Fonte: OpenWeather

    Comércio


    Procon fiscaliza preço de cimento e tijolos em lojas de Manaus

    O órgão tem recebido diversas denúncias sobre o aumento dos preços do tijolo e do cimento e, por isso, pediu esclarecimentos sobre os valores praticados no comércio.

    O órgão tem recebido diversas denúncias sobre o aumento dos preços do tijolo e do cimento e, por isso, pediu esclarecimentos sobre os valores praticados no comércio
    O órgão tem recebido diversas denúncias sobre o aumento dos preços do tijolo e do cimento e, por isso, pediu esclarecimentos sobre os valores praticados no comércio | Foto: João Pedro Sales/Procom

    MANAUS - O Instituto Estadual de Defesa do Consumidor (Procon-AM) notificou nesta terça-feira (14) quatro lojas de construção na zona oeste de Manaus. O órgão tem recebido diversas denúncias sobre o aumento dos preços do tijolo e do cimento e, por isso, pediu esclarecimentos sobre os valores praticados no comércio. Segundo o diretor-presidente do órgão, Jalil Fraxe, outras lojas devem ser visitadas.

    Os estabelecimentos notificados nesta terça têm 48 horas para apresentar os comprovantes dos preços, que serão analisados pelo Procon-AM.“O Procon tem recebido inúmeras denúncias sobre materiais de construção, e o tijolo foi um dos itens que identificamos que teve um aumento expressivo.

    "Já iniciamos as fiscalizações para apurar a possível prática abusiva de aumento de preço. Não podemos permitir que sem justificativa ou motivo, simplesmente para tirar vantagem em cima do consumidor, os fornecedores aumentem os preços”, afirma o titular do órgão.Caso seja comprovada a abusividade, as lojas poderão ser multadas – os valores serão calculados de acordo com o porte de cada estabelecimento

    Contatos

    O atendimento telefônico do Procon-AM foi restabelecido na tarde desta terça, após uma suspensão temporária nas atividades decorrente do furto de um cabo de 1.200 pares.

    O agendamento para ida à sede pode ser feito pelo (92) 3215-4009, e os consumidores podem abrir reclamação também pelos números 0800 092 1512, (92) 3215-4012 e 3215-4015, e pelos e-mails [email protected] e [email protected]

    Comentários