Fonte: OpenWeather

    Reabertura Gradual


    Lojistas reabrem as portas de olho nas vendas para o Dia dos Namorados

    Empresários já olham a primeira data comercial da pós-paralisação como uma chance para recuperar as perdas causadas pela pandemia

    Vendedores avaliaram movimento do primeiro dia como se fosse período de festas de fim de ano | Foto: Lucas Silva

    Manaus - No primeiro dia da reabertura gradual do comércio não essencial em Manaus, nesta segunda-feira (1º), por meio do novo decreto governamental, muitos lojistas do Centro, Zona Sul, abriram as portas depois de pouco mais de 70 dias da suspensão das atividades, em busca da recuperação econômica. Para isso, as apostam nas vendas direcionadas para o Dia dos Namorados, primeira data comercial da pós-paralisação.

    A proprietária da MT Confecção, Maria José, 51 anos, afirma que o primeiro dia de reabertura foi bem intenso e movimentado. “Colocamos uns preços bacanas para chamar mais atenção e recuperar o dinheiro para pagar nossas contas. Enquanto estávamos parados tivemos alguns problemas financeiros”, conta.

    Movimento que começou forte só reduziu um pouco por conta da chuva que atingiu a cidade pela manhã
    Movimento que começou forte só reduziu um pouco por conta da chuva que atingiu a cidade pela manhã | Foto: Lucas Silva

    Ela avalia que o Dia dos Namorados pode ser uma grande chance para os comerciantes conseguirem lucrar novamente e saírem do vermelho. “A gente sempre pensa positivo. Vou aproveitar a data para fazer descontos e correr atrás do que perdemos quando ficamos fechados por conta do decreto”, diz.

    O gerente da Blue Fashion, Luciano Oliveira, 28 anos, diz que a movimentação só não foi maior por conta da chuva, mas ele ainda se surpreendeu com a quantidade de pessoas que saíram de casa para ir ao centro nesse primeiro dia. “Parecia que estávamos em dezembro, no início do dia. Depois deu uma caída no movimento por conta da chuva, mas ainda assim muitas pessoas resolveram sair para fazer compras”, ressalta.

    Segundo Luciano, ele e sua equipe de funcionários se preocuparam em tomar todas as medidas de saúde, porque sabiam que o local poderia lotar. “Ainda bem que nos preocupamos em usar equipamentos de proteção e seguir as medidas de distanciamento com os clientes, porque muitos estão ignorando o uso de máscaras e álcool em gel”, desabafa.

    Mesmo lojistas seguindo regras, o volume de pessoas no Centro levou a formação de aglomerações
    Mesmo lojistas seguindo regras, o volume de pessoas no Centro levou a formação de aglomerações | Foto: Lucas Silva

    O gerente do Baiano Atacadão, Rony Nascimento, 59 anos, observa que o fluxo foi na loja foi muito intenso no primeiro dia de reabertura e avalia que, se os números de contaminação do novo coronavírus (Covid-19), o Centro poderá ganhar movimento de vendas ainda maior nas próximas datas comerciais que estão por vir.

    Ele salienta que, além das promoções feitas na reabertura, a sua loja também pretende trazer promoções para o Dia dos Namorados e para aproveitar o mês junino. “Não podemos esquecer que o Dia dos Namorados gera lucro, mas as festas juninas também. Mesmo que as pessoas não possam sair para festas nas ruas, muitas querem comprar produtos de decoração para aproveitar em casa com suas famílias. Vamos investir em ambas as datas e aproveitar”, explica.

    A camelô Cássia Marins, 49 anos, declara que aproveitou o dia não só para voltar com as vendas, como para comprar também. “Hoje estou fazendo o papel de vendedora e de consumidora. Vendendo um pouco e depois dando uma volta para fazer compras”, diz.

    Ela observa que os preços estão em conta e que, se as lojas aproveitarem promoções para o Dia dos Namorados, elas terão bons resultados. “As pessoas estão interessadas e a gente vê pela quantidade de pessoas aqui hoje. As promoções devem ser aproveitadas para ajudar os consumidores. Eu mesma vou aproveitar para vender umas peças de roupas masculinas mais interessantes, quem sabe despertar o interesse das namoradas”, conta com bom humor.

    Algumas lojas do Centro tinham até medidor de temperatura na porta de entrada
    Algumas lojas do Centro tinham até medidor de temperatura na porta de entrada | Foto: Lucas Silva

    Aproveitando o momento para vender mais, a camelô Edilane dos Santos, 41 anos, resolveu vender máscaras. “Antes eu vendia frutas, mas agora estou vendendo máscaras de pano que compro de um fábrica aqui perto. O trabalho é super bem feito e as embalagens são bem lacradas para que as pessoas possam comprar com segurança”, explica.

    Edilane, no entanto, faz um apelo aos consumidores, uma vez que acredita que muitos não estão levando a sério as medidas de proteção. “Eu estou aqui de máscara e sempre com o álcool em gel em mãos. Contudo, vejo muitos andando sem máscara, se aglomerando nas lojas quando os donos não os param e sem utilizar o álcool em gel oferecido. Assim fica complicado continuarmos”, reforça.

    O Decreto de Reabertura

    O governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou, na noite da última quarta-feira (27), a autorização da reabertura gradual do comércio e serviços não essenciais em Manaus, a partir do dia 1º de junho. A medida também se estende às igrejas e templos religiosos para a celebração de missas e cultos.

    A reabertura das atividades pelo governo será feita em quatro ciclos: o primeiro a partir de 1º de junho; o segundo em 15 de junho; o terceiro em 29 de junho, e o quarto em 6 de julho. De acordo com o governador do Amazonas, a reabertura será somente em Manaus, enquanto que nos municípios do interior do Estado a reabertura gradual do comércio não essencial ocorrerá sob decisão dos prefeitos de cada localidade. “Por outro lado, caso os números voltem a se agravar, o Governo poderá retomar as restrições aos serviços não essenciais”, adiantou Wilson Lima.

    Comentários