Fonte: OpenWeather

    Zona Franca


    Frente Parlamentar Mista contra ZFM é criticada

    Patrocinada pela Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil, a Frente foi lançada, ontem, na Câmara dos Deputados

    A frente foi criada por um deputado federal do PSL, mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro | Foto: Divulgação

    O lançamento da Frente Parlamentar Mista Bebidas Brasil contra a Zona Franca de Manaus (ZFM), na Câmara dos Deputados, patrocinada pela Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras), foi alvo de críticas de deputados na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) e por deputados federais.  

    O deputado Serafim Corrêa (PSB), ontem (25). Como repúdio a criação, o deputado disse que o governo federal está perdendo a vergonha. “Hoje, na Câmara dos Deputados, foi lançada uma Frente Parlamentar para destruir a Zona Franca de Manaus (ZFM). A Zona Franca tem garantia constitucional até 2073. Eles nos atacam de todas as formas. Primeiro, a Zona Franca vai lá e vence no judiciário e, no momento seguinte, eles (governo federal) inventam outra coisa. Lá vem mais confusão”, lamentou o deputado Serafim.

    Serafim ainda disse estar indignado com a formação da Frente Parlamentar, que tem como presidente o deputado federal Guiga Peixoto, do PSL de São Paulo, mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro. “É evidente que Peixoto não está fazendo isso da cabeça dele, tem alguém fazendo isso. Quero deixar o meu repúdio e a minha indignação”, afirmou o parlamentar.

    O deputado federal Marcelo Ramos (PL) classificou o  lançamento da Frente Parlamentar Mista Bebidas Brasil ZFM como uma demonstração clara de “hostilidade” do partido do presidente Jair Bolsonaro. Para ele, a Afrebras é uma entidade movida por interesses estritamente comerciais.

    O patrocínio da Afrebras para a criação dessa frente parlamentar vai de encontro as críticas que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem feito de forma sistemática ao modelo econômico de desenvolvimento regional. Guedes tem dito que a ZFM é um modelo “antieconômico”.

    Comentários