Fonte: OpenWeather

    Saúde e bem-estar


    Diabetes: como evitar e como tratar

    A doença é hoje considerada uma pandemia silenciosa que também está relacionada ao agravamento da Covid-19

    Escrito por Euler Ribeiro no dia 24 de junho de 2021 - 08:00

     

    Além de um acompanhamento médico regular, podemos prevenir o agravamento da doença adotando uma dieta pobre em açúcar, sal e gorduras
    Além de um acompanhamento médico regular, podemos prevenir o agravamento da doença adotando uma dieta pobre em açúcar, sal e gorduras | Foto: Divulgação


    Costumo dizer que há três pós brancos que mais matam a raça humana: o açúcar, o sal e o glúten. O primeiro, consumido em excesso, está relacionado a uma maior incidência de diabetes. No sentido figurativo podemos dizer que o açúcar não é o único vilão, afinal o diabetes é desencadeado por diversos fatores associados à má alimentação, entre eles o sedentarismo, a tendência genética e o sobrepeso.

      Segundo dados do Ministério da Saúde, o diabetes afeta cerca de 250 milhões de pessoas em todo o mundo. A doença é hoje considerada uma pandemia silenciosa que também está relacionada ao agravamento da Covid-19. Vejamos como ela funciona.  


    Existem dois nutrientes no corpo humano essenciais para gerar energia em nosso sistema: o oxigênio e a glicose (hidrato de carbono ou “o açúcar”). A glicose é obtida por meio da alimentação e sua quantidade em nosso sangue (glicemia) é regulada pela ação de dois hormônios: a insulina e o glucagon. Quando há uma produção insuficiente de insulina, nosso organismo desenvolve o Diabetes Mellitus, doença crônica causada pela falta ou má absorção deste hormônio produzido pelo pâncreas.

    Há vários tipos de desenvolvimento do Diabetes mellitus, cuja característica principal é o aumento de açúcar no sangue. Temos o Tipo 1, quando o indivíduo já nasce com uma deficiência do hormônio da insulina produzido pelo pâncreas, e hereditária, que geralmente se manifesta durante a infância e juventude, sendo necessária a aplicação de insulina.Os principais sintomas incluem fome e sede frequente, vontade de urinar várias vezes ao dia, fraqueza, mudanças no humor, náuseas e vômitos.

    Crianças com histórico familiar devem realizar exames regularmente para medir a taxa de glicose no sangue. Infelizmente não há cura, é uma doença autoimune que necessitará de tratamento durante toda a vida. O diabetes tipo 2, responsável pela maioria dos casos, ocorre quando há uma resistência do organismo à insulina e está relacionado diretamente aos maus hábitos de vida como sobrepeso, sedentarismo, alimentação inadequada e hipertensão. Neste tipo a doença costuma se instalar silenciosamente e só buscamos ajuda médica quando há o agravamento com alterações na visão, feridas na pele que demoram a cicatrizar, formigamento constante nos pés e mãos.

      O tratamento também é realizado com administração de medicamentos, porém em ambos os casos deve-se incluir cuidados com alimentação e a prática de exercícios físicos para um controle maior da doença. Quando não há tratamento adequado, o paciente crônico pode ter complicações sérias no coração, rins, artérias, olhos, nervos, amputações e consequentemente a morte.  


    Portanto, além de um acompanhamento médico regular, podemos prevenir o agravamento da doença adotando uma dieta pobre em açúcar, sal e gorduras - até mesmo frutas devem ser consumidas com parcimônia por pacientes diabéticos. Busque um profissional de nutrição para orientações de um cardápio equilibrado, pratique exercícios físicos para queimar a energia pelo menos 30 minutos por dia, durma adequadamente, evite fumar e controle rigorosamente a glicose no sangue e, assim, evitando a morte precoce.


    Leia Mais:

    Medo: recurso para o autoconhecimento e para nos livrar do risco

    O tempo voa

    Quer viver muito e morrer bem velhinho ? Veja as dicas do Dr. Euler

    Articulistas

    Comentários