Fonte: OpenWeather

    Indústria


    Vendas da indústria de máquinas e equipamentos têm alta de 29%

    As vendas da indústria brasileira de máquinas e equipamentos totalizaram no mês de março R$ 16,9 bilhões

     

    O setor vendeu ao exterior, no mês de março, R$ 650,3 milhões em equipamentos
    O setor vendeu ao exterior, no mês de março, R$ 650,3 milhões em equipamentos | Foto: Divulgação/CNI

    São Paulo - As vendas da indústria brasileira de máquinas e equipamentos totalizaram no mês de março R$ 16,9 bilhões, resultado 28,9% superior ao registrado no mesmo mês de 2020. Com isso, o primeiro trimestre do ano do setor encerrou com crescimento de 28%.

    Os dados, divulgados nesta quarta-feira (28), são da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

    Da receita total de R$ 16,9 bilhões, R$ 13,3 bilhões foram de vendas para o mercado interno brasileiro, resultado 45,1% superior a março de 2020.

    “O mercado doméstico continua como o responsável pela melhora no desempenho em alguns dos setores fabricantes de máquinas e equipamentos. Em março, o crescimento da receita interna foi 21,7% na comparação com o mês de fevereiro de 2021 e de 45,1% em relação a março de 2020”, destacou a entidade, em nota.

    Exportações

    O setor vendeu ao exterior, no mês de março, R$ 650,3 milhões em equipamentos, montante 2,5% inferior ao registrado no mesmo mês de 2020. Em relação a fevereiro, as exportações foram 8,5% maiores.

    "Com a aceleração do ritmo de vacinação em importantes economias, o comércio internacional vem ganhando ritmo e com ele a melhora nas exportações. Nos meses de fevereiro e março, houve crescimento em relação ao mês anterior (9,8% e 8,5% respectivamente). Mantido o atual patamar de vendas (US$ 600 milhões mês), teremos um cenário positivo para as exportações neste ano”, ressaltou a entidade.

    Veja mais:

    Setor de máquinas e equipamentos cresce 18% em fevereiro

    Mais de 70% das indústrias têm dificuldades em conseguir matéria-prima

    Indústria amazonense sofre nova retração em fevereiro, de 0,9%

    Comentários