Fonte: OpenWeather

    saída espontânea


    Crianças saem de casa e não voltam mais

    Em menos de 2 anos, 153 crianças desapareceram em Manaus

    Esses números englobam a saída espontânea do lar, pois neste ano não houve nenhum caso de desaparecimento que não tenha sido solucionado. | Foto: Divulgação

    Em menos de dois anos, 153 crianças de 0 a 12 anos desapareceram em Manaus, segundo dados divulgado pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). O quantitativo da polícia aponta, que os maiores índices de desaparecimento concentraram-se nas zonas Leste e Norte da capital.

    Para a titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), delegada Juliana Tuma, esses números englobam a saída espontânea do lar, pois neste ano não houve nenhum caso de desaparecimento que não tenha sido solucionado.

    Ainda Segundo Tuma, último caso de desaparecimento não solucionado foi registrado em outubro de 2016, quando a estudante Cinthia da Gama Pereira, de apenas 12 anos, despareceu após sair da escola municipal Engenheiro João Menezes Braga, onde estudava, localizada no bairro Cidade Nova, Zona Norte.

    “Todos os dias é muito frequente o registro na Depca, do que a gente chama de abandono de lar, mas na verdade é a saída espontânea do lar dessas crianças ou adolescentes que não querem ser encontradas pelos responsáveis. Elas fogem por diversos motivos e muitos saem de casa porque não aceitam a imposição de limites ou está namorando e os pais não aceitam, entre outras causas”, explicou Tuma.

    Crianças entre 0 e 12 anos desaparecem espontaneamente e família busca delegacias para registrar casos.
    Crianças entre 0 e 12 anos desaparecem espontaneamente e família busca delegacias para registrar casos. | Foto: Divulgação

    Mistério

    No último dia 28 de outubro deste ano, completou 10 anos do desaparecimento de Shara Ruana Nascimento Reis, que na época estava com sete anos. A menina sumiu após, sair para comprar pão, e não retornou.

    Na ocasião, uma tia de Shara viu a menina saindo de casa, mas garante que a criança caminhou no sentido contrário à padaria. Para Pedro Lourenço Reis, de 54 anos, pai de Shara, a menina foi levada por alguém que conhece a família. Até hoje, a polícia não tem uma resposta concreta sobre o ocorrido no caso de Shara Ruana.

    Registros

    Ao todo, em 2016 foram registrados 107 casos de desaparecimentos na capital. A titular da Depca ressaltou que esses números parciais de 2017, que chegam a 46 sumiços, comparados ao ano passado não fogem da média de registro anual, apesar de os números da SSP mostrarem que houve uma redução no período de janeiro a setembro deste ano. “Nós temos feito palestras nas escolas para tentar conscientizar as crianças e adolescente do seu lugar, do seu momento e sua etapa. A redução nesses casos é um motivo de comemoração para nós, tudo que chega ao conhecimento da delegacia nós investigamos e comunicamos os outros órgãos competentes para solucionar todos os casos” finalizou a delegada.

    Irmãs desaparecidas

    Duas irmãs adolescentes identificadas como Vitória Pietra, de 16 anos, e Alice Vitória, 14 anos, desapareceram no último domingo (5). A família registrou Boletim de ocorrência na Depca, no conjunto Vista Bela, bairro Planalto, Zona Centro-Oeste.

    De acordo com informações da família, as jovens saíram de casa para uma festa no Clube do Pará, na noite de sábado, no bairro Colônia Terra Nova, Zona Norte e não voltaram mais para casa.

    Familiares relatam que receberam informações de que Vitória e Alice estariam com o DJ que tocava na noite de domingo, conhecido como “Berimbau”. A família e a polícia tentaram contato com o Clube, mas não localizaram o DJ.

    Crianças entre 0 e 12 anos desaparecem espontaneamente e família busca delegacias para registrar casos.
    Crianças entre 0 e 12 anos desaparecem espontaneamente e família busca delegacias para registrar casos. | Foto: Divulgação

    Sumiço

    Após realizarem a “Prova Brasil”, as estudantes Maria Clara Guedes da Costa, 13, e Rayana de Oliveira Souza, 11, desapareceram dia 27 de outubro. Era por volta das 10h30 quando as duas meninas deixaram juntas a escola municipal Divino Pimenta, localizada na comunidade Nova Floresta, no bairro Tancredo Neves, Zona Leste de Manaus. Elas aparentavam estar felizes por concluírem a prova com sucesso. Depois disso, ninguém sabe o que aconteceu com as duas meninas.

    Comentários