Fonte: OpenWeather

    Natal


    Vendas do Natal superam expectativas com 4% de crescimento em Manaus

    Com 100% do balanço apurado, as vendas podem contar com um aumento de 4%, segundo a CDL-Manaus; para alguns lojistas o aumento foi ainda maior, chegando a 60%

    O comércio emprega mais de 430 mil pessoas no Amazonas, sendo o maior arrecadador de tributos do Estado
    O comércio emprega mais de 430 mil pessoas no Amazonas, sendo o maior arrecadador de tributos do Estado | Foto: Lucas Silva

    Manaus – Com o intuito de recuperar os prejuízos dos 100 dias de fechamento do comércio no pico da pandemia, em Manaus, os comerciantes estavam na expectativa para as vendas do Natal. Com 80% do balanço apurado, a saída de produtos representou um crescimento de 3,8% a 4% em 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL). Representantes do comércio e lojistas ressaltam que a incerteza sobre o fechamento dos estabelecimentos pode ter atrapalhado resultados ainda melhores.

    Para o proprietário de uma loja de vestuário no centro de Manaus, Omar Ibrahim, o decreto do Governo do Amazonas iria prejudicar as vendas, principalmente pelos investimentos para última semana do mês, como a aquisição de roupas brancas, com os dizeres de ‘Feliz 2021’. “Havia essa preocupação, mas foi revogado, graças a Deus”, comemora.

    Apesar dos efeitos negativos da crise pandêmica, Ibrahim calcula uma recuperação de 60% nas vendas de Natal deste ano em relação ao Natal em 2019. “O movimento de Natal foi superior ao dos anos anteriores por conta do auxílio emergencial, impulsionando as vendas. Em relação ao prejuízo gerado pela pandemia, de certa forma, esse resultado conseguiu amenizar o impacto, pois as vendas foram acima do esperado e deu para dar uma aliviada nas despesas que tínhamos acumulado anteriormente”, conta.

    De acordo com o presidente da CDL-Manaus, Ralph Assayag, o resultado de vendas pode chegar até 4% quando o balanço tiver 100% apurado. Embora o resultado tenha sido além do esperado, ele diz que a incerteza se as lojas seriam ou não fechadas por decreto interferiu para um resultado ainda mais positivo.

    E-commerce

    Assayag explica que um os fatores que contribuíram para o bom rendimento comercial foi a inauguração de 22 novas lojas, de médio porte, em novembro e dezembro deste ano, com 1.500 contratos definitivos, ampliando os empregos. O presidente também comenta que o segmento e-commerce tem crescido, todavia, ainda existem alguns percalços a serem superados para uma efetivação da nova ferramenta.

    “As vendas online vêm crescendo bastante, porém, o alto custo das plataformas para realizar os pedidos atrapalham o avanço do modelo. Muitos fizeram as vendas digitais manualmente, o que acaba esgotando o lojista, pois ele não consegue ter um controle adequado. Espero que as plataformas abaixem os preços para que o maior número de empresas consiga contar com esse meio. O cliente manauara também está aprendendo a pedir pela internet”, descreve Assayag.

    Com os horários restritivos, os estabelecimentos comerciais devem funcionar de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h
    Com os horários restritivos, os estabelecimentos comerciais devem funcionar de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h | Foto: Lucas Silva

    Incerteza

    Com a pandemia, o desabastecimento do comércio poderia atrapalhar o saldo positivo do Natal, contudo não foi o que ocorreu. A preocupação foi maior em relação ao novo decreto do Governo, uma vez que as lojas poderiam funcionar de forma restrita novamente, mas o plano foi revogado, segundo o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas (Fecomércio-AM), Aderson Frota.

    “Nós tivemos um mês de dezembro excelente. A economia cresceu, estava em recuperação, mas, por conta na contaminação do aumento da Covid-19, e pelo decreto que envolvia sérias restrições, naturalmente, um mal-estar muito grande”, afirma Frota.

    O presidente ainda ressalta que o comércio não deve ser visto como o culpado pelo aumento no número de infectados pelo novo coronavírus na capital, já que o mesmo está à serviço da população e a mantém empregada, levando o sustento para as famílias da região. Frota informa que a Zona Franca de Manaus (ZFM) emprega 91 mil pessoas, enquanto o segmento comercial emprega mais de 430 mil no Estado, sendo o maior arrecadador de tributos do Amazonas.

    “Claro que existem pessoas que desobedecem às regras, mas não é o comércio que gera tudo isso. Esse decreto foi preocupante, porque ficamos 100 dias fechados no pico da pandemia. O governador foi sensível, reconheceu e retrocedeu de forma corajosa, e agora vamos seguir o que foi decidido”, declara o presidente.

    Novo decreto

    Por meio de uma reunião com representantes do comércio e do setor de serviços, que durou mais de 10 horas, no último sábado (26), o governador do Amazonas, Wilson Lima, decidiu autorizar a reabertura do comércio não essencial a partir de segunda-feira (28), com horários restritivos, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, aos sábados e domingos somente nas modalidades delivery, drive-trhu, e com 50% da capacidade.

    A partir disso, somado ao fechamento do balanço para o último trimestre do ano, Frota prevê um final de ano com saldo positivo. “O Natal do ano passado foi excelente, com uma retomada de uma saída da crise, que já durava cinco anos. Nos últimos três meses de 2019, crescemos quase 14%. Creio que vamos crescer mais de 3% nesse mesmo período deste ano”, finaliza.  

    Leia mais:

    Governo do AM flexibiliza funcionamento do comércio com novo decreto

    Em Manaus, contratações temporárias para o Natal tem queda de 50%

    Programação natalina estimula economia de comerciantes no Centro


    Comentários