Fonte: OpenWeather

    Gasolina


    Conheça as diferenças entre gasolina comum, aditivada e premium

    Gasolina não é tudo igual. Mostramos as principais características de cada tipo do combustível, e damos dicas de como economizar

    A gasolina comum, do tipo C, não recebe nenhum aditivo além do etanol, e por isso tem coloração amarelada | Foto: Leonardo Mota

    Podium, comum, V-Power, aditivada, Octapro… Os postos de serviços oferecem gasolina com diversos nomes, que procuram transmitir a sensação de que, após o abastecimento com uma delas, seu carro vai sair dali fritando pneus e batendo recordes de desempenho e economia.

    Mas, na verdade, nem sempre – ou melhor, quase nunca – é assim. Atualmente, a gasolina recebe nomes genéricos, caso da gasolina comum, e também denominações específicas de cada distribuidora, ou “bandeira”.

    A gasolina mais comum é exatamente a chamada de… comum. Ela é a gasolina tecnicamente identificada como “tipo C”, vendida em todos os postos. Trata-se da gasolina comercial, que leva adição de 27% de etanol anidro (sem água). Essa gasolina é obtida a partir do combustível do “tipo A”, que não tem nenhuma adição de etanol, e não é vendida em postos.

    A gasolina comum, do tipo C, não recebe nenhum aditivo além do etanol, e por isso tem coloração amarelada. Tanto que, antigamente, era conhecida como “gasolina amarela”. Isso nos anos 70 e 80, quando a gasolina mais nobre (e mais cara) tinha coloração azulada.

    A gasolina comum tem octanagem mínima de 87 IAD (índice antidetonante). Esse número determina a resistência do combustível à detonação antes da centelha.

    Gasolina aditivada tem ação detergente

    Acima da gasolina comum aparecem os combustíveis aditivados. Além da adição de etanol, que é obrigatória, essa gasolina recebe também detergentes e dispersantes em sua composição. Teoricamente, esses componentes têm a função de limpar o interior do motor, como formações de carvão em válvulas e câmaras de combustão, por exemplo.

    Esse tipo de combustível tem também algum corante, para diferenciá-lo da gasolina comum. Geralmente, ela tem a mesma octanagem da comum, mas pode haver alguma diferença, dependendo da distribuidora.

    Acima das gasolinas aditivadas estão os combustíveis conhecidos genericamente como “premium”. Sua principal característica é a maior octanagem. Ela é indicada para motores mais avançados tecnicamente. Ao contrário do que algumas propagandas procuram insinuar, as gasolinas “premium” não aumentam a potência do motor nem melhoram o desempenho do automóvel. Mas extraem o melhor do propulsor.

    Gasolina premium é indicada para esportivos

    A gasolina do tipo premium deve ser utilizada em automóveis que foram desenvolvidos para funcionar com ela, especialmente os esportivos importados. Essa orientação costuma estar no manual do veículo e na tampa do reservatório.

    Utilizar combustível comum ou aditivado em automóvel feito para trabalhar com gasolina de maior octanagem pode resultar em piora de desempenho. Mas o inverso não ocorre. Carro desenvolvido para funcionar com gasolina comum não vai andar mais com a premium. Ela custa mais e não trará benefícios para o motor.

    Cada distribuidora tem um nome próprio para a gasolina especial. Na rede BR, por exemplo, ela é chamada de Podium, e tem 97 IAD. Na rede Ipiranga, ela é batizada de Octapro, numa alusão à maior octanagem (96 IAD). A Shell batiza a sua gasolina premium de V-Power Racing, e informa que ela tem 91 IAD.

    Aprenda a economizar combustível

    A economia de combustível está muito mais associada à forma de dirigir do que ao tipo de gasolina escolhido. Seguindo algumas dicas simples, é possível obter bons resultados.

    Para começar, um dos geradores de aumento de consumo é a pressão dos pneus. Quanto mais murchos, maior o atrito com o piso, e, portanto, é necessário mais esforço do motor.

    Manter a calibragem ajuda não só a economizar combustível, mas também preserva os pneus. Verifique a pressão ao menos uma vez por semana e sempre com os pneus frios.

    Não descuide da manutenção preventiva, que deve ser feita dentro dos prazos previstos pela fabricante do carro. Filtro de ar sujo, por exemplo, reduz a admissão de ar no motor.

    Cabos e velas de ignição que não estejam em ordem comprometem a qualidade da faísca. Como consequência, a má queima resulta em desperdício de combustível.

    O consumo de combustível também está diretamente relacionado com o peso do veículo e da carga. Por isso, procure não levar no porta-malas coisas que não sejam necessárias.

    Dirigir de forma sensata se reflete em economia. Acelerações graduais surtem mais efeito do que o “pé pesado” sobre o pedal da direita.

    Antecipe-se à frenagem. Ao avistar um semáforo vermelho à frente, alivie o pé. Isso evita gasto desnecessário de combustível e também de pastilhas de freio, já que não será necessário frear fortemente para imobilizar o veículo.

    Evite ‘esticar’ as marchas

    Também não é recomendável “esticar” as marchas. Procure fazer as trocas em faixas de rotação médias. Quanto maior o giro do motor, maior a injeção de combustível.

    Após dar a partida pela manhã, não é necessário esperar o motor esquentar para sair, salvo em automóveis antigos, equipados com carburador. A injeção eletrônica se encarrega de enviar a quantidade ideal de combustível, mesmo com o motor ainda frio.

    Na estrada, onde normalmente as velocidades são maiores, evite dirigir com as janelas abertas. Isso porque a entrada de ar tende a aumentar a resistência aerodinâmica e elevar o consumo. Com o ar passando mais facilmente pela carroceria, o consumo é menor.

    O ar-condicionado também é um vilão da economia. Se possível, evite usá-lo sem necessidade. Nos dias mais frios, ao utilizar o aquecedor, o ideal é desligar o compressor do ar-condicionado. Com isso, o interior do veículo fica aquecido sem comprometer o consumo.

    Na hora de abastecer, evite colocar mais combustível após o desligamento automático da bomba. A partir desse ponto, o líquido adicional pode encharcar o cânister, filtro de carvão cuja função é eliminar gases do tanque. Além de desperdiçar dinheiro, isso pode estragar o filtro, elevando ainda mais o prejuízo.

    *Com informações do Estadão

    Comentários