Fonte: OpenWeather

    Benefício


    Acabou o auxílio? Veja como ainda receber R$ 1.045 do FGTS emergencial

    R$ 7,9 bilhões não foram sacados. Trabalhadores que optaram por não fazer a retirada ainda podem mudar de ideia e solicitar o saque entre os dias 7 e 31 de dezembro

    Quem solicitar o saque emergencial do FGTS terá o saldo transferido novamente para a conta digital | Foto: divulgação

    Quem perdeu o prazo para sacar até R$ 1.045 do FGTS emergencial pode pedir novamente o resgate a partir desta segunda-feira (7). De acordo com a Caixa, R$ 7,9 bilhões não foram sacados. Os trabalhadores que tenham optado por não fazer a retirada ainda podem mudar de ideia e solicitar o resgate do valor até 31 de dezembro.

    Segundo o banco, durante todo o calendário de saques, foram disponibilizados R$ 37,8 bilhões para mais de 60 milhões de trabalhadores que tinham o direito. Dessa forma, 20,9% do total disponível ainda não foi retirado.

    Leia também: Quem recebeu auxílio de forma irregular terá que devolver; veja lista

    Quem solicitar o saque emergencial do FGTS terá o saldo transferido novamente para a conta digital aberta pela Caixa e ficará disponível para movimentação pelo aplicativo Caixa Tem. O saque emergencial do FGTS foi criado por meio da Medida Provisória 946/20. Ele faz parte de um conjunto de ações do governo federal para minimizar os impactos da pandemia do novo coronavírus.

    Como solicitar

    Para receber o saque emergencial do FGTS o trabalhador precisa estar com os dados cadastrais atualizados. De acordo com a Caixa, quem ainda não recebeu deve acessar o aplicativo fundo, complementar os dados cadastrais e solicitar o saque dos valores, que serão creditados na conta poupança social digital do Caixa Tem. O valor e a data do crédito serão informados pelo sistema em seguida. A Caixa disponibiliza os seguintes canais de atendimento para o saque emergencial

    FGTS: Site: fgts.caixa.gov.br

    Central de Atendimento da Caixa: 111, opção 2

    Caixa APP

    FGTS: Android e iOS

    *Com informações da Gazeta do Povo

    Comentários