Fonte: OpenWeather

    Presença Feminina


    Moto Honda e Salcomp são campeãs no futebol de campo no Sesi

    Moto Honda e Nissin Brake levaram as maiores torcidas, mas o jogo que levou emoção ao Estádio Roberto Simonsen

    Na plateia, o gerente de Recursos Humanos da Nissin Brake, Joseney da Silva Reis, 50, estava confiante na vitória do time da empresa, que terminou o primeiro tempo do jogo vencendo por 1 a 0. | Foto: Divulgação

    Manaus- Ao som de “o campeão voltou”, entoado a plenos pulmões, os jogadores da Moto Honda festejaram muito o 1º lugar no futebol de campo dos Jogos SESI Amazonas 2018, conquistado na última sexta-feira (30), ao vencer o time da Nissin Brake por 4 a 1, nos pênaltis.

    Na mesma programação, que encerrou a 18ª edição da competição, no Estádio Roberto Simonsen, no SESI Clube do Trabalhador, a Salcomp bateu a Keihin, por 4 a 1, e sagrou-se campeã no futebol de campo feminino.

    Diante de um público de 1.200 pessoas, a maioria de trabalhadores das quatro empresas do Polo Industrial de Manaus envolvidas nas duas finais do futebol de campo, a superintendente do SESI Amazonas, Rosana Vasconcelos, foi convidada a dar o pontapé inicial da partida entre Salcomp e Keihin, exatamente às 19h47.

    Para Rosana, é uma alegria chegar a mais uma final dos Jogos SESI, depois de sete meses de disputas envolvendo 128 empresas do PIM e mais de 6 mil trabalhadores-atletas. “Registramos com orgulho, a marcante presença feminina nos Jogos, inclusive no futebol de campo, uma das modalidades mais importantes da nossa competição”, disse a superintendente.

    O chute que deu início à partida no masculino, entre Moto Honda da Amazônia e Nissin Brake do Brasil, coube ao vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), Nelson Azevedo, que ressaltou a importância dos Jogos SESI para melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores do Polo Industrial.

    “As indústrias que incentivam seus trabalhadores a participar dos Jogos SESI estão investindo em valores que são essenciais para a produtividade no ambiente de trabalho, como o trabalho em equipe e a superação de desafios com garra e otimismo”, disse Azevedo.

    Na plateia, o gerente de Recursos Humanos da Nissin Brake, Joseney da Silva Reis, 50, estava confiante na vitória do time da empresa, que terminou o primeiro tempo do jogo vencendo por 1 a 0.

    Segundo ele, a alta direção da Nissin vê a importância da prática de esportes, tanto que incentivou seus trabalhadores a participarem das cinco modalidades dos Jogos SESI, além de ter levado a maior torcida da noite, com mais de 200 empregados presentes no estádio.

    A Nissin acabou cedendo o empate à Moto Honda logo no início do segundo tempo e o placar de 1 a 1 se manteve até o final levando a disputa direto para os pênaltis, onde prevaleceu a experiência dos jogadores da  Honda, alguns com até 17 anos no time, como o zagueiro Cléber Coutinho, de 39 anos, que fez sua despedida da equipe com o gol que definiu o placar final. 

    De acordo com o técnico da Honda, Marciclei Furtado, 42, o trabalho do time é constante. “Porque a empresa faz um trabalho muito forte nos esportes, mas principalmente no futebol, onde a gente tem essa tradição de equipe campeã”, disse, já adiantando que, depois dos Jogos SESI, pelo menos cinco atletas, como o próprio Cleber, vão deixar o time porque consideram que já estão acima do seu limite, da sua capacidade física.

    O desafio agora é substituir a experiência de um goleiro de 36 anos pelo talento cru de um jovem de 20. O goleiro Carlos Roberto, que também deixa o time, pegou dois dos pênaltis batidos pela Nissin.

    Marciclei estreou na Moto Honda em 2017, quando amargou a derrota do time na final para a Inventus, interrompendo três anos de vitórias consecutivas. Agora, ele conseguiu trazer o campeão de volta.  

    Futebol feminino

    Moto Honda e Nissin Brake levaram as maiores torcidas, mas o jogo que levou emoção ao Estádio Roberto Simonsen, na noite de sexta-feira, foi entre Salcomp e Keihin, no futebol feminino, disputado com garra até o último momento, ao contrário do futebol masculino, com mais retranca, por isso, mais burocrático.

    A garra da Salcomp pegou desprevenida a zaga da Keihin, logo no início do primeiro tempo, mas o primeiro gol, assinado por Luziane, só saiu aos 25 minutos. Antes do fim do primeiro tempo, a camisa 20, Valssíria, fez 2 a 0 para a Salcomp.

    Logo no início do segundo tempo, a Keihin reagiu com um bonito gol da atacante Francilda. As adversárias lutaram bravamente, mas as meninas da Salcomp, melhor posicionadas em campo, levaram a melhor e fizeram mais dois, marcados por Suzy e Ellen Caroline.

    Foi o resultado do trabalho realizado nos últimos dois anos pelo técnico Marcos Henrique de Souza, o Marquinho, 32 anos. Para ele, mais gratificante foi vencer a equipe da Keihin, na sua opinião, uma das melhores empresas que mais investem nos esportes, principalmente no futebol feminino.

    “Nós fizemos uma revolução na Salcomp porque soubemos trabalhar a base, o posicionamento das atletas, girando o jogo, segurando a bola. Pra mim, foi o melhor jogo da competição”, disse o técnico.

    Após as duas partidas do futebol de campo, o SESI realizou a cerimônia de encerramento dos Jogos 2018 com a entrega de troféus e medalhas aos vencedores das cinco modalidades disputadas este ano – futebol de campo, futsal, futebol sete, vôlei de quadra e vôlei de areia. No placar geral, foram premiadas, no masculino, a Yamaha Motor da Amazônia, no 1º lugar geral, a CTK, no 2º, e a P&G, no 3º lugar. No feminino, Salcomp em 1º, I-Sheng, no 2º, e Keihin, em 3º lugar.

    *Com informação da assessoria 

    Leia mais: 

    Semifinais da Liga das Nações foi definida nesta segunda

    Atlético Huila, da Colômbia, conquista a Copa Libertadores de Futebol

    Shows de Caprichoso e Garantido encerram Copa Libertadores em Manaus

    Comentários