Fonte: OpenWeather

    Inclusão no esporte


    Jiu-Jitsu paradesportivo amazonense ganha apoio das Federações

    Após boas campanhas nas competições disputadas pela equipe, a delegação começa a colher os frutos do bom trabalho

    A delegação que representa o estado nos torneios mundo afora
    A delegação que representa o estado nos torneios mundo afora | Foto: Reprodução

    Manaus - O esporte sempre serviu como uma ferramenta inclusiva, baseado na ideia de que qualquer um pode praticar modalidades esportivas, bastando apenas a força de vontade. Pensando na inclusão, o paradesporto não ficaria de fora. Com toda essa iniciativa, o Jiu-Jitsu paradesportivo amazonense vem ganhando força na capital.

    Após a boa participação da delegação amazonense no 1º Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu paradesporto, realizado em Florianópolis (SC), onde o Amazonas ficou com a 3º na classificação geral competindo com apenas 9 atletas, contra equipes que tinham até 40 membros, o apoio a modalidade vem crescendo.

    O torneio

    No torneio realizado em 12 e 13 de julho, foram mais de 200 competidores de todo o Brasil com deficiência física, auditiva, intelectual e visual competindo entre si, buscando a consagração dentro do torneio, no qual todos os 9 atletas da delegação amazonense medalharam, divididos entre ouro, prata e bronze.

    Com o  bom desempenho do time na competição, o coordenador do time, Paulo Franco de Sá, revelou que os frutos vem sendo colhidos. “Só tínhamos uma Federação conosco, a Federação Amazonense de Jiu-Jitsu Profissional (Fajjpro). Pouco menos de um mês para a competição, conseguimos o apoio da Federação Amazonense de Jiu - Jitsu Esportivo (FAJJE). Por último, falei com a Federação de Jiu-Jitsu do Amazonas (FJJAM), mais antiga e mais importante de Manaus, pois é vinculada a International Brasilian Jiu Jitsu Federation (IBJJF)”, explicou.

    Além disso, com o bom desempenho, a equipe começa a ser cogitada para novos torneios. “Estamos no caminho certo, as federações vão apoiar Jiu-jitsu paradesportivo, apenas alinhando detalhes que precisam ser definidos, com eles nos incluindo no calendário anual de todas as competições", contou de Sá.

    Foram diversas reuniões para buscar o apoio para o esporte local
    Foram diversas reuniões para buscar o apoio para o esporte local | Foto: Reprodução

    Mesmo concorrendo com atletas a menos, em comparação a outras delegações - algumas foram com 40 atletas - o desempenho ainda foi satisfatório. "A equipe ficou em 3º lugar por equipes, no torneio que ocorreu em Florianópolis, com todos os atletas medalhando. A delegação contou com apenas 9 atletas ficou em terceiro no ranking geral, competindo contra delegações com mais de 40 atletas. É um marco para o paradesporto do AM, sendo muito gratificante", relatou Paulo.

    Além das Federações, houveram outros apoios para a equipe, que tornaram possível a participação no torneio. “Tivemos a Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), que nos apoiou com passagens para os atletas, por parte do Caio André, atual secretário da pasta. Muita coisa ainda vai acontecer e acredito que o nosso esporte só tem a crescer com o esse movimento. Por conta do apoio da Sejel, retribuímos o presente dando a eles o nosso troféu de 3º lugar na competição", explicou ele.

    Próximos passos

    Os lutadores já se encontram em preparação para os próximos torneios, de acordo com Franco. "A próxima etapa é o Grand Slam do Rio de Janeiro, em novembro, com todos os nossos atletas já em treinamento e focados. Em agosto, temos 3 competições para nossa delegação, para que eles se preparem da maneira correta para o torneio de novembro", relatou.

    Para integrar a equipe

    A equipe se prepara para torneios no Rio de Janeiro
    A equipe se prepara para torneios no Rio de Janeiro | Foto: Reprodução

    Para ser um paratleta, é necessário inicialmente um acompanhamento médico para pegar um laudo que o credencie. Com o laudo em mãos, o paratleta vai passar por uma classificação funcional da federação brasileira de jiu-jitsu paradesportivo para saber em que classe ele se encaixa.

    Para entrar para o time de competições, de Sá explica ser necessário treinar em qualquer academia de Jiu-jitsu, ter um laudo em mãos  e entrar em contato com os responsáveis, de preferencia Paulo de Sá.

    Após esse processo, o paratleta é incluido em um grupo, onde o mesmo terá ciencia de todos os campeonatos regionais, nacionais e internacionais que a delegação estiver apta.

    Leia Mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!:

    Manaus FC desperdiça pênalti e empata com Jacuipense na Bahia

    Times amazonenses estreiam na Copa Verde com o pé esquerdo

    Comentários