre manutenção, limpeza, Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), seguro, estacionamento, além do preço elevado do combustível, o carro requer um rigoroso planejamento financeiro por parte do proprietário.

    Segundo o economista Ailson Rezende, o carro não é um investimento e sim um ativo financeiro. “Não é investimento porque perde valor ao sair da loja, deprecia muito rápido e não gera dividendos. Além disso, tem elevados custos de manutenção”, afirmou.

    Mas na contramão da ideia de que o carro é um item essencial, há pessoas que optam por substituir o veículo por outros meios de transporte. Seja pelos elevados gastos ou pelo stress provocado por ficar horas no trânsito, os motoristas já começam a pensar em maneiras para ter um dinheiro a mais no bolso. São diversas as motivações para que motoristas decidam por vender seus carros para economizar.

    Porém, antes de decidir se vale apena vender o carro, é preciso colocar os prós e contras na balança e considerar vários fatores. Vender o carro nem sempre vai trazer alívio para o bolso, isso vai depender do perfil e da rotina de cada pessoa, como explica a administradora especialista em finanças, Ellen Lindoso.

    Quem decidiu substituir o carro próprio por meios de transporte alternativos, percebeu a vantagem de ter tempo hábil para realizar atividades paralelas
    Quem decidiu substituir o carro próprio por meios de transporte alternativos, percebeu a vantagem de ter tempo hábil para realizar atividades paralelas | Foto: Divulgação

    “A pessoa tem que saber muito bem quanto ela gasta com o carro dentro do orçamento. Se a pessoa não sabe quanto gasta, nem vai adiantar vender. Além disso, a pessoa precisa avaliar como é a rotina de vida e a logística da família, se tem filhos. Também deve avaliar se precisa utilizar muito o carro para fazer visitas e vendas”, afirmou a especialista.

    Economia

    Mesmo que um carro traga muitos benefícios ao seu proprietário, não possuir um veículo próprio também pode ter um lado bom na hora de economizar. Dependendo das necessidades cotidianas da pessoa, abdicar do “luxo” de um carro pode ocasionar a economia de valores significativos.

    Economizar foi o que motivou a empresária Luzia Bayer, de 30 anos, a vender o carro. Ela passou a utilizar o dinheiro, que era reservado para os gastos do veículo, para investir na realização de planos.

    “Como eu tinha planos que não estava conseguindo realizar tendo um carro, achei melhor vendê-lo”, pontuou. A empresária passou a utilizar aplicativos de táxi e micro-ônibus para se locomover pela cidade e conta que economiza até mil reais por mês.

    A realização de projetos pessoais pode ser um dos benefícios da venda de um veículo, como explica o planejador financeiro Yahmany Abrahim.

    “Em termos financeiros, o valor da venda do veículo pode ser utilizado para a realização de algum projeto ou objetivo. Já se tratando de economia, vender o veículo em momentos de perda de emprego, diminuição de receita (no caso de um autônomo) ou mesmo para aliviar o orçamento pessoal, pode representar um abatimento substancial nas despesas do mês. Isso porque, mesmo quitado, um veículo ainda tem custos anuais com combustível, seguro, manutenção, imposto etc”, afirmou.

    Leia também: Petrobras anuncia alta de 0,5% de gasolina nas refinaria

    Produtividade e otimização do tempo

    Quem decidiu substituir o carro próprio por meios de transporte alternativos, percebeu a vantagem de ter tempo hábil para realizar atividades paralelas, como ler ou responder e-mails, enquanto se locomove de coletivo ou de aplicativo de transporte particular.

    “O tempo que você passa dirigindo é perdido. Ao utilizar o ônibus você pode aproveitar o tempo no trânsito para ler, estudar, escrever ou conhecer e conversar com outras pessoas”, pontuou o economista Ailson Rezende.

    Outra opção para economizar é substituir o carro por um veículo que consuma menos
    Outra opção para economizar é substituir o carro por um veículo que consuma menos | Foto: divulgação

    O empresário Marcelo Bissuh, de 26 anos, decidiu não adquirir um carro após o lançamento dos serviços de aplicativos de transporte particular. Para ele, esse tipo de serviço é uma grande ajuda para ganhar tempo.

    “Economiza até o próprio custo de ficar parado fazendo uma só atividade. Utilizando esses aplicativos de transporte, posso otimizar o tempo - como estou fazendo agora respondendo essa entrevista - enquanto estou indo de um lugar para o outro”, disse

    Evitar se estressar com o trânsito e ter viagens “produtivas” também foram vantagens percebidas pela administradora Ellen Lindoso. “Quando comecei a usar os aplicativos, percebi um aumento da minha produtividade. Durante uma viagem, eu posso responder mensagens, e-mails e fazer tudo o que eu preciso para aproveitar o meu tempo”, afirmou a administradora.

    Motocicleta pode ser opção mais econômica para quem quer vender o carro
    Motocicleta pode ser opção mais econômica para quem quer vender o carro | Foto: Márcio Melo

    Carro por moto

    Outra opção para economizar é substituir o carro por um veículo que consuma menos. O jornalista Eduardo Brasileiro, de 26 anos, decidiu vender o carro e comprar uma motocicleta. Além da vantagem de poder chegar mais rápido ao destino, ele afirma que economiza muito mais utilizando a motocicleta.

    “A economia do combustível foi o fator principal dessa troca, uma vez que a gasolina está cara. Com o carro eu gastava R$400 por mês e com a moto gasto apenas R$ 80 no mesmo período”, disse.

    Vou de magrela

    Bicicleta é um meio de transporte econômico e ainda promove a saúde
    Bicicleta é um meio de transporte econômico e ainda promove a saúde | Foto: Márcio Melo

    A estudante Sthéfanny Azevedo, de 27 anos, vendeu o carro e comprou uma bicicleta. Ela afirma que apesar de cansativo, economiza muito mais tempo com as viagens.

    “Tenho pedalado para vários lugares e chego bem mais rápido. Quando tinha carro, perdia muito tempo no trânsito”, disse a estudante que também utiliza ônibus e os aplicativos de transporte particular.

    Utilizar a bicicleta como meio de transporte também é uma atitude benéfica para o meio ambiente, além de ser uma atividade física. O profissional de relações públicas, Lucas Moreno, de 25 anos, vendeu o carro para se mudar para o estado de São Paulo. A grande quantidade ciclovias na capital levou Lucas a decidir andar de bike e quando precisa, utiliza o metrô.

    “Vendi o carro e agora vou começar a utilizar o transporte público e a bicicleta. Posso ir pedalando para a faculdade, além de econômico, acaba sendo mais ecologicamente correto e cuidar do meio ambiente é importante”, afirmou.

    Os proprietários de veículos devem fazer uma análise do que gasta atualmente e o que vai gastar sem o veículo para ver se vale a pena vender o carro
    Os proprietários de veículos devem fazer uma análise do que gasta atualmente e o que vai gastar sem o veículo para ver se vale a pena vender o carro | Foto: divulgação

    Colocando na ponta do lápis

    Antes de decidir se vale apena vender o carro e passar a usar outros meios de transporte, é preciso fazer as contas e avaliar se a troca realmente é garantia de economia. O planejador financeiro Yahmany Abrahim afirma que uma pequena conta pode ajudar na hora de decidir.

    Tomando por exemplo um carro ‘popular’ quitado no valor de R$ 42.000 teríamos pelo menos os seguintes custos todos os anos: IPVA – R$1.260 (alíquota de 3% sobre o valor do veículo em 2018 no Amazonas); Licenciamento – R$110 (valor variável, depende da categoria); Seguro – R$2.500 (valor variável, depende do uso, região, idade do condutor etc.); Combustível – R$4.800 (valor variável, depende do uso, considerou-se R$400 por mês); Manutenção – R$3.600 (valor variável, depende do uso, considerou-se R$300 por mês)

    “Com esses custos já temos um total de R$12.270 (quase 30% do valor de aquisição) gastos todos os anos apenas para manter o veículo. Isso sem contar a depreciação (perda de valor do veículo ao longo do tempo), parcela de financiamento (caso não esteja quitado), multas e estacionamento, por exemplo”, afirmou o planejador financeiro.

    Segundo o especialista, para saber se financeiramente é vantagem ter um veículo próprio ou utilizar outros meios de transporte, basta dividir esse valor de R$12.270 por 12 meses, o que resultaria em R$1.022 por mês.

    “Esse seria o valor no seu orçamento para transporte. Se com outros meios de transporte durante o mês você gastar menos que esses R$1.022, vale a pena, do ponto de vista financeiro, vender o veículo”, finalizou Abrahim.

    Leia mais:

    Mais de 250 mil pessoas estão desempregadas no Amazonas, diz IBGE

    Receita Federal lança aplicativo para consulta de processos

    Pesquisa aponta redução de formandos em ensino médio


    Comentários