Fonte: OpenWeather

    Economia


    Produção industrial e capacidade instalada sobem em maio, diz CNI

    O lado negativo da sondagem é que a ociosidade mantém nível alto ao mesmo tempo que cai o volume de trabalhadores nas linhas de montagens

    CNI aponta que os empresários esperam crescimento até mesmo do emprego no segundo semestre | Foto: Ione Moreno

    A produção industrial brasileira e o nível de utilização da capacidade instalada aumentaram em maio. No entanto, apesar desses aumentos, a ociosidade na indústria se mantém elevada e o número de empregados caiu, na comparação com abril. A constatação é da Sondagem Industrial, divulgada nesta terça-feira (25) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

    De acordo com o levantamento, a produção subiu para 50,9 pontos em maio, valor acima dos 41,6 pontos registrados no mesmo mês de 2018 - e abaixo dos 53,8 pontos registrados em maio de 2017. Segundo a CNI, nível de utilização da capacidade instalada aumentou em 1 ponto percentual, passando de 66%, em abril, para 67% em maio.

    O número de empregados no setor industrial caiu 0,3 ponto na comparação com abril, registrando 48,5 pontos. Os indicadores variam de zero a 100 pontos. Quando acima de 50, indicam aumento da produção e do emprego, informa a CNI.

    Segundo o economista da CNI Marcelo Azevedo, a indústria continua acumulando estoques. Ele explica que o índice de evolução do nível de estoques efetivo em relação ao planejado vem crescendo desde fevereiro para, em maio, chegar a 51,6 pontos - o maior desde outubro de 2015, desconsiderando o registrado em maio de 2018, quando os estoques aumentaram por causa da greve dos caminhoneiros. Quando acima dos 50 pontos, esse índice mostra que a indústria está acumulando estoques indesejados.

    “Há um longo caminho a percorrer para a recuperação plena da atividade industrial. Mesmo com o aumento da produção e da utilização da capacidade instalada, a ociosidade na indústria continua elevada quando comparada com outros períodos de maior atividade”, avalia o economista.

    Perspectivas

    O levantamento da CNI indica expectativas positivas por parte do empresariado. Com relação às expectativas relativas à demanda, o indicador registrou 57,3 pontos em junho. O de compras de matérias-primas ficou em 54,6 pontos; e o relativo à expectativa quanto ao número de empregados ficou em 50,8 pontos. O indicador que mede a expectativa de quantidade a ser exportada também ficou acima dos 50 pontos – mais precisamente, 52,6 pontos.

    Segundo a CNI, isso mostra que os empresários esperam aumento da demanda, da compra de matérias-primas, do emprego e das exportações nos próximos seis meses.

    O indicador “intenção de investimentos” apresentou uma “pequena queda”, de 0,2 ponto, caindo para 52,3 pontos em junho. Segundo a CNI, é a quarta retração seguida deste índice, que já acumula queda de 4,3 pontos desde fevereiro. “Mesmo assim, a intenção para investir está 3,3 pontos acima da média histórica”, acrescenta a CNI. Em uma escala de zero a 100, quanto maior o indicador, maior é a propensão dos empresários para investir.

    A Sondagem Industrial foi feita entre 3 e 12 de junho com 1.903 empresas (766 de pequeno, 683 de médio e 454 de grande porte).

    Leia mais: 

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Entrega de documentação do Bolsa Idiomas inicia terça (25) em Manaus

    Mais de 30 vagas de emprego são ofertadas nesta quinta (27) em Manaus

    Comentários