Fonte: OpenWeather

    Imóveis


    No AM, setor imobiliário fatura R$ 723 milhões de janeiro a setembro

    Em meio à pandemia, ascensão do mercado surpreende profissionais do ramo no estado

    Na pandemia, manauaras passaram a procurar por casas maiores e perto do trabalho
    Na pandemia, manauaras passaram a procurar por casas maiores e perto do trabalho | Foto: Divulgação

    Manaus – No terceiro trimestre de 2020, o setor imobiliário amazonense lucrou R$ 297 milhões. Já de janeiro a setembro, o mercado somou R$ 723 milhões em faturamento. Em relação ao mesmo período do ano passado, o valor chegou a R$ 578 milhões que, em porcentagem, representa um crescimento de 25%, segundo a Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi/AM). Especialistas do ramo explicam que a queda da taxa de juros durante a pandemia facilitou a compra de imóveis.

    Ainda de acordo com a Ademi, estima-se que, até o final do ano, o mercado imobiliário tenha o rendimento de R$ 1 bilhão, com o crescimento de 23%, se comparado a 2019, com o lucro de R$ 814 milhões. “Das unidades residenciais vendidas, a tipologia com maior participação, é a de 2 dormitórios. Em termos de metragem, as unidades com até 50 m² representam a maior venda líquida, com 76,5%”, detalha a assessoria da associação.

    Para o corretor manauara Adeonor Barros, os profissionais do setor não esperavam a ascensão e nenhum economista poderia prever esse resultado. “Esse crescimento não foi vislumbrado. Com o lockdown, as pessoas que tinham um apartamento, mesmo sendo no condomínio com atividades recreativas, foram impedidos de usufruir. Então, elas passaram a procurar casas por tem quintal, uma piscina, ou seja, um espaço maior. Mesmo as atividades corriqueiras, as pessoas passaram a ter tempo para cortar a grama, lavar a garagem, então houve um incremento nas casas”, explica.

    Barros ainda declara que, mesmo com a quarentena, o programa de habitação popular 'Minha Casa, Minha Vida' apresentou uma grande procura. Inclusive, com terrenos em áreas nobres, como no bairro Flores, na Zona Centro-Sul, que conta com acesso à áreas comerciais, faculdades e escolas. Além do aumento na demanda, um dos requisitos era encontrar residências perto do trabalho.

    Segundo corretor, os imóveis na planta também tiveram uma alta na procura
    Segundo corretor, os imóveis na planta também tiveram uma alta na procura | Foto: Divulgação

    De acordo com o corretor Adriano Saraiva, que também atua na capital amazonense, ao buscar um imóvel, o manauara procura projetos na planta, prontos ou até usados. Dessa forma, todos estão sendo comercializados, mesmo dentro do projeto de habitação popular. “Não sabíamos e até hoje não sabemos direito como irá ficar a situação do país perante essa pandemia, mas o certo é que o mercado está movimentado em todas as classes”, confirma.

    Segundo ele, antes da pandemia, a taxa de juros para a compra de imóveis era bem mais alta. “Mesmo os imóveis de 300 e 400 mil tiveram uma saída acentuada neste ano. O estoque de Manaus está baixo porque já tivemos muitas vendas, por isso, as pessoas procuram agora e não encontram. A taxa de juros no Brasil se aproximou da taxa de juros americana, que gira em torno de 5% nos Estados Unidos da América, melhorando o poder de compra. Em nosso país, a taxa está em torno de 5,5%. Antes da pandemia, a taxa estava em 9%”, esclarece Barros.

    Inflação nos materiais de construção

    Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o custo da construção civil aumentou 1,21% no mês de setembro. Já de janeiro a setembro deste ano, o percentual subiu 4,10%. Barros ainda salienta que o aumento se deu por conta do confinamento, deste modo, as empresas deixaram de produzir os materiais.  

    “Cerca de 95% dos apartamentos não foram atingidos pelo aumento dos materiais de construção, porque já estavam construídos. Agora, os próximos lançamentos podem sofrer essa alteração. Mas acredito que até lá, as fábricas se normalizem”, espera.

    O corretor Saraiva também ressalta que a inflação não irá afetar diretamente o setor. De acordo com ele, quanto ao aumento no preço dos materiais de construção e a possível diminuição ou desaceleração das obras e lançamentos das construtoras, não haverá interferência, pois o mercado sempre se adapta às novas condições. 

    Feira de Imóveis On-line

    Quem está planejando comprar um imóvel, empresas do Amazonas irão realizar ofertas na Feira Online, que será realizada de 21 a 28 de novembro pela plataforma, disponível no período da feira pelo www.feiradeimóveisonline.com.br. Serão mais de 800 mil pessoas interessados, com mais de 190 anunciantes.

    “Já são mais de 150 cidades já confirmadas, incluindo Manaus, e a expectativa de 5 mil acessos por hora. A programação vai contar com apresentações de artistas nacionais em lives e para quem adquirir um imóvel na feira participará do sorteio de um carro 0 km”, informa a assessoria da Ademi.

    Leia mais:

    No Amazonas, mercado imobiliário cresce 24,5% no primeiro semestre

    Inflação dos aluguéis fica em 3,23% em outubro, diz FGV

    Mesmo com inflação de 20,56%, valor do aluguel não aumentou em Manaus

    Comentários