Fonte: OpenWeather

    Produção de arroz


    Cresce produção de arroz no Amazonas

    De acordo com o responsável da Fazenda Santa Rita, Guilherme Toledo, a propriedade localizada em Humaitá retorna a produção regional de arroz após 18 anos, com a primeira safra 2018/2019 como maior do estado.

    Produção de arroz em Humaitá, no Amazonas
    Produção de arroz em Humaitá, no Amazonas | Foto: Sepror

    Manaus - A produção de arroz tem crescido no sul do Amazonas. Um exemplo disso é o que está ocorrendo no município de Humaitá (distante 698 quilômetros de Manaus). A Fazenda Santa Rita iniciou a colheita da safra 2018/2019 de 450 hectares de grãos de arroz “Cambará” e “Ana 5015”, com previsão de colheita de 55 sacas por hectare, totalizando 25 mil sacas do produto.

    De acordo com o responsável da Fazenda Santa Rita, Guilherme Toledo, a propriedade retorna a produção regional de arroz após 18 anos, com a primeira safra 2018/2019 como maior do estado. “Atualmente, 25 funcionários trabalham no plantio e na colheita no local, que provavelmente, após colhido, será vendido para uma cerealista da região, alavancando a economia do Estado”, conclui Guilherme Toledo.

    Produção de arroz em Humaitá, no Amazonas
    Produção de arroz em Humaitá, no Amazonas | Foto: Sepror

    Produção de soja e milho

    Além da safra do arroz, também ocorre a plantação da soja “Safrinha” com previsão de 54 sacas por hectare, totalizando 3,2 toneladas, em uma área de 200 hectares, e a safra do milho, com estimativa de 80 sacas, sendo cada uma de 60 quilos, em uma área de 250 hectares, que será colhido final de junho.

    Atuação da Sepror

    A Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror) realiza o acompanhamento da produção de grãos em Humaitá, por meio da Agência de Defesa Agropecuário e Florestal do Amazonas (Adaf), e pelo Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal (Idam).

    Produção de arroz em Humaitá, no Amazonas
    Produção de arroz em Humaitá, no Amazonas | Foto: Sepror

    “A propriedade está toda cadastrada e regularizada, realizamos todo o acompanhamento e monitoramento, para que não haja nenhuma informalidade, no uso de agrotóxicos, produtividade, qualidade do produto, adubação com nutrientes, entre outros”, relata a engenheira agrônoma da Adaf, Nislene Molina.

    Leia  também: Pesquisa da Embrapa mostra potencial para cafeicultura no Amazonas

    O secretário da Sepror, Petrucio Magalhães Júnior, destacou a participação do Governo no desenvolvimento do interior do Estado.

    “É importante destacar que a produção no sul do Amazonas está sendo conduzida de forma sustentável com a orientação técnica do Sistema Sepror e se valendo de novas tecnologias que amenizam impactos e garantem produtividades crescentes aos produtores”, destacou Petrucio.

    Leia mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!






    Comentários