Fonte: OpenWeather

    Em recuperação


    Pelo segundo consecutivo mês volume de serviços cresce no Amazonas

    Depois de registrar 3,4%, em maio, o setor subiu 8,3%, em junho, registrando o segundo melhor desempenho do país

    Apesar do resultado positivo em junho, semestre fechou com retração de 2,1% | Foto: Reprodução

    Manaus - Pelo segundo mês consecutivo o volume de serviços teve alta no Amazonas. Depois de registrar 3,4%, em maio, setor conferiu alta de 8,3%, em junho. Foi o segundo melhor desempenho do mês no país. Contudo, no acumulado do primeiro semestre de 2020, o Estado fechou negativo, com 2,1%. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o desempenho também foi de queda (-1,8%).

    A variação de maio para junho indica que o setor está voltando a normalidade depois do período de isolamento social, depois de em abril registrar queda de 16,5% no Amazonas. Também, a variação em relação a igual mês do ano passado, mostra que a atividade saiu de dois dígitos negativos (-13,2%), em abril, para apenas um dígito (-1,8%), em junho. Uma sensível melhora no quadro que compara 2020 com 2019.

    A variação percentual de 8,3%  colocou o setor de serviços do AM na segunda posição
    A variação percentual de 8,3% colocou o setor de serviços do AM na segunda posição | Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

    A variação percentual, que compara o volume de serviços do mês atual com o mês anterior, de 8,3% obtida em junho de 2020, colocou o setor de serviços do Amazonas na segunda posição entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta de: Rondônia com -4,3%, Tocantins com -4,2% e Espírito Santo com -3,2%. E os melhores desempenhos foram de: Amapá com 8,8%, Amazonas com 8,3% e Pará com 6,8%.

    A variação percentual acumulada no ano, que compara o volume de serviços do período atual com o mesmo período do ano anterior, de -2,1% obtida em junho colocou o setor de serviços na terceira posição entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta de: Alagoas com -17,8%, Bahia com -16,5% e Piauí com -16,4%. E os melhores desempenhos ficaram por conta de: Rondônia com 3,7%, Mato Grosso com -1,6% e Amazonas com -2,1%.

    Receita Nominal

    No mês de junho, a receita nominal aumentou 5,2%, frente a maio na série com ajuste sazonal. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o setor de serviços diminuiu 4,7%. Mesmo assim, recuperou de uma queda bem maior ocorrida em maio (-11,1%). No acumulado do ano, o setor manteve o mesmo valor 0,0% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já no acumulado dos últimos doze meses, o indicador ficou em 5,2%.

    No mês de junho, a receita nominal aumentou 5,2%, frente a maio na série com ajuste sazonal
    No mês de junho, a receita nominal aumentou 5,2%, frente a maio na série com ajuste sazonal | Foto: (Arquivo/Agência Brasil)

    Também foi o segundo mês consecutivo de alta da receita nominal; que em seu cálculo, não leva em conta a inflação do período. Esse desempenho, proporcionou melhora na comparação com 2019 (-4,7%), depois de a -11,1% em no mês passado.

    A variação percentual, que compara a receita nominal dos serviços do mês atual com o mês anterior, de 5,2% obtida em junho, colocou o setor de serviços na posição intermediária entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta de: Rondônia com -5,6%, Mato Grosso com -4,0% e Espírito Santo com -2,9%. E os melhores desempenhos ficaram por conta de: Maranhão com 6,7%, Distrito Federal com 6,2% e Piauí com 6,2%.

    A variação percentual acumulada no ano, que compara a receita nominal de serviços do período atual com o mesmo período do ano anterior, de 0,0% obtida em junho, colocou o setor de serviços na segunda posição entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta de: Alagoas com -17,4%, Bahia com -15,3% e Piauí com -15,0%. E os melhores desempenhos ficaram por conta de: Rondônia com 4,9%, Amazonas com 0,0% e Mato Grosso do Sul com -0,4%.

    Veja mais:

    Amazonas é destaque em recuperação nos setores de serviços

    Lojistas observam crescimento de 20 a 60% nas vendas do Dia dos Pais

    Número de novas empresas cai em 24% no Amazonas, em meio à pandemia

    Comentários