Fonte: OpenWeather

    Inovação


    Moto Honda da Amazônia anuncia investimentos em capital humano

    Multinacional contratou 19 estudantes para quadro de colaboradores da empresa por meio do programa de estágio. E começou a utilizar o aplicativo 'Giulia' para pessoas com deficiência auditiva.

    A Honda passa a utilizar o aplicativo ‘Giulia-Mãos que Falam’, baseado em inteligência artificial, que possibilita a inclusão de deficientes auditivos. | Foto: Divulgação

    Manaus - A Honda da Amazônia anunciou nesta sexta-feira (26), em evento sediado nas instalações da empresa, avanços importantes em seu programa de inclusão social, como a efetivação dos estagiários participantes do programa 2017/2018 e a utilização do aplicativo ‘Giulia’, voltado para pessoas com deficiência auditiva, na fábrica de motocicletas.

    Desde o início das operações, a Honda promove o acesso de estudantes universitário ao Programa de Estágio. Em 2017 o programa passou por uma reformulação em sua grade de desenvolvimento com o objetivo de oferecer qualificação profissional superior para a atuação no Polo Industrial de Manaus (PIM).

    Programa de estágio

    Julio Koga, vice-presidente da Moto Honda da Amazônia, falou sobre os programas de inclusão
    Julio Koga, vice-presidente da Moto Honda da Amazônia, falou sobre os programas de inclusão | Foto: Divulgação

    Com duração de 24 meses, dividido em três etapas, o programa contempla uma metodologia focada no aprendizado e vivência pratica das experiências da área de atuação final.

     Na primeira fase, os estagiários compreendam funcionamento geral da fábrica. Em seguida, visa garantir o contato com as áreas que tenham relação com a formação acadêmica profissional. E na terceira etapa os participantes tiveram que desenvolver uma proposta de melhoria relevante. Todos os estudantes foram efetivados.

     A partir do quinto período do curso, a Moto Honda abre oportunidades o para estudantes das universidades públicas para ficar dois anos na empresa. Os interessados em participar do programa devem ficar atentos às palestras que são desenvolvidas dentro das Universidades.

    A empresa realizou investimento R$ 500 milhões para deixar as instalações mais modernas. E agora está realizando investimentos no capital humano. “Nós entendemos que o ser humano é a chave para tudo. É o que vai garantir o desenvolvimento, sustentabilidade e perenidade de qualquer negócio”, explica, Julio Koga, vice-presidente da Moto Honda da Amazônia

    Estudantes contratados pela Honda

    Pelo menos 19 estagiários dos cursos de engenharia mecânica, psicologia, ciências contábeis, engenharia química e engenharia elétrica foram contratados
    Pelo menos 19 estagiários dos cursos de engenharia mecânica, psicologia, ciências contábeis, engenharia química e engenharia elétrica foram contratados | Foto: Divulgação

    Pelo menos 19 estagiários dos cursos de engenharia mecânica, psicologia, ciências contábeis, engenharia química e engenharia elétrica da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Estadual do Amazonas (UEA) foram os participantes que nesta sexta (26) foram contratados para o quadro de colaboradores da empresa.

    O estudante de engenharia mecânica da UEA, Thiago Augusto Palheta, 25, conta que o estágio na Honda foi sua primeira oportunidade. “Ser contratado é uma expectativa que nós tínhamos. A moto Honda levou para as universidades com palestras e informações detalhadas sobre o programa de estágio e então nós tínhamos essa expectativa e sabíamos que poderíamos chegar lá”, diz.

    Outra estudante que também foi contratada para o quadro de colaboradores da Honda, foi a  Priscila Carvalho, do curso de engenharia química Ufam. "Eu sempre estive focada no meu aprendizado. É claro que criamos aquela expectativa de ser contratada. O programa foi diferenciado e aprofundado, porque nós não só exercíamos a nossa função, mas também recebemos treinamentos técnicos".

    Projeto Giulia

    Outra iniciativa da empresa é que ela incluiu pessoas com deficiência. Uma das ferramentas utilizadas é através do aplicativo ‘Giulia-Mãos que Falam’, baseado em inteligência artificial, que possibilita a inclusão de deficientes auditivos. O aplicativo foi desenvolvido e testado em Manaus e já está disponível para todo o Brasil por meio do Google Play.

    “Nós temos em torno de 100 pessoas com deficiência auditiva e estamos numa fase inicial de implantação. Nós temos um plano para introduzir essa ferramenta em 10 departamentos onde temos os maiores fluxos de atendimentos”, explica Koga.

    O sistema foi idealizado pelo professor doutor da Ufam, Manuel Cardoso. Ele é CEO da startup Map Innovation. O objetivo do app é facilitar a comunicação entre surdos e pessoas que não sabem Libras, a Linguagem Brasileira de Sinais. Além do usuário surdo, a iniciativa também beneficia empresas, pois ajuda na contratação e na comunicação diária com pessoas com deficiência.

    “Nós começamos um trabalho na Honda há dois anos. Passamos por vários testes. Nada se faz para eles (deficientes) sem a participação deles. A primeira coisa que procurei saber foi, de que forma essa tecnologia poderia beneficiá-los. O grande diferencial é que faz do surto uma oportunidade de tomar a iniciativa de falar com as pessoas”, explica o professor.

    Mercado

    O setor de duas rodas tem sentido sinais positivos nos últimos meses. De acordo com João Mezari, diretor administrativo financeiro da Moto Honda da Amazônia, na Honda cresceu 15%.

    “Nós estamos recuperando uma parte da produção que foi perdida durante os anos de crise. Nesse ano, durante esses seis meses, nós conseguimos elevar a produção em 15% em relação a todas as perdas que haviam acontecido. É um número muito bom em tempo de mercado de duas rodas”, explica.

    Leia Mais

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Honda CB twister: a urbana multiuso com menor consumo de energia

    Yamaha Fazer 250 ABS ganha versão em vermelho metálico

    Comentários