Fonte: OpenWeather

    Comércio


    Confiança do comércio sobe 9,8 pontos, diz pesquisa

    Com 93,9 pontos, o Ibre indica que esse é o nível mais elevado desde outubro de 2020, quando registrou 95,8 pontos

     

    O Índice de Situação Atual (Isa-com) avançou 13,3 pontos
    O Índice de Situação Atual (Isa-com) avançou 13,3 pontos | Foto: Arquivo EM TEMPO

    Rio de Janeiro - O Índice de Confiança do Comércio (Icom), do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), subiu 9,8 pontos em maio. O indicador passou de 84,1 para 93,9 pontos. Segundo o Ibre, é o nível mais elevado desde outubro de 2020, quando registrou 95,8 pontos.

    Nas médias móveis trimestrais, o Icom cresceu 1 ponto, acusando a primeira alta depois de seis meses de quedas consecutivas.

    O Ibre informou nesta segunda-feira (31), que a confiança avançou em todos os seis principais segmentos do comércio e nos dois horizontes temporais em maio.

      O Índice de Situação Atual (Isa-com) avançou 13,3 pontos, alcançando 94,9 pontos, o maior valor desde novembro de 2020, quando tinha ficado em 99,7 pontos. O Índice de Expectativas (IE-com) também subiu (5,9 pontos) atingindo 93,2 pontos, o mais alto valor desde fevereiro de 2021, quando chegou a 95,9 pontos.  

    Para o coordenador da Sondagem do Comércio do FGV Ibre, Rodolpho Tobler, a segunda alta consecutiva da confiança do comércio mais do que compensa a queda observada em março, retornando a patamar próximo ao observado em novembro do ano passado.

    “A melhora ocorreu tanto na percepção do ritmo de vendas no mês quanto nas expectativas, sugerindo que o impacto das medidas restritivas, na virada do primeiro para o segundo trimestre, ficou para trás. A continuidade desse cenário ainda depende de uma melhora mais expressiva da confiança dos consumidores, continuidade do plano de vacinação e consequentemente melhora da pandemia”, disse.

    Limitação

    As empresas do comércio respondem mensalmente sobre quais os principais fatores que limitam a evolução dos seus negócios. Desde março de 2020 uma parte das empresas reporta que a pandemia aumentou expressivamente e se manteve em patamar elevado no fim do ano passado. 

    No final do primeiro trimestre de 2021, o relato voltou a subir com o recrudescimento da pandemia. No entanto, nos últimos dois meses, vem caindo.


    A avaliação é de que isso significa melhoria na percepção das empresas de que a pandemia está limitando a expansão dos negócios ao mesmo tempo que a parcela das empresas que mencionam demanda insuficiente recuou nos dados de maio, sugerindo uma melhora da demanda nesse último mês.  

    Apesar disso, a parcela dos que reportam demanda insuficiente ainda se mantém em nível elevado historicamente.

    Veja mais:

    Para sair da crise, Amazonas precisará diversificar matriz econômica

    Confiança do consumidor brasileiro sobe 3,7 pontos

    Intenção de consumo das famílias recua em maio

    Comentários