Fonte: OpenWeather

    Transferência


    Líderes de chacina devem ser transferidos para presídios federais

    O Ministério de Justiça e Segurança Pública não descartou a possibilidade de transferir os responsáveis pela chacina nas unidades prisionais do Amazonas para presídos federais

    Tropas da Força-tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) serão deslocadas para o Amazonas
    Tropas da Força-tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) serão deslocadas para o Amazonas | Foto: Josemar Antunes

    Manaus - O Ministério da Justiça e da Segurança Pública não descartou a possibilidade de transferir os responsáveis pela chacina nas unidades prisionais do Amazonas para presídos federais. A informação foi divulgada em nota enviada o Jornal Nacional na noite desta segunda-feira (27). 

    Mais cedo, o Ministério havia anunciado envio de Força-tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) para atuar no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, a pedido do governo do Amazonas.  A nota informava que o  Departamento Penitenciário Nacional (Depen) aguardava a formalização do pedido, mas já estava tomando as providências para o deslocamento da equipe ao Estado. 

    A Força-tarefa

    A FTIP, foi criada em janeiro de 2017. Na atual gestão, o Depen passou a coordenar, exclusivamente, a força-tarefa em apoio aos governos estaduais em situações extraordinárias de crise no sistema penitenciário para controlar distúrbios e resolver outros problemas.

    Formada por agentes federais de execução penal dos 26 estados da federação e do Distrito Federal, a FTIP obedece o planejamento definido pelos entes envolvidos na operação, sempre que houver necessidade de sua atuação.

    A Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) é responsável pela segurança da área externa do Complexo Penitenciário Anísio Jobim desde 09 de janeiro de 2017. A FNSP continuará atuando no local.

    Leia Mais 

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

    Veja lista com nomes dos mortos em presídios de Manaus

    Após mortes, Arthur Neto comenta descontrole nas prisões do AM


    Comentários