Fonte: OpenWeather

    Black Friday


    CDL-Manaus prevê aumento de 7% nas vendas da Black Friday

    Esse percentual é referente as vendas online; as vendas presenciais, para evitar aglomeração, podem chegar a ter lucro de 3% a 4%

     

    Antes de sair às compras, economista orienta fazer uma lista com os produtos que o consumidor pretende adquirir
    Antes de sair às compras, economista orienta fazer uma lista com os produtos que o consumidor pretende adquirir | Foto: Ione Moreno

    Manaus - Com a pandemia, o comércio manauara foi afetado por conta do estoque parado. Na capital amazonense, existe uma previsão de aumento de 7% nas vendas na Black Friday, em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com pesquisa feita pela Google e com a Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL). Consumidores estão na expectativa e pretendem economizar nesta sexta-feira (27), por isso economista aproveita para dar dicas de como consumir de forma consciente.

    Na região Norte, por exemplo, 75% dos consumidores desejam aproveitar a promoção desta sexta-feira (27), segundo dados da pesquisa Behup, encomendada pelo grupo Globo. Neste grupo está a jornalista Deborah Arruda, que - antes de comprar - costuma pesquisar preços.

    De um mês para cá, ela tem examinado sites buscando o valor dos notebooks, mas está esperando a Black Friday para tomar a decisão da compra. “Estou pesquisando os preços, mas, como preciso, vou comprar com o valor baixo ou não”, revela a manauara.

    Já o designer e arquiteto Leonardo Cruz, conta que conseguiu economizar ao comprar um notebook na Black Friday de 2019. De R$ 4.110,00 o eletroeletrônico foi para R$ 3.200,00 à vista. “Vendi o aparelho e vou ver se vale a pena comprar nesta sexta-feira. Com a alta do dólar, o preço não está tão em conta. Se não toiver 15% de desconto, não vou comprar”, afirma.

    Diferente dos anos anteriores, consumidores devem entrar nas lojas aos poucos para evitar aglomeração
    Diferente dos anos anteriores, consumidores devem entrar nas lojas aos poucos para evitar aglomeração | Foto: Divulgação/Gabriele Bessa

    O presidente da CDL-Manaus, Ralph Assayag, acredita que o percentual de 7% levantado pela pesquisa do Google pode ser alcançado por meio das vendas online, que serão as mais requisitadas nesse ano atípico. Mas, para as vendas presenciais, ele analisa que o crescimento será menor, de 3% a 4%.

    “Esse ano vamos ter um problema muito sério em relação a aglomeração. Caso as lojas façam o preço baixo, não podem deixar os clientes entrarem de uma só vez, vão ter que esperar fora. Então, os preços não estarão tão agressivos quanto ano passado. As vendas online podem chegar nessa previsão de 7% e 3% a 4% presencialmente, que é um número muito bom”, declara Ralph.

    Apesar da pandemia, Ralph acredita que a Black Friday terá um bom resultado, ainda mais com o valor maior do 13º, antecipado pelo Governo do Amazonas. Para não aglomerar, ele conta que funcionários a mais não foram contratados, já que os consumidores não podem adentrar às lojas de uma só vez. “Vai ser um ano difícil, complicado, mas todo esse cuidado é para que a gente não sofra, no Natal, com decretos mais rigorosos”, certifica o presidente.

    Crédito para compras

    Com o intuito de auxiliar os manauaras nas compras desta sexta-feira, a Fintech Ume irá disponibilizar mais de R$ 10 milhões em crédito. Em parceria com mais de 50 estabelecimentos, a startup quer possibilitar o consumidor a conquistar crédito, mesmo sendo negativado. A Tropical Cosméticos, Claro, Oi e Via Uno são algumas das franquias parceiras da empresa.

    Além disso, a tecnologia da startup possibilita o consumidor de conquistar crédito mesmo sendo negativado, uma vez que o comportamento do cidadão é mais levado em conta do que se ele tem ou não nome restrito.

    Para os manauaras, R$ 10 milhões em crédito serão disponibilizados pela Fintech
    Para os manauaras, R$ 10 milhões em crédito serão disponibilizados pela Fintech | Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

    Consumo consciente

    A coordenadora da Comissão Temática de Educação do Conselho Regional de Economia do Amazonas (Corecon-AM), Arlene Sousa, orienta o consumidor a comprar o que realmente precisa para evitar arrependimentos posteriores e dívidas.

    Antes de sair correndo para comprar, Arlene aconselha o cliente a fazer uma lista com os produtos que realmente pretende adquirir. Segundo a economista, essa iniciativa minora o consumismo, sem sair do planejado. “Pense em meses mais estendidos: o que você precisa para os próximos 3 a 6 meses. Será que as compras antecipadas da ceia natal não são uma boa pedida? Alguma reforma? Economizar agora para usufruir depois em uma viagem, por exemplo. Compras em atacado com desconto para revender com margem e gerar renda extra”, pontua.

    Outra recomendação é otimizar as compras, planejar o valor que será gasto e o meio de pagamento – lembrando que o melhor é à vista. Pesquisar os preços antes também é importante, de acordo com a economista. “Cadastre-se em sites de pesquisa e aguarde: você pode ser avisado de melhores preços e oportunidades. Deixe o algoritmo seguir você. Deixe um lembrete em seu celular para cancelar essa inscrição posteriormente, afinal, queremos um consumo consciente, baseado na nossa real necessidade”, completa.

    Perspectiva nacional

    Uma pesquisa da consultoria global de gestão estratégica Kearney mostrou uma previsão de R$111 milhões no faturamento do e-commerce neste ano, uma vez que a maioria das vendas serão feitas pela internet. Em relação a perspectiva anterior à pandemia, a previsão corresponde a R$69 milhões a mais.

    Leia mais:

    Especialistas alertam sobre saques em cartões de crédito consignados

    10 dicas para economizar dinheiro na Black Friday

    Polícia Civil alerta população sobre golpes na Black Friday


    Comentários