Fonte: OpenWeather

    útero didelfo


    Ex-prostituta com 2 vaginas usava uma para trabalho e outra para lazer

    Condição rara deixava clientes de Evelyn boquiabertos

     

    | Foto:

    Evelyn Miller, moradora de Gold Cost, na Austrália, nasceu com uma condição rara, chamada útero didelfo, que fez com que ela tivesse "duas vaginas". A ex-garota de programa, afirma que aproveitava a situação para separar a vida pessoal da profissional, usando uma das váginas para cada situação. As informações são do Jornal The Sun. 

    A malformação uterina congênita é caracterizada por duas cavidades uterinas, cada uma com sua trompa, seu ovário e seu colo uterino. A vagina também pode estar dividida por uma membrana. 

    Ela também tem duas menstruações simultâneas e precisa usar dois absorventes, além de realizar dois exames ginecológicos.

     

    Embora seja raro, Evelyn conseguiu engravidar em um dos úteros
    Embora seja raro, Evelyn conseguiu engravidar em um dos úteros | Foto: Divulgação

    A má-formação dificultava com que ela tivesse filhos,  mas mesmo assim ela conseguiu engravidar no útero direito e agora está com seis meses de gestação.

    Evelyn, de 30 anos, disse que na verdade achou "útil" ter vaginas em dobro. Em seus oito anos trabalhando como profissional do sexo, ela disse que isso deixava seus clientes "boquiabertos".

    Uma das clientes da australiana era uma ginecologista que até transformou a sessão em um exame médico, enquanto outra questionou se o "processo de mudança de sexo havia dado errado".

    Atualmente, dona de uma agência de publicidade, Evelyn disse que após ter revelado ter "duas vaginas" o seu número de assinantes aumentou rapidamente em 1.700 na plataforma erótica OnlyFans, onde mantém uma conta.

    "Para mim era normal e nunca pensei que fosse tão intrigante, mas aparentemente é muito intrigante. Acho que muitas pessoas não podem dizer que usam uma vagina para o trabalho e a outra para a vida pessoal. Foi útil no trabalho poder ter uma vagina totalmente diferente", afirmou.

    Leia mais:

    www.emtempo.com.br/entreelas





    Comentários