Fonte: OpenWeather

    Comércio


    Segundo comerciantes, Black Friday pode aquecer economia manauara

    Nacionalmente, 40% dos brasileiros devem realizar compras online na Black Friday e, na capital amazonense, as expectativas são positivas

    "Temos a Black Friday e o Natal para ter um momento de fortaleza no varejo comercial”, declara o presidente da Fecomércio/AM | Foto: Lucas Silva

     Manaus – Apesar da crise, 40% dos brasileiros devem realizar compras online na Black Friday, que ocorre no dia 27 de novembro de 2020. Em comparação com mesmo período do ano passado, há uma previsão de aumento de 7%, segundo levantamento realizado pelo Google. Em Manaus, representantes do comércio e lojistas acreditam que a data será positiva para as vendas, podendo apresentar um crescimento para o setor. 

    Os dados do estudo feito pelo Google, baseado em pesquisas realizadas por consumidores, demonstram que, mesmo com um grande percentual de preferência pelas compras na internet, 26% das pessoas ainda optam por ir à loja física para escolher seus produtos.

    Para o proprietário da loja de vestuário Charme Modas, localizada no centro de Manaus, Omar Ibrahim, a Black Friday é uma oportunidade para chamar a atenção dos clientes e fazê-los verificar outros produtos disponíveis, além dos que estão em promoção. “Todos os anos, para aproveitar a publicidade em torno da data, selecionamos um nicho de produtos, que estão parados no estoque, e colocamos o preço de custo só para estimular o cliente a entrar na loja”, explica.

    Dentre os produtos escolhidos, alguns - por exemplo - o dono da loja deixa a preço de custo, ou seja, praticamente sem nada de lucro
    Dentre os produtos escolhidos, alguns - por exemplo - o dono da loja deixa a preço de custo, ou seja, praticamente sem nada de lucro | Foto: Lucas Silva

    Dentre os produtos escolhidos, alguns - por exemplo - o dono da loja deixa a preço de custo, ou seja, praticamente sem nada de lucro. Já outros ganham um desconto, com o valor das despesas incluso e dos impostos esperados, gerados pelo produto. Ibrahim comenta ainda como foram as vendas no Dia das Crianças.

    “Com o auxílio emergencial, o Dia das Crianças foi muito bom, pois as pessoas puderam gastar. O pai que, antes não tinha condições de dar um presente para o filho, com essa ajuda em mãos, pôde comprar dessa vez. Como as vendas estão 75% melhores em relação à pré-pandemia, quando não tinha o auxílio emergencial, penso que as pessoas terão mais poder aquisitivo e nós, lojistas, esperamos que esse Black Friday seja melhor neste ano”, espera o comerciante.

    Expectativa

    Segundo o presidente em exercício da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio/AM), Aderson Frota, o varejo passou por problemas sérios durante a pandemia. “A economia de Manaus vinha em um ritmo bom, mas passou a ter problemas com a falta de contêineres para embarcar as mercadorias e embalagens para condicionar os produtos, depois tivemos a disparada do dólar, e tudo isso contribuiu para dificultar a importação dos insumos para as indústrias e gerou o desabastecimento das atividades comerciais”, esclarece.

    Apesar dessa barreira, ele diz que existe uma esperança positiva sobre as vendas no dia 27 de novembro. Segundo ele, essa é uma das três datas mais esperadas pelo comércio para aquecer a economia, já que outras não tiveram um saldo tão positivo. “O desabastecimento pode prejudicar, mesmo assim, a nossa expectativa é que haja um crescimento positivo em função da Black Friday. O Dia das Mães o comércio perdeu, por estar fechado, o Dia das Crianças passou. Temos a Black Friday e o Natal para ter um momento de fortaleza no varejo comercial”, declara.

    Para evitar aglomeração no dia, algumas empresas resolveram adiantar a Black Friday
    Para evitar aglomeração no dia, algumas empresas resolveram adiantar a Black Friday | Foto: Divulgação

    Black Friday online

    Sobre as vendas online, Frota acredita que as empresas devem se adequar ao e-commerce com o tempo. “Eu acho que as vendas irão continuar restritivas, online e com delivery, mas acho que é um processo que vai ao longo da vida. Mesmo que a pandemia seja domada, vamos continuar com hábitos incorporados, como o uso da máscara e do álcool em gel. Da mesma forma, as empresas vão ter que adotar outras estratégias de venda e abordagem ao cliente. Essas adequações são necessárias nos dias de hoje”, salienta.

    De acordo com o presidente do Conselho Regional de Economia do Amazonas (Corecon), Francisco Mourão Junior, essa promoção pode ser aproveitada, porém, com cautela. “A Black Friday sempre é bem-vinda, mas o consumidor precisa ter a consciência do que está comprando e pesquisar os preços antes do Dia D para ver se vale a pena. No período da pandemia, apesar da liberação das atividades econômicas, muitas pessoas estão relutando e se mantendo em casa. Nesse período de incertezas, se for realmente algo que a pessoa precise, é melhor comprar”, aconselha.

    Como uma boa saída para quem precisa vender, a promoção das compras natalícias movimenta a economia local, no entanto, para quem não pode gastar nesse momento de crise, o cuidado é primordial para a saúde do bolso. “Para o comerciante, é uma guerra e um bom momento, principalmente, para esvaziar o estoque, pois se tiver parado, é prejuízo. O mais importante de tudo, quando a gente pensa numa educação financeira, é sempre olhar como estão as finanças antes de comprar”, alerta.

    Marcas adiantam

    Para evitar aglomeração no dia, algumas empresas resolveram adiantar a Black Friday. Uma delas foi o Boticário, que antecipou as promoções comuns nesta época do ano e lançou a Beauty Week, com mais de 500 produtos com até 50% de desconto. O preço promocional vale para compras no site e demais canais digitais como aplicativo e WhatsApp, além de lojas físicas, entre os dias 02 e 29 de novembro.

    Os itens podem ser adquiridos sem sair de casa em diferentes canais: no site www.boticario.com.br, no app disponível para versões Android e iOs ou ainda pelo WhatsApp, no número 0800 744 0010.


    Leia mais:

    Indústria amazonense cresce 4,9% e supera patamar pré-pandemia

    Confiança do comércio volta ao patamar de otimismo após 6 meses

    Semana Brasil começa nesta quinta (3) com baixa adesão em Manaus


    Comentários