Fonte: OpenWeather

    Câncer colorretal


    Setembro reforça o alerta sobre a prevenção do câncer colorretal

    O número de casos para cada 100 mil pessoas, chega a 8,40

    Os especialistas alertam para os sintomas da doença | Foto: Divulgação

    Manaus - Classificado como o 5º tipo de câncer entre os homens do Amazonas e o 4º entre as mulheres, o câncer de colorretal entra em evidência este mês, com o ‘Setembro Verde’, que alerta sobre a prevenção à doença. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a previsão é de 280 casos/ano no Estado, incluindo também o câncer de reto. A maior parte (170) em mulheres, cuja taxa bruta de incidência, ou seja, o número de casos para cada 100 mil pessoas, chega a 8,40.

    O cirurgião oncológico e membro da diretoria da Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc), Dr. Manoel Jesus Pinheiro Júnior, explica que o cólon é a maior parte do intestino grosso, área onde há a maior ocorrência de casos de câncer do intestino.

    O intestino compõe o aparelho digestivo e tem função essencial no processo de digestão de alimentos, pois é nele que ocorre a absorção da água necessária à formação do chamado bolo fecal, facilitando o trânsito intestinal.

    “Entre os fatores considerados de risco para a doença estão os pólipos intestinais e a constipação, popularmente conhecida por prisão de ventre. Quanto maior o intervalo entre uma evacuação e outra, mais tempo as fezes ficam acumuladas no intestino, irritando a parede e potencializando o risco de desenvolvimento dos pólipos, que por sua vez, podem evoluir para tumores malignos ou benignos”, explica o especialista em oncologia.

    Jesus Pinheiro alerta que sinais como sangue nas fezes, dores abdominais e na região pélvica com certa freqüência, além de dores ao liberar as fezes, merecem uma investigação mais aprofundada de um especialista. “Durante a análise clínica, podem ser indicados exames de imagem como retosigmoidoscopia e colonoscopia com biópsia. Após a coleta de fragmentos para a análise patológica, pode-se chegar ao diagnóstico do câncer ou descartá-lo, buscando outros tratamentos menos agressivos”, explica.

    Os tratamentos indicados podem ser: cirúrgico, radioterápiuco ou quimioterápido. Há casos em que as terapias são associadas, de modo a combater de forma mais eficaz a doença. “Lembramos que, a partir dos 50 anos, é recomendada a colonoscopia anual para o rastreio de alterações no intestino. Isso porque, a maior parte dos casos de câncer não apresenta sintomas na fase inicial. E quando diagnosticado precocemente, o câncer tem maiores chances de cura”, frisou.

    Ele ressalta que os principais métodos preventivos envolvem a manutenção de uma dieta regular contendo frutas, verduras, alimentos à base de fibras, cereais e carnes brancas. Além disso, o consumo de pelo menos dois litros de água também ajuda, pois irriga o intestino e reduz a constipação. “Manter níveis adequados de vitamina D no organismo e praticar regularmente exercícios físicos também ajudam a prevenir o câncer colorretal, uma vez que reduzem a resistência à insulina e libera a endorfina, que fortalece o sistema imunológico”, finalizou.

    Já conhece a Lacc?

    A Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc) foi fundada em 1955. Entre os projetos sociais financiados a partir da doação de colaboradores à Lacc, destacam-se: aluguéis sociais para pacientes de fora que buscam tratamento em Manaus; pagamento de transporte fluvial e terrestre; doação de cestas básicas mensais às famílias em situação de vulnerabilidade; compra de alimentação especial para pessoas pré-cadastradas pelo Serviço Social da FCecon; suporte às ações de prevenção e cuidados paliativos da unidade hospitalar; distribuição diária de lanches na FCecon no horário da manhã; campanhas voltadas à recuperação da auto-estima dos pacientes, entre outros.

    *Com informações da assessoria 

    Comentários