Fonte: OpenWeather

    Saúde Masculina


    Em Manaus, urologista alerta para os riscos da ereção permanente

    Situação exige atenção médica imediata para que não gere danos futuros. E em alguns casos é necessário até intervenções cirúrgicas.

    Aproximadamente 150 mil homens sofrem com priapismo anualmente. | Foto: Divulgação

    Manaus - O priapismo é uma condição médica rara que acomete por ano, no Brasil, aproximadamente 150 mil homens. Ainda que não seja muito frequente, é preciso estar atento aos sintomas, pois sua principal consequência é a impotência sexual. O Portal EM TEMPO conversou com o médico urologista Flavio Antunes para saber mais sobre o tema. 

    Trata-se de uma ereção involuntária e persistente. O sintoma principal é uma ereção que dura mais de quatro horas ou que é recorrente ao longo de várias horas. O especialista explica que a condição não tem relação alguma com desejo ou estímulo sexual. 

    "Quando se tem o priapismo, o ideal é que faça o tratamento em até seis horas do momento que iniciou a ereção. Passou de seis, aumenta as chances de isquemia (deficiência ou ausência de suprimento sanguíneo) da circulação do pênis, isso posteriormente pode levar à  disfunção erétil, dificuldade de ereção", explica o médico.  

    Segundo Flavio, a condição atinge de 0,7 a 1,5 homens a cada 100 mil. Em uma pesquisa que o médico realizou há alguns anos, ele constatou 37 casos no Amazonas, em um ano e meio. 

    Causas

    O priapismo pode estar relacionado ao uso de drogas, álcool e a alguns medicamentos ansiolíticos e antidepressivos. Os medicamentos usados para tratar ereção também estão entre os principais responsáveis pela causa do priapismo. 

    Algumas doenças do sangue podem levar a esta condição. A mais comum é a anemia falciforme, que acomete as células do sangue. 

    Com mais de 20 anos de carreira, o médico conta que já atendeu vários casos de priapismo. "É realmente uma emergência urológica, é urgente". 

    Priapismo recidivante

    O evento geralmente ocorre uma única vez, mas têm homens que podem ter mais vezes. "Existem alguns homens que podem ter priapismo recidivante, que é pouco frequente, mais raro ainda. As causas do priapismo recidivante são as mesmas causas do priapismo isolado", conta o médico. 

    Tratamento

    O mais importante nesses casos é procurar com urgência o urologista. Quanto mais tempo ele demorar, maior as chances de evoluir para dificuldades de ereção. O tratamento imediato e as opções incluem drenagem de sangue do pênis (aspiração) e medicação para restringir o fluxo sanguíneo ao pênis.

    Casos famosos

    O cantor de jazz Danny Polaris teve que ficar internado neste mês, por mais de duas semanas na cidade de Berlim, na Alemanha, diagnosticado com um caso severo de priapismo. No Instagram, o músico revelou que o problema começou quando um enfermeiro com quem se relacionava lhe aplicou uma injeção de remédios para disfunção erétil.

    Cantor de jazz ficou internado após ser diagnosticado com priapismo severo.
    Cantor de jazz ficou internado após ser diagnosticado com priapismo severo. | Foto: Divulgação
    Comentários