Fonte: OpenWeather

    Racismo no esporte


    Jogadoras do Santos são chamadas de “macacas” e time emite nota

    Em nota, o Santos FC informou que irá contribuir para a investigação

     

    Casos de racismo mancham a história do esporte
    Casos de racismo mancham a história do esporte | Foto: Reprodução

    No esporte, infelizmente, não existem somente alegrias, mas casos de racismo e preconceito mancham o que deveria ser uma disputa de igualdade. 

    A equipe feminina do Santos FC sofreu racismo neste feriado. A maioria das atletas do time receberam, por meio das redes sociais, mensagens repletas de preconceito. 

    "Macacas idiotas do time. Não jogam futebol. É melhor ir para casa para se masturbar", disse a mensagem com emojis de palhaços, macacos, bananas e um gesto obsceno. 

     

    Várias jogadoras receberam as mensagens
    Várias jogadoras receberam as mensagens | Foto: Reprodução

    Em nota, o Santos FC informou que irá contribuir para a investigação rastrear o autor dos comentários preconceituosos. Veja na íntegra:

    "

    O Santos FC abomina veementemente qualquer manifestação de racismo e preconceito em geral, como ocorreu hoje, com algumas de nossas atletas do futebol feminino, em suas redes sociais. Não podemos tolerar ou permitir que atos como esse se repitam. A sociedade precisa se mobilizar para que pessoas que se escondem em perfis falsos não tenham mais força. Não devemos nos omitir de situações que demonstram comportamento racista e, por isso, o Santos FC contribuirá com a investigação para rastrear os responsáveis por esse ato. Chega! "

    Santos FC, Nota de repúdio

     

    Racismo no esporte

    Além da pandemia, muitos casos de racismo no esporte foram contabilizados em 2020. Atletas e profissionais do esporte levantaram uma importante bandeira dentro de fora das competições: o respeito. Nomes como Neymar e Lewis Hamilton sofreram com o racismo e se posicionaram sobre os casos.

    Um dos maiores pilotos da história, Lewis Hamilton é o primeiro negro a correr na Fórmula 1, a elite das competições de corrida no mundo. Sua destreza nas pistas não o tira da posição de ser um alvo daqueles que desrespeitam as pessoas.

    Em 2020, Hamilton assumiu a missão de usar seu espaço e voz na mídia para falar e demonstrar seu apoio as vítimas de racismo. Em 2008, o próprio piloto foi alvo do crime, no Grande Prêmio da Espanha, quando torcedores pintaram os rostos com tinta preta, e imitavam sons de macaco, a cada aparição do inglês. 

    O auxiliar técnico Webó sofreu racismo vindo do quarto árbitro do jogo entre PSG e Istambul Basaksehir, no dia 8 de dezembro de 2020.

    Aos 14 minutos do primeiro tempo, Pierre Webó relatou que ouviu do quarto árbitro, um termo racista, para se referir a ele. Os jogadores da equipe do auxiliar ficaram inconformados com a situação e foram pedir explicações ao árbitro. 

    Como forma de protesto, os jogadores abandonaram a partida, se encaminhando para o vestiário. Ao saber do motivo da confusão, o time do Paris Saint-Germain se solidarizou a Webó e também desistiu da partida. 

    Leia mais:


    Comentários